~StarblueG

StarblueG
/;star.
Nome: 》 You can call me S.T.A.R. 《
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
Aniversário: 20 de Setembro
Idade: 16
Cadastro:

— l!tt_le//+ f;ow*[[e]]r


Postado


You are//+my candy girl
And❀you've [/got] me wanting .y.o.u.
— Sugar, Sugar by The Articles

✗ Nome & Sobrenome Completo ✗
Lilac Hendrix Dawkins
O nome Lilac lhe foi dado devido a uma flor, a Lilac, também conhecida como Syringa. A flor é dos tempos Vitorianos, e tinha significado de primeiro amor, então, quem as recebia, já sabia o que a outra pessoa queria dizer. Também são representantes de confiança e inocência. Este foi o primeiro presente que Gemma deu para Addison, e, desde então, esta se tornou a flor favorita da mulher. Decidiram colocar o nome da menina em homenagem ao início de uma longa jornada cheia de amores e surpresas.


✗ Apelido ✗
𝐿𝒾𝓁𝓁𝓎 O apelido mais óbvio que poderiam a dar. A menina normalmente se apresenta assim para aquelas pessoas que tem certa desconfiança se zombarão de seu nome ou não.

𝒞𝒶𝓀𝑒 𝐹𝒶𝒸𝑒 O apelido foi dado a menina ainda quando pequena. Gemma diz aos quatro e Addison diz aos três, então, não se sabe muito bem qual a idade em que o apelido surgiu. Deve-se a uma vez que uma de suas mães fizera um bolo coberto de chocolate, como surpresa a outra, porém, quando esta chegou em casa, estava completamente devastada por um de seus melhores amigos de trabalho ter cometido suicídio. Lilly, em tentativa de anima-la, colocou as mãos no bolo e depois no rosto, fazendo uma gracinha e gritando "Olhem para mim, eu sou a Cake Face!" Fica melhor em inglês, mas é aquele ditado

𝒫𝑒𝓉𝒾𝓉 𝒞𝒽𝑒́𝓇𝒾 Gemma, originalmente, é francesa. Sabe falar a língua fluentemente, então, uma vez ou outra, pensa consigo mesmo em francês. O apelido veio de Mon Chéri, o jeito que Gemma sempre chamara Addison. Uma vez, com cinco anos, a garota perguntou o porquê da mãe nunca a chamar de Mon Chéri, e daí surgiu o Petit Chéri, ou Pequena Querida.


✗ Idade & Data & Signo ✗
Dezoito anos. Nasceu dia 23 de Agosto, pertencendo ao signo de 𝒱𝒾𝓇𝑔𝑒𝓂

✗ Sexualidade ✗
Heterossexual

✗ Casta & Trabalho ✗
Casta três. Começou a cursar a faculdade de medicina

✗ Província ✗
Mora na província de Sumner

✗ Aparência ✗
[Zoey Deutch]

A jovem, de fato, é possuinte de tamanha beleza. Uma verdadeira obra prima. Não se acha bonita, porém, também não acha que é a menina mais feia do mundo. Lilac não possui os atributos marcados pela sociedade que realmente fazem a beleza. É uma simples garota de olhos e cabelos castanhos, porém, é sua simplicidade que faz sua beleza. Seus olhos são de um lindo castanho amadeirado e em seu acompanhar, há leves resquícios de um tom esverdeado. As duas bolas de gude são claras, e em dias mais claros, é possível confundi-los com verdes. Já o cabelo, é um pouco mais escuro que os olhos, porém, ainda assim, castanhos. As madeixas batem na altura de seus bustos, e, na sua maioria, com ondulações em todo o seu decorrer. São cachos naturais que geralmente são desfeitos após um longo tempo penteando. Os fios são lisos e sedosos, não possuindo tanto volume. Cabelo claramente rebelde, porém, sempre em um corte repicado.


O formato de seu queixo faz com que sua face adquira uma feição mais inocente, mas, como os mais sábios dizem, nunca julgue um livro pela capa. As finas sobrancelhas dão um ar mais maduro em seu rosto. Todos os detalhes do seu rosto são delicados, como os lábios finos e rosados que escondem uma perfeita arcada dentária por baixo de si, constituindo um lindo e encantador sorriso. Acompanhando o mesmo, Lilly tem duas covinhas em sua bochecha. Seu nariz é fino e bem desenhado. Lilac não tem o corpo dos sonhos de qualquer garota, porém, é atrativo aos olhos. A altura mediana – possui um metro e sessenta e cinco – lhe dá um semblante de modelo, ou uma bailarina. As longas pernas são constituídas de grossas coxas e batatas da perna definidas. O corpo magro apresenta muitas curvas, devido a cintura acentuada, seios avantajados e glúteos medianos. Nunca foi de fazer muitos exercícios, porém, possui uma barriga chapada, com a linha da virilha em bastante destaque. As unhas sempre muito bem feitas demonstram que não há desleixo quando se trata de sua beleza. O fato é que a harmonia acompanha cada centímetro de seu pequeno corpo.



