~StarblueG

StarblueG
/;star.
Nome: 》 You can call me S.T.A.R. [ 별 ] 《
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
Aniversário: 20 de Setembro
Cadastro:

— sorry for being str!nge;


Postado

capa amarela e segundo banner

And I hope you know
I [/won't] let go
I'll be your life line t.o.n.i.g.h.t.
— Cold Water by Justin Bieber

✗ Nome Completo ✗
Eveline Kennedy Kaneswaran
❝Eveline revela as características de uma pessoa doce, elegante, amável e que sabe resolver as coisas da melhor maneira, sem nenhum problema. O nome foi originado a partir do nome da cidade italiana Abella, muito rica em maçãs.❞
Quando se trata de apelidos, Eveline possui dois: Eve e Lilly, ambos dados por seus pais. O primeiro é mais comum por seus pais, e o segundo, por seus amigos. Prefere mais Eve, pois acha mais prático e fácil de lembrar.


✗ Data de Nascimento ✗
Nasceu dia 3 de Março, pertencendo ao signo de ♓Peixes

✗ Idade ✗
17 anos

✗ Local de Nascimento ✗
Galway, Irlanda


✗ Casta & Profissão ✗
Casta 4. Trabalha como fazendeira, na fazenda de seus pais


✗ Aparência ✗
[Alycia Debnam-Carey]

De fato a menina poossui uma grande beleza. Algo inocente e natural. Comecemos por suas longas e lindas madeixas. São castanhas, puxado um pouco para o loiro. Alguns de seus fios são realmente loiros, mas isso se dá as longas horas de baixo de um sol escaldante. Em sua maioria, o cabelo é liso, porém, possui certas ondulações. Os olhos são as coisas mais belas de seu rosto. Verdes claro, sem tons de castanho ou azul para atrapalhar em sua naturalidade. Límpidos como as águas de mares gregos. As finas sobrancelhas ajudam muito neste destaque de seus olhos. Todos os traços de seu rosto são delicados e majestosos, como uma pequena boneca de porcelana.


Seus lábios são finos, rosados e carnudos. Extremamente atraentes em qualquer situação, porém, bem mais chamativos quando com a coloração vermelha. Por baixo dos mesmos estão belos dentes perfeitamente alinhados. Por suas condições, não estão em sua melhor brancura, porém, não são amarelos como trigo. Seu corpo é magro e atrativo, nada fora do normal. A menina não é alta, possuindo seus um metro e sessenta de altura, e, igualmente ao seu rosto, seu corpo é o de uma pequena boneca. Eve aparenta ser frágil, com seus braços e pernas finos. Seus seios não são tão grandes, assim como sua bunda, mas isso não quer dizer que sejam pequenos. São de um tamanho perfeito para que tudo fique proporcional. Seu corpo nunca foi o que mais chamou atenção em si, mas ela não se incomoda com isso. Para uma pobre fazendeira, a menina possui a beleza de uma verdadeira princesa.



