~Dumbledear

Dumbledear
DFCRose
Nome: Dani
Status: Usuário Veterano
Sexo: Feminino
Localização: Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
Aniversário: 14 de Outubro
Idade: 22
Cadastro:

Inter-fucking-vention


Postado

Agora a coisa tá séria e eu preciso de uma intervenção.


Treze fanfics em andamento... Não é pra qualquer um. Na verdade, não é pra ninguém, isso é um erro, não entrem nessa, ninguém merece. Simplesmente não há tempo hábil pra isso, amigos. Não há. Estou perdida, afundando em histórias. Mea Culpa.


Okay. Já vou avisando -- esse jornal vai ser longo. Começando pelo meu maior sucesso *blush*:

1) Os Laços Que Nos Unem é definitivamente a minha fic com mais favoritos. É também uma crossover entre Teen Wolf e Vampire Academy. Por quê?

Minha explicação pra essa atrocidade é simples: eu estava absolutamente amando os livros da Academia de Vampiros até que, de repente, eu comecei a odiar o que a autora fez com a história. Os problemas de estado não foram resolvidos, o final foi fraquíssimo e o que aconteceu com o Dimitri foi muito estúpido. Eu sei que muita gente não vai concordar e é por isso que quero deixar claro que esta é apenas a MINHA OPINIÃO PESSOAL e não representa nada pra ninguém que não queira aceitá-la. Mas resumindo: eu queria que a história fosse diferente. E que melhor maneira do que mudá-la eu mesma? Na mesma época, me nasceu uma obsessão pelo Stiles de Teen Wolf e a junção das duas histórias foi se formando com um fato novo: agora eu não precisava ter apenas vampiros, eu poderia adicionar todos os tipos de criaturas mitológicas que me fossem convenientes.

Sei que muita gente não ficou feliz com o casal que eu escolhi como principal: Stalia. Sei que muitos deixarem de ler por causa disso. Eu fico triste, mas entendo que todos tem suas preferências. Só queria explicar que Stalia não é a minha. Eu não tenho uma preferência. Eu gosto do Stiles e ponto final. Com quem ele quiser ficar, tá bom pra mim. Mas eu precisava encaixar os personagens na história da maneira que ficasse melhor. Foi essa. Eu sabia que eu precisaria de um personagem biruta pra depois, então guardei a Lydia pra esse propósito. E o Derek... bem, eu nunca gostei muito dele, então o deixei meio que de lado.
OLQNU está terminando seu terceiro de seis arcos. M-E-T-A-D-E. Passou tão rápido que tenho certeza que vai acabar antes de eu estar preparada para lidar com isso. Mas essa é a vida. Eu agradeço à todas as pessoas que me deram uma chance e que comentaram/favoritaram esta fic. Foi a primeira vez na vida que eu senti que estava fazendo alguma coisa certa. Pela primeira vez senti que era boa em algo. E tudo isso se deve à vocês. ❤

2) O Destino Extraordinário é uma história complicada por mais que tenha começado da mesma maneira que OLQNU. Eu li uma história e eu queria mudar algumas coisas nela. Eu queria alguém nos Jogos Vorazes que não tivesse chance alguma de sair de lá viva. E que nem tentasse. Alguém que fosse fraca e, acima de tudo, boa. E que apenas sobrevivesse porque conseguiu conquistar o coração de muita gente com suas demonstrações de caráter. Isso que eu queria. Mas quando eu comecei a escrever, eu fui percebendo os muitos furos que eu estava deixando pelo caminho. Os 12 distritos multiplicaram-se mas eu não tinha informações pra isso. O menino misterioso que se apaixonaria por ela era um estranho pra mim. Nada fazia mais sentido e eu estava contando a história de trás pra frente.
Foi aí que The 100 surgiu na minha vida e o menino misterioso ganhou um rosto:
Mas não foi o suficiente. Ainda me faltavam muitos detalhes. Algo que só pode ter sido um ato divino me levou até uma fanfic (que infelizmente foi excluída já que a autora se retirou do SS) onde diversos personagens se encontravam no labirinto de Maze Runner. Eu achei aquilo interessantíssimo. Quem sabe eu não conseguiria juntar os universos de Divergente, Maze Runner, Jogos Vorazes e The 100?
Bem, meus caros, é mais fácil falar do que fazer... A história se formou na minha mente de maneira incrível. Eu consegui encaixar muuuuuita coisa e pensei em várias viravoltas que vão fazer vocês agarrarem suas cadeiras. Mas tá complicado colocar as ideias no papel (ou no caso, na tela do pc). Sei que estou demorando para postar mas logo irei recompensar vocês. Terei férias em Julho e irei me focar nesta fanfic em particular. A história vai ir pra frente. A Arena vai acontecer de maneira épica. Bellarke vai acontecer (já que na série eles ficam nos desapontando). Eles irão descobrir o que há além da cerca. Personagens como Johanna Mason e John Murphy irão aparecer. Eles irão derrotar Ava Paige. Ufa. *Desabafo*