✗ Personalidade ✗

Jovem é a palavra perfeita para defini-la. Lilac não vive no passado, ela vive do agora, e isso é uma das maiores influências em seu gênio imprevisível. Por ser bastante impulsiva e intuitiva, é bem difícil saber qual será a próxima ação da garota. Não costuma repetir os mesmos padrões, sempre está em constante mudança. Não consegue permanecer em um mesmo cotidiano repetitivo. Sua determinação é capaz de assustar alguns. A menina pode animar todos ao seu redor a fazer coisas que antes não queriam por falta de confiança. Ser focada apenas lhe ajuda neste ponto. Quando a menina põe algo na cabeça, ela o cumpre com muito êxito devido aos dois atributos. Tamanha teimosia, onde só poderia ser igualada a sua inteligência. A garota é um poço de inteligência, bancando a nerd na maioria das ocasiões. Sempre está dando respostas inteligentes de um lado ao outro. Ao contrário do que muitos pensam, Lilly não se acha a única certa na face da terra, porém, sua confiança em si mesma a faz duvidar da maioria das coisas que ouve. Apenas é capaz de acreditar em algo que acha que esteja errado se lhe mostrarem com provas que está errada.
Boa parte de sua inteligência provém de livros que a mesma lê. Garota estudiosa e esforçada. Sempre foi muito inteligente sem muito esforço, porém, apenas queria possuir mais conhecimentos e certeza sobre aquilo que falava, esforçando-se muito para aprender tudo o que sabe hoje em dia. Porém, todo conhecimento é adquirido por um preço, e Lilly pagou alto por isso. Acabou adquirindo Transtorno Obsessivo-Compulsivo, ou seja, uma completa obsessão por limpeza. Após estudar bastante medicina, pois desde jovem sabia que queria seguir tal profissão, começou a prestar atenção nas diversas doenças que podiam se adquirir, e, preocupada com tudo, sua higiene sempre se mantém em primeiro lugar.
Lilly é uma pessoa corajosa, sem sombra de dúvidas. Não possui muitos medos, já que sua mãe sempre foi muito realista com o quanto a sociedade era cruel, então, não vê o porquê de não se aventurar um pouco. Bastante destemida com tudo o que faz, sempre procurando alguma maneira de se aventurar por lugares novos. Esse seu lado aventureiro pode ter vindo de sua curiosidade.
É uma sabe tudo de nascença, então sempre que está com uma pulga atrás da orelha, corre para conseguir sanar a mesma. A menina ama desafios de todos os tipos, tanto mentais como físicos. Os mesmos a motivam de um jeito inacreditável, pois a mesma é competitiva e sempre arruma um jeito de ficar entre os melhores.
Por mais que tenha este seu lado louco, Lilac não é sempre assim. Na maioria das vezes, a menina é tímida e muito reclusa. É raro de vê-la em um dos principais e mais aglomerados grupinhos da escola, pois prefere passar o dia lendo do que em festinhas desnecessárias. Por mais que tenha esse seu jeito, é extremamente simpática e carismática com todos ao seu redor. Seu carisma é uma de suas maiores qualidades. Assim como sua bondade. Cresceu aprendendo que todos tinham algo a ser valorizado, nem que seja algo pequeno. Seu carisma encanta todos ao seu redor. Consegue ser amiga até mesmo de uma porta. Sua bondade combinada com sua humildade, acabam tornando-a extremamente altruísta. Preza sempre os outros acima de si, sem nenhuma exceção. Sempre está se colocando em segundo lugar e ajudando desconhecidos. É o tipo de amiga que sempre está presente em todos os momentos com seu enorme senso de compreensão e concelhos inabaláveis. É muito carinhosa com aqueles que considera seus amigos, sempre tentando demonstrar o quão são importantes. Sua gentileza