✗ História ✗

Gerry era um homem festeiro. Sempre estava presente em bares, animando o local e levando uma boa música aos seus ouvidos. O homem era um fazendeiro, porem, sempre sonhou em ser um verdadeiro músico. O sonho era abafado constantemente por seus pais, porém, nunca deixava se acabar completamente, já que tocava diariamente seu violão em casa.
Holly, americana. Uma jovem escritora em busca de novas aventuras, decidiu viajar para Irlanda. Conhecer mais o território de seu futuro livro. Foi no meio de sua longa viagem que decidiu se divertir um pouco. Foi a um bar perto do hotel que estava hospedada, e lá encontrou Gerry, animando as diversas pessoas com um encantador sorriso no rosto e o seu violão de companhia. A mulher logo gostou da sensação animada que o bar tinha, e resolveu por ali ficar. Pegou seu caderno, e descrevia com todos os detalhes o local. Gerry, curioso com a única mulher que escrevia ali, sentou-se ao seu lado, e, carismático, do jeito que sempre foi, começou a conversar com a mesma. Holly era uma mulher desconfiada, mas sempre apaixonada pelo novo, e não hesitou em aceitar o convite do morador para levá-la aos lugares mais lindos da Irlanda.
O dia seguinte foi animado. Foram em diversos vilarejos, castelos e planaltos. Locais simples, porém, com sua beleza única, e, para os olhos de uma escritora, tinham elementos essenciais para dar mais realidade ao seu trabalho. No final daquele dia, Gerry já sabia metade da vida de Holly, porém, a mulher, sempre muito distraída, não percebera a hora passando, assim como não percebera que estava dando todos os detalhes de sua vida para o homem que mal conhecia e se aproximando cada vez mais do mesmo. Sem mesmo perceberem, marcaram para se encontrarem novamente e visitar mais lugares não tão conhecidos assim.
Os dias foram se passando, e os jovens cada vez se apegavam mais e mais. Teve uma época em que não era nem necessário combinar, pois eles já se encontrariam por certeza no dia seguinte, e, assim como a amizade foi crescendo, algo a mais foi florescendo. Em uma noite, no penúltimo dia de Holly em sua estadia, eles foram novamente ao bar de encontro, porém, tomaram algumas bebidas a mais, não o bastante para ficar bêbado, mas sim soltinhos, e acabaram por dormir juntos. No dia seguinte, Holly acordou e procurou por Gerry, porém, o homem não estava ali. Foi então que todo o arrependimento bateu e ela apenas conseguia pensar em uma coisa: "Ele não estava sendo legal, ele só queria sexo". A mulher xingou até não poder mais, porém, tudo se acalmou quando encontrou um bilhete

"𝙷𝚘𝚕𝚕𝚢, 𝚎𝚞 𝚗𝚊̃𝚘 𝚏𝚞𝚐𝚒. 𝙼𝚎 𝚎𝚗𝚌𝚘𝚗𝚝𝚛𝚎 𝚗𝚘 𝙲𝚊𝚖𝚙𝚘 𝚍𝚊𝚜 𝙵𝚕𝚘𝚛𝚎𝚜 𝚖𝚎𝚒𝚘 𝚍𝚒𝚊 𝚎𝚖 𝚙𝚘𝚗𝚝𝚘.
𝙲𝚘𝚖 𝚊𝚖𝚘𝚛,
𝙶𝚎𝚛𝚛𝚢"
O homem a esperava com uma grande festa, apenas para os dois, totalmente feita. Sabia que aquele era seu último dia na Irlanda, e queria fazer disto algo muito especial. Gerry havia feito uma lista em sua mente dos lugares preferidos que Holly havia lhe falado, e, com muito esforço, visitou os cinco lugares, onde em cada um deles, havia uma pessoa que lhe entregava uma flor. Foi realmente um dia bonito e inesquecível, porém, o pior ainda estava por vir


Holly voltou ao seu país de origem, os EUA, mas prometeu não perder o contato com Gerry, já que eles estavam em algum tipo de "relacionamento". Por mais que estivessem em continentes diferentes, estavam mais juntos do que nunca. Todos os dias conversavam e davam um jeito de se falar, nem que fosse por voz ou vídeo. A volta aos EUA foi complicada para Holly. Estava acostumada com todos os dias de manhã acordar um uma estranha ansiedade em seu peito para ver Gerry, e, agora, acordava com o imenso vazio de saber que não o veria.
Os meses foram passando, e as coisas ficando estranha. Holly percebeu as mudanças em seu corpo, e, por mais que tivesse uma hipótese do que realmente estava acontecendo, não queria admitir para si mesma. Tentava esconder de todos o que estava por vir, nem mesmo mostrava mais do que o rosto nas conversas com vídeo com Gerry, porém, os amigos reais perceberam a peculiar mudança em sua barriga, que não foi pouca.
Admitiu para si mesma que estava grávida, porém, não queria deixar deixar que o pai de sua futura criança soubesse disso. Tinha certo medo que ele aceitasse mal a notícia e simplesmente a abandonasse. Eles se amavam, porém, a insegurança era dona de metade da vida de Holly.
O inesperado finalmente aconteceu, mas não o parto, e sim a descoberta de Gerry. O homem planejava uma viagem aos EUA desde que Holly partira da Irlanda, porém, isto demorou meses para acontecer, pois o homem, além de ter que saber onde sua amada morava, tinha que arrumar dinheiro o suficiente para passar, ao menos, um mês junto a mesma e um bom hotel. Quando chegou aos EUA, teve a imensa surpresa de receber Holly com uma enorme barriga de oito meses.
Diferente do esperado, Gerry aceitou muito bem, e mostrou até mesmo mesmo um lado que Holly não esperava: o sentimental. Por sorte, o homem comprou passagens tempo o bastante para que acompanhasse o último mês até o parto. Tudo estava uma loucura agora. Gerry vinha de uma família onde para procriar eles tinham que estar casado, porém, ambos mal saíram de sua adolescência. Não eram maduros o bastante para morar juntos ou ao menos ter filhos. Planejavam detalhadamente o que fariam com a nova virada de suas vidas.
O mês de Gerry se passou e, dois dias antes do mesmo voltar para sua terra natal, o parto aconteceu, e, para a surpresa do mesmo, não era apenas um, como dois filhos. Um menino e uma menina. Nomearam-os de Daniel e Rose.