3) Já que estamos no assunto de Jogos Vorazes, vou comentar sobre outra fic crossover que eu tenho nesse tema: Metamorfose. Essa fanfic se deu início em Novembro do ano passado junto com a novela Totalmente Demais. Olha que eu não sou de ver novela, mas achei essa muito interessante pois me lembrava algumas situações de A Seleção.

Um dos meus sonhos de consumo sempre foi escrever uma história sobre a origem da Effie, que é a minha personagem preferida de Jogos Vorazes (no filme, pois Elizabeth Banks lhe deu sentimentos que a Effie do livro jamais teve). Eu queria uma menina normal que odiasse a capital mas que, por motivos de força maior, tivesse sido obrigada a ir pra lá. Aos poucos, ela seria forçada a aderir os costumes daquele lugar e se tornaria a boneca colorida que todos conhecemos. Mas por quê? Quais seriam esses motivos de força maior? No início, eu teria respondido: Hayffie. O amor dela por Haymitch. Snow ameaçou matá-lo e Effie fez de tudo para que isso não acontecesse.
Mas será que era isso mesmo que eu queria? Mais uma história de como uma mulher independente desistiu de tudo que ela era por causa de um cara? Não. Ela faria tudo por amor, mas não pelo amor de um cara. Ela faria por sua família. E também faria por si mesma porque amor próprio é um tópico muito pouco tocado nesse mundo. Força que vem dela. Pessoas que dependem dela. Uma Effie que escolheu o que era melhor pra si mesma.
Não sei se é bem por aí que estou na história. Mas é definitivamente onde quero chegar. É importante amar ao próximo, mas também é importante amar à nós mesmos. Porque se não pudermos... bem, ninguém vai fazer isso por nós. ♙

4) Terra E Mar foi a primeira fanfic que eu já escrevi que não era sobre Dragon Ball. Quer dizer, quando eu encontrei esse site aqui ele era sobre animes e só. Agora que tá essa maravilha de todas as cores. ♡
Andy Jackson (genderbend de Percy) tem que viver as mesmas aventuras dos livros do titio Riordan, mas com esse pequeno twist de ser uma menina. FEMINISMO. O que aconteceria diferente, eu sempre me perguntei, se o Percy não fosse homem? Será que ele seria o mesmo herói? Será que a Calipso ainda se apaixonaria por ele? Será que os deuses ainda o respeitariam? E os outros meio-sangues? Será que para o Nico não faria diferença? FEMINISMO.

Querendo responder todas essas perguntas, eu criei T&M, completamente escrita em inglês e postada no site fanfiction.net. Recentemente, eu decidi traduzi-la e trazê-la pra cá pra vocês seus lindos. Mas, por enquanto, só postei o primeiro arco de cinco. Vou tentar acelerar agora quando encerrar OLQNU.
A Pequena Sereia de Walt Disney serviu de inspiração para muitas partes dessa história. Espero que vocês encontrem as referências. Espero que faça vocês cantarolarem comigo. Child of Land and Sea

5) Outrora Rei é a mais recente. Começou por causa de algumas aulas que eu estava tendo no tema de Rei Arthur. Fiquei tão fascinada (como eu sempre faço quando encontro alguma coisa nova e brilhante na vida) que saí por aí procurando livros, revistas, blogs, tudo que eu pudesse encontrar sobre o assunto. Como eu sempre digo: destino é uma coisa muito poderosa já que OUAT decidiu trazer os personagens lendários para a série nessa mesma época. Surpreendente como esse mundo funciona.