não a impede de ser uma pessoa irônica. Geralmente é um pouco ácida com desconhecidos, ou as pessoas com que o seu santo não bate, dando respostas indelicadas e sarcásticas. A educação sempre esteve muito presente em sua vida, porém, quando nervosa, não há coisa que a acalme. Sua educação nunca lhe impediu de ter sempre uma resposta na ponta da língua. Não importa o quão importante for a pessoa, ela provavelmente a desafiará com sua pequena língua afiada, e apenas depois perceberá o que falou e vai se arrepender. As respostas sinceras a fazem parecer rude, mas o seu plano inicial nunca é ferir alguém, de modo nenhum. Lilac até mesmo toma cuidado com as palavras que profere para não atingir alguém que gosta.
Timidez pode até mesmo ser uma de suas principais características, mas nunca a atrapalhou de ser completamente tagarela. Se pudesse, não calava a boca nunca, e não sabe a hora de parar de falar. Manter uma conversa com ela é fácil, pois a menina está sempre mudando de assuntos, não deixando nada massante. Por outro lado, isso a torna um pouco irritante, e pode ser o motivo de grandes foras. Quando ouve alguém conversando com sobre um assunto de seu conhecimento, ela fica atentada a interferir e falar o que realmente sabe, saindo-se até mesmo por intrometida na maioria das vezes. Muitas vezes já tentou alcançar novos amigos assim, mas parece que este não é o método certo
Um incrível realismo pertence a seu ser. A menina sabe diferenciar o fantasioso da realidade, porém, sempre teve uma visão boa do munto. Todos possuem uma característica boa em si, mas isso não quer dizer que todos são bons. Possui a percepção que nem tudo será as mil maravilhas e que momentos ruins sempre estarão presentes.
Amiga leal, protetora e divertida. Habitualmente tenta animar os tristes ao seu redor, sendo com palavras amigáveis ou lembranças engraçadas. Possui uma mente muito aberta ao novo, porém, isso não a impede de ser pé no chão com tudo. Possui discursos valorizando as minorias em sua mente, assim como falas humanitárias, que são faladas sabiamente com a ajuda de seu lado eloquente.
Nascer sem um pai lhe ensinou a ser durona em momentos difíceis. Várias das crianças maldosas a zoavam por não ter uma presença masculina dentro de casa, e ela se esforçava para não desmoronar por tais comentários. Isso a tornou bastante independente. Teve que aprender como se virar sozinha, coisas básicas de menino que suas mães não sabiam como lidar. Todos os comentários maldosos a fizeram ser bastante desconfiada com coisas suspeitas ao seu redor. Não confia nas pessoas a primeiro contato. É difícil conquistar sua confiança. Observadora. Pode parecer desatenta, porém, sempre se mantém atenta com todos os detalhes ao seu redor. Ser ansiosa é uma das coisas que mais odeia em si mesma. Sempre gosta de saber tudo com antecedência e de ter coisas planejadas. Odeia surpresas e coisas de última hora. Falando no que mais odeia, o que ela mais ama em si mesma é sua criatividade. É sua fiel escudeira nas escritas que faz ou até mesmo nos planos mirabolantes que bola. Apesar de tudo, Lilac é bastante menininha. Gosta muito de coisas românticas e é bastante sentimental. Por mais que não goste de demonstrar isso a qualquer um, sentimentos sempre foram coisas muito fortes para a mesma. Quando não gosta de alguém, ou a pessoa fez mal para algum de seus queridos, não exita em seu tornar uma completa brigona, e, em últimos casos, até mesmo indo para cima da pessoa, Dará respostas ácidas e má educadas, demonstrando um total desprezo, mas, é claro, sem nunca perder a sua classe.