O futuro Kennedy voltara para casa, e se preparava para contar aos seus pais que agora era pai de duas crianças. Tinha absoluta certeza que ouviria muito de seus pais, e que com certeza pediriam para que a garota viesse morar com os mesmos, e foi isso que aconteceu, porém, de modo muito mais calmo que esperava. A notícia não deixou de ser um choque, mas foi aceita com calma e zelo. Deram certeza a Holly que, mesmo se Gerry não quisesse um casamento, os Kaneswaran ajudariam nas despesas dos bebês, porém, se fossem se casar, havia uma condição: Ir morar na Irlanda. Holly não foi boba em aceitar a proposta e, em menos de um ano, já estava morando na velha fazenda.
Os anos foram bons com os mesmos. Foram tremendamente felizes, mas, é claro, com algumas tragédias, como a morte dos pais de Gerry. Tirando este fato triste, a família vivia com paz e alegria. Os recém casados cogitavam em ter um outro filho, já que estavam estabilizados financeiramente, mas, por mais que tentassem, nada acontecia. Foi quando finalmente param de tentar, que Holly descobriu que estava grávida novamente. A alegria foi tomada até mesmo pelos jovens de três anos que mal esperavam que não receberiam a mesma atenção que antes.
Tudo foi mais tranquilo. Desta vez, já estava tudo planejado. Não haviam preocupações de outras pessoas não saberem ou como enfrentariam isso, já que viviam em países diferentes. A gravidez foi tranquila, sem muitas preocupações além das normais, e no dia três de março a nova integrante da família nasceu, Eveline Kennedy Kaneswaran.


Logo de primeira descobriram que Lilly não seria uma menina normal. Ela nasceu surda dos dois ouvidos. Não foi uma surdez completa, apenas uma moderada, porém, que atrasariam muito em sua fala. Era necessário certa intensidade na voz para que fosse percebida, e falar no telefone não seria uma coisa muito fácil de se fazer. Ao receberem tal notícia, os pais ficaram chocados, porém, isso só os fez amar mais a pequena garotinha. A chegada de Eveline foi algo feliz para todos, exceto a irmã mais velha, Rose, que sentia certa inveja da quantidade de atenção que seus pais a davam.
Com poucos meses de idade, os pais decidiram fazer a difícil decisão de comprar um aparelho auditivo para a filha. Era algo um pouco caro, porém, ajudaria muito a menina a aprender a falar, já que o seu tipo de surdez dificultava um pouco na sonoridade das coisas.
Tirando este fato, o crescimento de Lilly foi tranquilo. O aparelho a ajudava, e, por saber de sua dificuldade, apenas se esforçava mais, acabando por ser tremendamente inteligente. Cresceu com muito amor a sua volta, tornando-a uma menina carinhosa, mas também muito ingênua. Confiava na bondade de todos, e pensava que todos seriam caridosos, assim como ela era, mas muitas vezes se enganou com este pesamento.
Foi com seus quinze anos que a perda mais dolorosa aconteceu em sua vida. Daniel, o seu irmão mais velho, voltando de seu emprego, sofreu um gravíssimo acidente de carro. A menina, de toda a família, foi a que mais sofreu com sua morte, já que os irmãos eram como carne e osso, e sempre desfrutavam de momentos felizes juntos. Foi nesta mesma época que o TDA, Transtorno de Déficit de Atenção, se intensificou. As notas decaíram na escola pois não conseguia se concentrar, assim como os sons já difíceis de se escutar se tornavam quase impossíveis, devido a não concentração em tentar escutá-los. Desde então, a medicação foi necessária para que se concentrasse mais.