Vocês já devem ter percebido que eu adoro crossover, né? Então me sentei pra pensar. Que história eu tinha lido e odiado pra querer mudar? A resposta esteve na minha cara o tempo todo: O Diário da Princesa de Meg Cabot.
Pra quem não leu essa série de livros (ou não viu o filme com a Anne Hathaway) a história é bem simples. Uma menina normal descobre que é a única herdeira do trono de um país da Europa. Meg Cabot tem lindas ideias e escreve muito bem (eu, pessoalmente, amo A Mediadora, leia mais no item 12), mas a personagem principal, Mia, é a coisa mais irritante do universo. Nada faz ela feliz. Ela reclama o tempo todo. Ela é infantil e não merece o namorado perfeito que ela tem. Ela faz tudo errado e lhe faltam motivos para justificar esses atos. Mas a história em si continua sendo ótima e eu sempre me senti presa com ela. (Coincidentemente, Meg Cabot também tem um livro chamado Avalon High, onde os personagens das lendas do Rei Arthur vivem no mundo moderno).
Encaixar os personagens na história foi bem fácil. Eu mudei a personalidade de muitos e inventei apenas uma pessoa: Viviane, a vizinha super inteligente que é secretamente apaixonada por Arthur. Fora ela, todos os outros personagens existem nas lendas do Rei Arthur, por mais que eu tenha modificado alguns nomes também. Estou adorando escrever essa fic e espero que vocês gostem de lê-la. Sei que Rei Arthur não é um assunto muito tratado aqui no site. Espero que isso mude. É uma das melhores lendas da Britânia antiga e vale muito à pena conhecer.

6) O Rei Vampiro me veio enquanto eu assistia The Originals, a série spin-off de The Vampire Diaries. Enquanto eu assistia aqueles vampiros gostosões sendo nada mais que lindos e famintos, eu me perguntava: e se por um acaso Renesmee Cullen estivesse grávida de Klaus? (Percebo que acabo de revelar um grande spoiler mas como duvido que alguém realmente vá se dar o trabalho de ler esse jornal, não tem problema.) Então eu comecei a juntar Twilight com o universo de The Vampire Diaries. Como eu sou uma pessoa que gosta de complicar, eu também resolvi adicionar elementos dos livros de Charlaine Harris: As Crônicas de Sookie Stackhouse ou, graças à série da HBO, True Blood. Só pra deixar claro pra quem viu a série e não leu os livros: vocês estão perdendo muito. Sookie é linda, engraçada, bem humorada. Nada com decidiram retratá-la na série. Ela é poderosa em vários sentidos. Ela pode ter o homem que quiser -- e é exatamente isso que ela faz. Sem julgamento. Sabe quem seria uma ótima Sookie?

A minha Renesmee tenta ser bem tudo isso por mais que ela ainda não tenha percebido que não precisa de homem nenhum pra ser feliz. Que não precisa de ninguém para protegê-la. Que sempre foi capaz de tudo sozinha. (Tá, sem brincadeira, ia ser bom ter um Elijah ou um Klaus na vida, admito.)

Cansados? Eu falei que ia ser longa a coisa. Espero que vocês entendam o que eu quis dizer com intervenção.


7) Jornada Ao Oeste não é uma crossover. Quem diria?? Estou trabalhando em recontar a histórica completa da Saga de Dragon Ball com alguns twists de minha autoria. Estou tentando deixar o mundo mais verossímil, tornar as personagens mais humanas e trazer mais crédito para as lendas/mitos do oriente.

Eu sempre amei Dragon Ball. Foi isso que me trouxe até o Spirit. Eu queria encontrar outras pessoas que dividissem essa fascinação comigo. O que em Dragon Ball é tão bom? A mitologia. É um mundo tão cheio de detalhes, cheio de história. Quase como Game of Thrones (Quase, eu disse, não batam em mim). Goku é um herói tão bom, tão forte e tão puro que é impossível não gostar dele. Ele é o Capitão América do Japão. Tudo que ele faz é pensando no bem da Terra. Ele se sacrifica diversas vezes para salvar, não apenas as pessoas que ele ama, mas o mundo inteiro. E tem muita gente que é fã de DBZ mas nem lembra como tudo começou. O que aconteceu em Dragon Ball? Nas sagas de Pilaf, Tenshinhan, Red Ribbon Army, etc? Bem, me proponho contar pra vocês.
P.S.: eu sei que vocês amam o Vegeta e não gostam muito de ler histórias sem ele. Então um aviso: ele vai vir. Eu amo ele também, okay? Eu vou introduzi-lo quando a hora chegar e vou contar a história dele também. E ainda vou escolher um ator gostosão pra ser ele. Pode deixar. *piscadela*