✗ Família ✗
[Addison Dawkins — 36 anos — Mãe — Cientista — Tatiana Maslany]

É mais íntima de Addison do que de Gemma, Addison é a mãe coruja que não deixa nada de mal acontecer com seu filhote, e luta com dentes e garras para o proteger. A mulher sempre protegeu a mimou demais, mas também lhe mostrou a realidade do jeito que é. Carinhosa, as duas possuem suas piadas internas e poderiam passar tardes inteiras conversando sobre os mais diversos assuntos. Addison é o último contato que Lilly ligaria em uma situação de desespero, pois a mulher usa o seu sentimental com todas as forças e esquece da razão.


[Gemma Dawkins — 36 anos — Mãe — Médica — Evelyne Brochu]

Gemma é a realista da relação. Foi meio rígida quanto a educação de Lilac, porém, nunca esquecendo do amor em primeiro lugar. No quesito de contatos, seria o primeiro na lista telefone da mais nova, pois Gemma age com calma e exatidão, sabendo a saída para a maioria dos problemas enfrentados no dia rotineiro. Mulher risonha, é aquela que arranca sorrisos em dias tristes com histórias engraçadas ou piadas sem graça. Gemma é uma verdadeira inspiração para a filha.


✗ História ✗

Ah, o amor! É algo tão bonito, mas, ao mesmo tempo, tão destrutivo. Este não era o caso das duas jovens, Addison e Gemma, cursantes de distintas faculdades, porém, com muito em comum. Se conheceram em uma festa de fraternidade, onde a morena apenas procurava por um pouco de diversão, enquanto a loira procurava uma outra coisa para se divertir. Na metade da festa, Addison já um tanto embriagada, começou a conversar com Gemma, e as duas ficaram por horas bebendo, rinco, conversando e dançando, até que o beijo aconteceu. O contato labial só foi o ápice para coisas mais sérias, e, naquela noite mesmo acabaram por ter sua primeira relação sexual.
O dia seguinte sempre é o culpado de tudo. Addison acordou com uma maldita dor de cabeça, porém, Gemma preparou coisas para que a mesma se sentisse mais confortável no ambiente estranho que era seu quarto. Começaram então a relembrar das altas loucuras da noite passada, até que chegaram no ponto do sexo, onde ambas ficaram envergonhadas. Por mais que a timidez ganhasse no momento, Gemma inventou uma desculpa esfarrapada para ir embora, mas deixou seu celular.
Dali em diante, o relacionamento só evoluiu. Quando a faculdade das duas terminou, elas já estavam basicamente casadas, e procuravam um lugar para morarem juntas e se estabilizarem. Um ano após arrumarem uma casa para chamar de lar, decidiram acrescentar um membro para família, e essa foi Lilac.

A adotaram com quase um ano de idade, então, o pequeno bebê já era um pouco esperto. Lilac fora abandonada com seus três meses de idade por uma mulher da casta oito que não tinha condições financeiras para manter o seu pequeno neném, Dada sem nome e acostumada a ser chamada sempre por um nome diferente, Gemma decidiu que o nome da pequena garotinha seria uma linda flor que remetia ao relacionamento com sua companheira.
Lilac virou o foco de felicidade da família que acabara de crescer. Vivia fazendo gracinhas e rindo, além de não dar tanto trabalho para as duas mulheres que mal sabiam como segurar um bebê molenga direito. Não foi necessário coloca-la em creches ou coisas do tipo. Lilly era uma menininha esperta e observadora, logo, aprendeu tudo com muita facilidade. Com seus dois anos e meio, já sabia falar melhor que muita criança por aí, e com os cinco, já questionava muitas coisas que crianças com o dobro de sua idade não faziam nem importância de saber ou não.
Uma coisa que nunca se conformou foi não ser parecida com suas mães. Percebendo por seus olhos e cabelo, a coloração era mesma da de Addison, porém, além disso, não havia nada, nem mesmo um traço, que a identificasse como filha das Dawkins, mas deixava isso de lado, pois era feliz demais para se preocupar com coisas bobas.

Com os seus anos de idade, entrou em sua primeira escola, e diga-se de passagem que crianças são criaturas cruéis. Lilly era uma boa aluna, sempre fazia seus deveres escolares e tirava boas notas, mas isso incomodava muita gente. Algumas crianças a chamavam de estranha, por não ter um pai, ou alien, por não ser parecida com as mãos. Além disso, pode-se dizer que a menina era a antissocial de sua turminha, porque enquanto todos saíam para brincar ou algo do tipo, Lilac ficava dentro da sala de aula, lendo, desenhando ou fazendo seus deveres. Não porque ela queria, na realidade ela queria estar se divertindo com seus coleguinhas, mas uns mal encarados inventaram que a menina tinha alguma doença contagiosa que, quem encostasse, pegava também.
No início, a menina se sentiu magoada pela estupidez das outras crianças, mas, logo depois, parou de ligar. Levava suas bonequinhas e brincava consigo própria. Adquiriu sua independência neste ponto, onde não podia se apoiar em alheios para obter um pouco de felicidade.
A timidez da menina foi passando aos poucos, e ela adquiria coragem para sair no recreio e ficar no pátio. Foi então que conheceu uma de suas melhores amigas, Margot, uma menina que sempre ia de marias chiquinhas e carregava uma lancheira surrada. As duas começaram a conversar e andar muito juntas, porém, Lilac ainda era a menina doente, e isso veio para o lado de Margot. Uma vez, Lilac estava saindo da sua aula de artes, quando viu umas pessoas cercando a amiga, e ela parecia triste no meio dos mesmos. Correu da sala, deixando tudo o que estava fazendo e correndo ao encontro da pequena. Quando chegou, abriu espaço e abraçou Maggie. Os tais valentões, onde também haviam garotas no meio, começaram a zoa-la também, perguntando se ela também se tornaria estranha como sua mãe, e foi aí que Lilly desabou. Deu o seu primeiro discurso de tirar palavras na vida, proferindo palavras difíceis e verdadeiras, duramente ouvidas por cada um presente. Infelizmente, seus cérebros pareciam pequenos demais para entenderem, então apenas soltaram mais um comentário ofensivo para Margot, que seguiu para a primeira advertência no histórico escolar de Lilac por "Agressão ao colega".