Depois da descoberta do transtorno, Eveline se taxava como a estranha. A garota que nunca seria normal e que seria julgada por todos os outros como diferente. Seria a que todos se afastariam por sua estranheza ou a olhariam torto por não estar completamente focada em algo. Cobrava sempre mais de si do que a outros, achando tudo o que fazia errôneo. Até hoje sofre com um pouco desta sua insegurança, mas conforme os anos passavam, e os amigos ficavam ao seu lado, foi percebendo que isso não era tão verdade assim.
Tudo em si era fruto de sua insegurança. Sua timidez, dua quietude, seu receio, sua inocência. Sua cabeça a fazia acreditar que todos ao seu redor estavam a olhando e julgando, porém, estavam mais preocupados em conversas aleatórias do que saber o que se passava com a pequena reprimida.
Toda essa onda de insegurança passou um pouco quando arrumou seu primeiro namorado. Foi aos seus dezesseis anos. Um amor inocente, ao menos pela sua parte, e que todos esperassem que não durasse muito pela má fama do garoto. Foi a única e primeira pessoa que confiou seus segredos, tanto o da surdez quanto o do transtorno. Era difícil de ver o aparelho auditivo, já que a menina estava sempre com o cabelo solto, tampando suas orelhas. Foi inconsequente de sua parte acreditar em um garoto que conhecia a meses, pois ele a esfaqueou como ninguém.
Foi em uma noite que estavam sozinhos, quando Jonathan queria algo a mais do que ficar deitado assistindo filme, porém, Lilly rejeitou de todos os modos possíveis, sendo até mesmo rude com ele. Explosivo, como sempre, Jonathan não hesitou em bradar palavras cruéis para cima da menina, taxando como "O distúrbio ambulante que todos fingiam que gostavam por pena."
Aquelas palavras entraram em Lilly como facas, apenas confirmando sua teoria de que nem todos tinham a bondade em si. Na verdade, raros eram aqueles que eram bons.


O fim do relacionamento aconteceu um mês antes da Seleção ser anunciada, assim como foi o ponto de referência que Eve tomou para se candidatar. A tristeza foi tomada por uma súbita raiva, na qual ela era obrigada a provar para todos que não era apenas uma menina frágil com um distúrbio. Ela era uma pessoa normal, com certas dificuldades, mas que era melhor que muitos perfeitamente saudáveis por aí. Lilly decidiu entrar para Seleção em resposta aqueles que a olhavam estranho. Que achavam que ela não se passava de mais uma qualquer que não teria sucesso na vida. Lilly decidiu entrar na seleção para mostrar que todos estavam errados.