8) Falando em Capitão América, eu também amo a Marvel. Sou apaixonada pelos heróis. Meu preferido de todos os tempos é o Homem-Aranha, mas o Bucky e o Capitão-América vem logo depois. Sabe quem mais eu adoro de paixão? Ele mesmo -- Tony. Metade da Chance é uma história que eu comecei (e ainda não terminei) sobre a Pepper Potts (mais uma que foi representada por uma atriz nada a ver). Dá onde que essa mulher fantástica saiu? Será que ela teve uma infância difícil? Como era a família dela?
Eu inventei muita coisa pra poder responder essas perguntas. Na minha história, Pepper saiu de uma cidadezinha onde ela, a mãe e as irmãs eram muito maltratadas pelo pai. Ela foi a única daquela família a ter a oportunidade de estudar e Pepper não desperdiçou suas chances. Se formou em uma grande universidade e foi contratada pela empresa do famoso dr. Von Doom. Mas esse não era o sonho de Pepper. O que ela queria mais do que tudo era trabalhar para Howard Stark. Infelizmente, ela perdeu a chance quando ele e a mulher morreram num acidente de carro em 1991.
A estranha menina de olhos verdes e cabelos flamejantes foi então contratada pelo filho de Howard -- Tony, o playboy que não podia ver um rabo de saia sem ir atrás. Mas Tony não está interessado em Pepper. Ela não é bonita como as outras modelos que o cercam. Pepper tem sardas na cara, ri fazendo barulho, fica vermelha como um pimentão quando braba e, às vezes, ainda esquece de escovar os cabelos encaracolados. Então, obviamente, quando ele menos espera, Tony percebe que não há como resistir à essa menina esquisita.

Mas MDC é muito mais que uma história de amor. É uma história sobre erros e arrependimentos. É sobre todas as coisas que deram errado depois que Tony e Pepper decidiram ficar juntos. E mais do que tudo, é sobre como não foi um erro e nem trouxe arrependimentos para nenhum dos dois. O nome veio de uma música de Florence & The Machine -- Shake it Out -- quando ela diz: "...and given half the chance would I take any of it back?", ou seja, "se eu tivesse metade da chance, faria tudo de novo?"

9) Já que estamos nessa vibe triste, entraremos em Gênesis onde o Dean Winchester é na verdade uma mulher (assim como em T&M). Uma personagem tão cheia de dor e arrependimentos que ela mal sabe o que fazer consigo mesma. Ela tem segredos que guarda pra si, dores que não lhe abandonam, monstros que a perseguem... em vários sentidos. O irmão e o pai são tudo pra ela. Mas Dani pode perdê-los há qualquer momento. Então o que fará? E depois que um certo anjo surgir na sua vida? O que mudará dentro dessa menina perdida?

"Livra-me, rogo-te, das mãos de meu irmão..." (Gênesis 32:11)

10) Outro draminha genderbend é a vida de Rita Lupin (Remo). Quando muito pequena, o pai dela irritou um lobisomem que, como vingança, foi atrás da pequena Rita e a contaminou com o "vírus" da lycanthropia. E Rita cresceu escondida em casa, com medo de conhecer outras pessoas (medo de machucá-las ou ser machucada por elas). Mas quando fez onze anos, Rita recebeu a grande visita de Alvo Dumbledore que trazia a notícia de que, agora diretor, faria os arranjos necessários para receber Rita em Hogwarts. Rita vai, mas o medo não a deixa em momento nenhum. Medo de ser o monstro que todos assumem que ela é.

Dois meninos muito especiais, contudo, não acham que Rita seja um monstro. É, de fato, a maneira como eles a vêem que faz Rita mudar a maneira de ver à si mesma. E os Marotos estão apenas começando com as travessuras.

11) Já que estamos no assunto de genderbends do Harry Potter, tenho mais uma fanfic pra mostrar: Embaixo da Escada

12) A minha mais nova fanfic (a primeira entre muitas que tenho a intenção de escrever dentro do fandom de GOT) se chama Winterfell Assombrada e é uma crossover de Game of Thrones com A Mediadora de Meg Cabot. Por quê? vocês devem estar se perguntando. Eu digo porquê. Por que eu assisti a sexta temporada de GOT e fiquei chocada com as coisas que eu vi. Sério, nenhuma outra série me faz sentir tanto. Que dor no core, nossa senhora. E quando eu botei os olhos em Lyanna Mormont eu sabia que era amor a primeira vista. Ela é linda, braba, perfeita. E eu sabia que ela era a mulher ideal para o querido Jon Snow. O único problema... ela tem dez anos de idade!!!!!