A puberdade um dia chega para todos, e quando a mesma chega, arromba todas as portas que vê pela frente com violentos chutes. Os hormônios nunca foram coisas boas a se lidar, especialmente quando se trata do tópico sexual. Todos nesta época, basicamente, já tinham algum tipo de namorado, menos Lilly. Até mesmo Margot tinha seu amigo para trocar saliva, mas a Lilly parecia, ou demonstrava, que não se importava tanto quanto a isso. Havia coisas mais importantes para se preocupar, como tratar de seu TOC ou bancar uma de detetive e descobrir quem eram seus verdadeiros pais.
A questão de saber de onde ela realmente veio sempre esteve em sua mente, mas ela apenas não comentava para não ferir os sentimentos de suas mães. Não havia outro modo de descobrir sem ser perguntando, porque, aparentemente, suas mães esconderam muito bem os papéis da adoção. Foi um grande choque saber que ela era filha de uma oito, e hoje era uma três, mas prosseguiu sua vida como se aquilo não a afetasse, a diferença é que a informação foi um grande choque de realidade. Lilac sabia que os oito eram os mais pobres de toda Illéa, mas não tinha noção do quanto eram pobres, até que, um dia, pediu uma viagem a uma das províncias mais pobres, onde pudesse ver qual era a realidade de alguém pobre.
Os olhos da menina chegaram a lacrimejar do tamanho choque que levou. Não esperava ver pessoas jogadas na rua, sem ao menos ter o que vestir e definhando de fome. No mesmo momento, tirou alguns alimentos que tinha na mochila e deu para a primeira família que viu, onde viu uma menininha perguntando se eles teriam algo para comer aquela semana.
Essa experiência mexeu muito com Lilac. É algo inesquecível para a mesma, e que move todos os seus desejos de um dia ser rica o suficiente para poder ajudar todos estes desprovidos. Passou a fazer uma pequena lista de mudanças em sua vida que levassem a economia e a ajudassem a cumprir seu objetivo.
O coração de ouro da menina se solidificou ali.

A vida da menina não mudou tanto a partir daí. Sempre obteve a beleza como sua fiel amiga, e alguns garotos percebiam isso, mas Lilac não estava interessada em pegar herpes tão cedo, então apenas recusava cada um deles. Mas teve sua exceção. Em sua escola havia um garoto chamado Henri. Extremamente carismático e bonito, onde era amigo de todos aqueles que podiam respirar. O rapaz era educado com a morena, e isso foi o início de uma paixão platônica.
Botou de lado os seus sonhos, e passava tardes pensando em como seria sua vida com Henri. Filhos, emprego e futuro, mas sua queda das nuvens para a realidade foi grande. A menina, ainda inocente de tudo, pois até nos dias de hoje se mantém BV, fora falar com o mesmo, admitindo que gostava do mesmo, o achava muito bonito e que queria ter algo a mais com ele. Venceu toda sua timidez para fazer isto e apenas ouvir um riso de deboche, perguntando se aquilo era sério. Para Lilly, foi como um espelho de vidro se quebrando a sua frente. Toda realidade que criou em sua cabeça, na verdade, era uma ilusão. Desde então, prometeu a si mesma não focar mais em paixonites ou o que seus amigos faziam ou deixavam de fazer, o importante era ela e seu plano. Seria uma médica renomada, que ajudaria os mais necessitados. Passou um tempo remoendo sua falha, porém, superou e voltou ao seu foco principal.
Terminou sua escola com dezessete anos, e no mesmo começou a faculdade de medicina. Era uma ótima aula, que se destacava entre os demais por ter pais focados nessa área, mas foi aí que sua vida daria mais uma reviravolta.
A Seleção foi anunciada.
No início, Lilac pensou que era apenas mais algo fútil que ela não daria bola e não participaria, mas, depois, se lembrou que a família real era da casta um, e esta era a mais rica de todas. Dinheiro era a mesma coisa que realizar seu sonho, ou, ainda melhor, executar as mudanças desejadas com mais facilidade, já que assim ela teria um total controle sobre todo o governo. Então, de uma vez por todas, em um último suspiro, assinou seu nome para uma das participantes.


✗ Gostos & Desgostos ✗
[G]
Ler ∴ Escrever ∴ Desenhar ∴ Música ∴ Patos ∴ Cor azul ∴ Doces ∴ Frio

[D]
Calor ∴ Canela ∴ Café ∴ Drama ∴ Ser subestimada ∴ Sentir medo ∴ Silêncio ∴ Kiwi

✗ Qualidades & Defeitos ✗
[Q]
Carismática ∴ Confiante ∴ Determinada ∴ Altruísta ∴ Criativa

[D]
Teimosa ∴ Temperamental ∴ Respondona ∴ Competitiva ∴ Sentimental

✗ Manias ✗
∴ Limpar tudo o que vê pela frente ∴
∴ Enrolar os dedos no cabelo ∴
∴ Passar a língua pelo lábio inferior quando pensativa ∴
∴ Balançar a perna quando nervosa ∴
∴ Bancar a sabe tudo ∴

✗ Objeto especial e o porquê de ser especial ✗

Este foi o anel que Gemma deu para Addison no primeiro mês de namoro. Carrega o objeto consigo desde seus oito anos, porém, nesta época, carregava em um colar. Hoje em dia, o anel já cabe em seu dedo, e ela nunca o tira.


✗ Hobbies ✗
[Tocar Violino]


[Escrever]


[Ler]


✗ Medos/Fobias/Traumas ✗
[M]
Vacas ∴ Galinhas ∴ Palhaços ∴ Altura ∴ Escuro

[F]
Abelhas ∴ Lugares fechados ∴ Lugares muito sujos

✗ O que ela pensa sobre a Seleção? ✗
De certo modo, Lilly acha que é algo injusto, pois são milhares de garotas estão sendo feitas de bobas, para apenas uma no final ter realmente o seu lugar ao lado do príncipe. Por outro lado, pode ser um mar de oportunidades, pois nunca se sabe qual será o verdadeiro motivo de participar do evento. De qualquer forma, é um meio de distrair civis bobos a longo prazo, e, no final, tudo continuará do mesmo jeito.


✗ O que ela pensa sobre o príncipe? ✗
Definitivamente, por primeiras impressões, acha-o mais um mimado existente no mundo. É claro que possui a sua grande lábia de galã de novela, e isso apenas faz com que a menina tente o evitar cada vez mais. Tem a idealização em sua cabeça que será mais um dos objetos do príncipe, e não há muita coisa que tire este pensamento de sua cabeça, já o teimosismo basicamente rege sua vida. Pode ser que, ao longo do tempo, sua opinião mude sobre Alex, e não o ache tão babaca assim, e sim veja o seu lado bom e acabe se encantando pelo mesmo.


✗ O que ela pensa sobre o governo da Família Real? ✗
Tem uma certa noção que eles ajudam Illéa a manter a ordem. Sem a família, tudo seria um completo caos, sem regras e com mais criminalidade do que já existe. Possui total respeito pela família, além de total admiração, pois não faz ideia da tamanha pressão que deve ser comandar um país inteiro sem pirar. Com a aproximação com os mesmos, pode ser que acabe criando algumas inimizades ou descobrindo diversos defeitos, mas a admiração nunca passará.


✗ Como reagiria em um ataque rebelde? ✗
Tentaria manter a calma, mas é bem provável que pire completamente e entre em colapso. Tentaria se esconder em algum lugar não tão evidente, ou correr o máximo possível para ficar longe de toda a confusão. Se ficar nervosa o bastante, é provável que se encolha em um canto, abrace suas pernas e fique ali chorando até que alguém venha a acalmar. Se, por algum acaso, um dos rebeldes a encontrasse, ela tentaria o acalmar, e, se caso não funcionasse, o obedeceria e tentaria não reagir. Caso visse alguém de seu gosto em perigo, é muito provável que ela esqueça seus princípios e faça de tudo para mante-la segura.


✗ Se ela se tornar a rainha, que benefícios/mudanças faria para o país? ✗
Lilac seria uma rainha chata. Ela seria aquela te tentaria fazer diversas mudanças mesmo que o país não tivesse condições para isso. Lutaria pelos direitos igualitários a todos, assim como combateria a gigantesca divergência econômica entre castas. Puxaria muito a orelha de Alexander, orientando-o em suas decisões diplomáticas, já que o garoto não parece ser a pessoa mais responsável do mundo. Aceita que lhe falem não, mas arrumará um jeito de tornar um por cento de seus projetos reais. Por último, tentaria arrumar um jeito de melhorar a educação de Illéa, pondo todas as crianças em salas de aula e pondo o estudo de forma mais justa, que abrigasse todas as áreas de inteligente existente. Lilly acredita que assim os crimes diminuiriam e tudo voltaria a ser calmo, ou quase isso.


✗ Está pelo príncipe ou pela coroa? ✗
Coroa

✗ Trairia o príncipe com alguém? Se sim, com quem? ✗
Não

✗ Relação com ✗
[Com as outras Selecionadas]
Será algo neutro. Lilly não as perturbará contanto que não a perturbem e continuará em seu canto até que alguém se interesse em criar laços. Quando a pessoa se torna íntima da menina, Lilly não hesitará em passar tardes conversando com a pessoa e contando sobre sua vida. Provavelmente será difícil de ganhar a confiança da menina, pois acha que todas as garotas ali estão famintas para a atenção do príncipe e estarão dispostas a fazer de tudo para eliminar a competição.