Que raiva, Jesus.
Em Winterfell Assombrada ela não tem dez anos. Ah não. Nem pensar. Ela cresceu. E cresceu com a droga do poder de ver gente morta. Não só ver, ela fala com eles também. E tem a triste missão de ajudá-los a cruzar a fronteira para o outro mundo. Mas nem todos os fantasmas querem ir embora do mundo dos vivos. E tem um, em especial, que ela deseja que fiquei pra sempre: Jon Snow.

Outros muitos fantasmas vão aparecer e muita merda vai acontecer e Lyanna vai ter que lidar com tudo como a badass que ela nasceu pra ser.

13) E por último Colégio Ventos Uivantes onde os nossos (ou os meus) personagens favoritos da literatura clássica/gótica britânica e russa se juntam para criar muitas confusões. Os alunos mais ricos são obrigados a conviver com os bolsistas e aí, óbvio, só dá intriga, treta e rolo.

Aqui eu inclui personagens de livros como: Emma, A Abadia de Northanger e Persuasão de Jane Austen); Drácula de Bram Stoker; Norte e Sul de Elizabeth Gaskell; Anna Karenina de Leon Tolstói; Dorian Gray de Oscar Wilde; Romeu & Julieta de William Shakespeare; Morro dos Ventos Uivantes de Emily Brontë; Jane Eyre de Charlotte Brontë; Frankenstein de Mary Shelley; Grandes Esperanças e Oliver Twist de Charles Dickens; Os Miseráveis de Victor Hugo; O Médico e o Monstro de Robert Louis Stevenson; A Letra Escarlate de Nathaniel Hawthorne; Madame Bovary de Gustave Flaubert; O Grande Gatsby de F. Scott Fitzgerald; Mrs Dalloway de Virginia Woolf; A Lenda do Cavaleiro Sem-Cabeça de Washington Irving; Os Três Mosqueteiros de Alexandre Dumas; Lolita de Vladimir Nabokov; e muitos outros.

A história trará elementos da novela Rebelde, assim como da série Skins. Então fiquem preparados pra tudo.
Resumo/Personagens Principais:
Emma Woodhouse é linda, rica, mimada. Não gosta quando as coisas não acontecem do jeito dela. Nunca conheceu a mãe e o pai está sempre trabalhando. E quando dá de cara com o amor da sua vida percebe que também odeia ele... Nada mal, Emma.
John Thornton é quase que a versão masculina de Emma. O pai é um político ladrão que manipula todos à sua volta e não sente nada que não seja desdém pelo filho. John não acredita que sua vida possa piorar até que Margaret aparece pra lhe deixar louco.
Margaret Hale é a típica esquentadinha. Menina marrenta, nunca ligou pra dinheiro, nome ou posição -- só quer saber de viver um dia de cada vez e, claro, passar bem longe daquele homem nojento que se diz pai dela.
Mina Murray saiu lá dos confins da Terra pra tentar a sorte na cidade grande. Inteligente, conseguiu uma das raríssimas bolsas pro Colégio Ventos Uivantes. Tímida, não sabe muito bem o que fazer quando chega lá. Mas com a carinha de anjo dela, só amor mesmo pode surgir.
Jay Gatsby não é bem o nome dele, mas é assim que ele se apresentou pra ela -- e ela é a vida dele. Se conheceram numa festa e passaram a noite se pegando. Jay está apaixonado por Daisy. Não há como esquecer. E ele fará de tudo pra lembrá-la que existe.
E George Knightley... bem, George também veio do campo. Pobre, humilde, inteligente. Costumava ser cheio de vida, até que um "homem mau", um rico qualquer, tirou tudo que o seu pai tinha e o deixou pra morrer. George quer vingança. E George vai ir longe pra conseguir -- tão longe que vai querer punir a filha desse homem mau. Até se apaixonar por ela.


Meu, tô exausta. Mas chegamos até aqui. Vocês devem ter visto que a coisa tá feia pro meu lado. E sabe qual é a pior parte? Eu ainda tenho um monte de outras fanfics se formando no fundo da minha mente!!!!

Eu tenho Crônicas de Nárnia, Game of Thrones, Pretty Little Liars, The Flash, Capitão América, A Mediadora, mais duas Harry Potter genderbend, Eragon, Disney, X-Men, Pokemon, AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...