[Com o príncipe]
A relação com o príncipe pode ser um pouco problemática. Ambos são extremamente teimosos, não sendo capaz de aceitar a opinião do outro. Entrariam em constantes conflitos e discussões, mas nada que seja algo para real preocupação. Estas sempre são discussões que de algum modo acabam os unindo mais. Lilly pode acabar sendo um gênio desafiador à Alex, pois nunca deixa o seu pensamento lerdo predominar, e sempre tem as respostas prontas na ponta da língua.
O sarcasmo do menino sempre tira Lilly do sério, pois ela acha que o rapaz sempre está sendo indelicado, e sua educação não a permite de dar as mesmas patadas no garoto. Na maioria das vezes, se torna ácida com o mesmo por se magoar com seus comentários, mas tenta esquecê-los para não prejudicar o seu relacionamento conturbado.
Se o príncipe acabar sendo tão indelicado com a mesma, é capaz de Lilac comece a o desprezar, ou fingir que não se importa, apenas para tentar atrair a atenção do mesmo um pouco para si. Fará de tudo para irritá-lo, como recusar seus presentes, mudar de caminho quando o vê e empinar o nariz ao seu lado. Deixará o mesmo louco de ciúmes, sendo capaz de se aproximar aos guardas se for preciso.
Se um dia acabarem por se relacionar, de algum modo, Lilac tentará se afastar e botar sua cabeça no eixo, pois acha que estará sendo mais uma iludida da sensualidade ardente de Alex.


[Com o rei e a rainha]
Com Gaspard, Lilac sente que pode ser não apenas a princesa perfeita, mas sim a pequena garota que foi criada por mães lésbicas. Não sabe ao certo o que é. Talvez o grande sorriso disposto no rosto, ou os olhos que demonstram simpatia, mas se sente segura ao lado do tal, de modo que nada que ela fará será combustível para julga-la de modo árduo. Sempre mantém a educação em primeiro lugar, mas a falta de intimidação a dá liberdade para fazer uma piada aqui e acolá. Provavelmente, seria uma das poucas meninas que se sentiria confortável a expor seus pensamentos ao rei, pois sente a presença masculina no homem que nunca teve em sua casa.
Já com Magda, as coisas são um pouco diferente. Sente-se intimidada pela mulher. Talvez pelos penetrantes olhos azuis ou a intensidade que leva sua vida. Admira a rainha de todos os jeitos, pois sabe que é uma grande pressão ser mulher do homem que rege o país. Tem um certo medo de dizer algo de errado perto da mulher e acabar sendo rigidamente corrigida, ou de, algum momento possuir mais olhos em si (não que se ache tudo isso) e acabe ganhando uma inimizade. Não conhece o lado amável da mulher, pois sempre evita muito contato visual com a mesma, por medo que seus olhos a engulam mas se, por algum momento, perceber que a mulher não é feita apenas de más coisas, não hesitará em tentar se aproximar a mesma.


[Com a princesa]
A primeira impressão que a menina terá será que Ashley não se passa de mais uma loirinha mimada no mundo, mas prova para si que estava profundamente enganada. Assim como a mãe, se sente extremamente intimidada pela menina, mas, desta vez, tem certeza que é por sua vasta beleza. Tentaria vencer seu próprio medo e dar uma chance da menina, conhecendo um pouco mais da verdadeira Ashley. A total realidade seria que Lilac seria mais uma das ignoradas pela princesa. Não possui nada de diferente em si para despertar a curiosidade da loira, e provavelmente passará por despercebido pelos olhos azuis.


[Com Caster]
Enquanto Caster não abria a boca, Lilac achava que o garoto era um total palhaço, que vivia soltando piadas aqui e acolá, por sua feição engraçada, mas, depois que o garoto ousou a falar com a mesma, teve a absoluta certeza que estava certa. Provavelmente eles se darão bem, pois Lilly adora uma boa diversão e o garoto parece estar disposto para isso a qualquer momento. A menina admira sua capacidade de dizer a mais puta verdade não importando a quem, ou responder perguntas indecentes ou difíceis sem nem mesmo fraquejar, e tentará "sugar" um pouco disso para si. Será uma das muitas a sempre cair na lábia do menino, porém, ao se aproximarem, tentará perceber suas táticas e se tornar mais imune a gigantesca lábia. Tentará fazer de Casper seu amigo, pois pensa que não há tempos ruins com o mesmo, mas, se por algum acaso divino o garoto decidir desabar com seus sentimentos por cima da menina, ela fará de tudo para ajuda-lo e botar de volta o lindo sorriso que pertence ao seu rosto.


✗ Roupas ✗
[Para a primeira entrevista]


[Dia a dia]







[Encontros]








[Jornal Oficial de Illéa]






[Bailes]






[Halloween]
Borboleta


[Natal]


[Pijamas]




[Casuais]


eu tô colocando duas que não sejam vestido pra não dar a impressão que ela só usa vestido :P



✗ É virgem? ✗
Sim

✗ Tentaria ter relações com o príncipe? ✗
Por parte dela, é provável que não, mas se ele quiser, ela quer rs

✗ Como seria o encontro perfeito? ✗
Provavelmente algo simples. Lilac não é uma pessoa muito extravagante, então algo como um jantar a luz de velas, ou um aconchego durante um filme romântico seria alo ideal para a menina. Alex é um homem que gosta de dar presentes, então, quanto mais caros eles forem, mais vermelha (corada) a garota ficará. Não acha necessário ganhar presentes, pois a forma mais verdadeira de amor é demonstrando, não com simples objetos.


✗ Como age nos encontros? ✗
Inicialmente, a menina se sentiria um tanto quanto tímida, com medo do príncipe pensar algo totalmente errado sobre si, dando respostas curtas e sugestivas. Não quer estragar o seu disfarce logo de primeira. Após o conhecer melhor, será mais atrevida, não tendo vergonha em desafia-lo, dar patadas ou até mesmo fazer brincadeirinhas sem graça. Ao passar do tempo, se tornarão os típicos amigos implicantes que sempre estão fazendo piadas internas e se empurrando pelos cantos.


✗ Qual seria a proposta da Selecionada no projeto de filantropia? ✗
Todos os planos para melhorias viriam para as castas mais pobres. A menina tem uma certa noção do tamanho aperto por qual os mesmos passam. Tais seriam como melhorar os postos de saúde, doações de roupas velhas para membros da casta 8, formação de um grande "bandejão" com comida de graça duas vezes por dia, etc. Nestes lugares, também haveriam empregos para que estes pudessem ganhar algum salário e assim sair da miséria. Votaria também pela agregação de dias especiais para conscientizar o povo, como dia anual da doação de sangue, ou economias para um mundo mais saudável, como a reciclagem.


✗ Local preferido no castelo ✗
A biblioteca

✗ Presentes que gostaria de ganhar ✗
Coisas simples, de preferência. Nada de joias caras, animais de raça, roupas de cinquenta mil dólares e etc. Gosta dos mimos que quase nenhuma garota imaginaria ganhar de príncipes, como ursos de pelúcia (seu sonho é ganhar um daqueles enormes), pequenas caixas de bombom, um lindo buquê de flores, coisas assim. É claro que ela não esquentaria em ganhar coisas caras, mas antes de aceitar o presente, ficaria carrancuda e perguntaria o porquê de ter gastado tanto com ela, mas, depois de discutir, aceitaria o presente com muita gratidão.


✗ Música que define a personagem ✗
[Piloto Automático — Supercombo]

Um dia eu vou morrer
Um dia eu chego lá
E eu sei que o piloto automático
Vai me levar
Eu devia sorrir mais
Abraçar meus pais
Viajar o mundo
e socializar
Nunca reclamar
Só agradecer
Tudo o que vier eu fiz por merecer


✗ Playlist da personagem com o príncipe ✗
https://play.spotify.com/user/starbluegames/playlist/4UfQzRG680pACe2SXL4sLA
deus é mais

✗ Sabe que pode não ser Selecionada? ✗
Sim

✗ Sabe que pode ser eliminada? ✗
Sim

✗ Como a personagem lidaria com isso? ✗
Se fosse logo no início, ela ficaria frustrada, pois não conseguiria as mudanças que almejou, mas não causaria nenhum furduncio. Sairia do local com classe, como se não se importasse com seus planos dando errado. Caso ela já tenha pego afeto com o príncipe, seria algo diferente. Ela aceitaria a derrota, porém, internamente, estaria desmoronando. Quando se apega a alguém, é difícil de largar, e isso só dificulta as coisas quando apaixonada. Lilac era uma menina de cabeça dura, que não acreditava nos contos do amor, porém, sua primeira paixão foi algo destruidor, mas ela acabou se ferindo muito. Desde então, tenta não se apegar tanto a alheios para que isto não aconteça novamente. Se a estadia dela no castelo for o suficiente para que ela sinta a mínima coisa com o príncipe, mesmo que algo ilusório, ela não hesitará em desabar em lágrimas como uma pequena criança descobrindo que Papai Noel não existe. Deixará sua pose de durona de lado, mas aceitará que aquele amor não era para ela.


✗ Sabe que pode não ser a Escolhida? ✗
Sim

✗ Caso chegue a Elite e não ganhar, qual rumo a personagem tomaria? ✗
Voltaria para casa e terminaria sua faculdade. Com o dinheiro que ganhou, tentaria botar um de seus planos em ação: cuidar das castas mais pobres. Faria consultas de graça com aqueles que não possuem condição de ir em um hospital e cuidar de si próprio, como, por exemplo, grávidas. Ela seria a Selecionada que faria diversas campanhas conscientizadoras para alertar a sociedade do que seus olhos não veem, mas estão acontecendo no exato momento. Resumindo, ela usaria de sua fama para um bem maior, e não próprio.


✗ Algo mais & Curiosidades ✗
Fé no pai que um dia vai -q


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...