✗ Personalidade ✗

Lilly vê as coisas por uma perspectiva só dela e nem adianta tentar entender, nem ela se entende as vezes. Possui um olhar inovador do mundo. A realidade é que ela é o tipo de garota que sabe falar sobre tudo quando estiver afim de falar, porém, quem a olha, apenas vê uma garota tímida e quieta com uma vida pacata e monótona. Tipo de menina que te tirará do eixo, pois nunca sabe se ela apenas não está interessada ou está seriamente com raiva. Dá respostas secas quando o desinteresse predomina, mas não porque quer, lhe parece o mais objetivo e óbvio para que a conversa tome um final. Nada é mais importante que sua liberdade. Ser livre, poder dizer o que quer, planejar ideias malucas, fazer planos impossíveis, tudo em busca de um grande sonho. Sua característica mais marcante é esse seu gênio sonhador. Acredita que o impossível não existe, apenas está caminhando ao lado do fantasioso, e, se o fantasioso de algum modo veio a existir, é porque tem uma ponta de verdade em si. Várias vezes se pega perdida no mundo da lua, cantarolando suas músicas preferidas ou falando consigo mesma, mas este é apenas mais um jeitinho especial de demonstrar quem realmente é.
Não é o tipo de pessoa que caça briga. Prefere ficar no seu canto, sem confusões e intrigas. Se permanecerá quieta quando insatisfeita com algo, por mais que aquilo corroa o seu ser. Calma e pacífica como uma pequena margarida em um grande jardim. Sua paciência é tão grande que demora a realmente falar se está irritada com uma pessoa. Quando realmente irritada, seu rosto ficará vermelho, sua voz se equivocará, e ela usará palavras sofisticadas, demonstrando que seu conhecimento é uma das coisas que mais preza em si mesma. É raro ouvir sua voz no meio da multidão, pelo tom baixo e melodioso. Não ganha grande destaque quando está entre uma grande quantidade de pessoas, por sua timidez, mas, quando lhe dão a chance de abrir sua boca, palavras sábias, gentis e carinhosas provém de seus lábios.
Sente raiva de si mesma quando o ciúme ganha a razão. Tudo o que pertence a ela é dela e de mais ninguém. Não que seja possessiva ou algo do tipo, porém, se apega muito fácil as coisas, e sabe que pode perdê-las com a mesma facilidade, então, sente um intenso ciúme quando alguém vem querendo tomar uma parte da qual ela realmente gosta. Não fará nada de mal contra a pessoa – até porque não seria capaz de machucar uma mosca –, apenas tentará aceitar o fato de que aquela coisa não lhe pertence mais e terá que partir para a outra.
Pode parecer uma grande desistente, mas, na verdade, é bastante insistente com aquilo que quer. A perseverança é sua melhor amiga quando almeja seus sonhos. Tenta fazer tudo com a maior perfeição que consegue, pois não gosta de trabalho mal feito. Cobra mais de si do que dos outros, e acredita que grande parte do que faz não se passa de um trabalho amador.
É madura demais para uma menina de dezessete anos, porém, nunca deixa com que seu lado infantil a abandone. É uma menina engraçada e certamente inocente. Dócil com um pequeno gostinho de desastre. Pode parecer perfeitamente alinhada ao primeiro olhar, porém, a garota é distraída e desastrada. Boa parte disso vem de seu problema, porém, garante a si mesma que continuaria sendo a menina desengonçada se seu psicológico não fosse afetado.
Ela é um eterno enigma. Muito emocional porém não demonstra isso para todos. É durona na frente de estranhos e uma pequena criança de sete anos na frente de conhecidos. Não deixa com que qualquer um conheça a verdadeira Eveline. A maioria de seus relacionamentos acaba por sua pequena bolha de privacidade. A sua educação a faz ser altruísta. Não consegue ser maldosa com ninguém, e muito ao menos mentir. É uma péssima mentirosa, gaguejando e desviando o olhar quando faz o ato. Possui uma cabeça aberta para o novo. De velho já basta a história. Para que ter uma mente fechada se evoluímos cada vez mais?
Ela sorri pro mundo, não gosta de perder tempo com coisas que não acha útil, pra ela quanto mais rápido melhor. O frequente sorriso no rosto lhe dá um semblante simpático e amigável. Aquelas que poderá contar a qualquer hora e sempre estará lá para oferecer suporte. Às vezes coloca as dores dos outros acima da sua e finge a si mesma que não tem problemas, mas é relutante em pensar que as vezes precisa largar o orgulho e pedir ajuda. Sofre de ansiedade, sofre por fazer um planejamento inteiro na cabeça e acabar não seguindo nem a primeira coisa do que pensou. Ela não guarda rancor nem se fecha. Aprende com cada tombo que leva e não se deixa abalar. Cada pedra de cada vez, apenas coletando-as para construir uma muralha.
Uma grande personalidade para uma pequena menina. Ela é intensa. Vive na calmaria com uma grande confusão dentro de si. Muitas vezes está perdida em seu grande mar de confusões internas, mas não a confunda com uma menina frágil. Tem dentro dela o seu próprio mar que não vai pensar duas vezes em te deixar nadar dentro dele ou te deixar afogar.



✗ Família ✗
[Holly Kennedy | Mãe | 45 anos | Fazendeira e Escritora | Jaimie Alexander]

Gosta da mãe, porém, acha-a certinha e controladora demais. Sabe que tudo o que Holly faz é para o seu bem, mas possui algumas restrições que não tem cabimento. Toda sua bondade e gentileza vieram de sua mãe, que sempre foi uma pessoa muito boa. Holly é um exemplo para Lilly. Admira o esforço que sua mãe faz para deixar tudo nos eixos, e também a história de tudo o que passou. Grande parte do amor por ler e escrever foram influênciados por Holly.


[Gerry Kennedy | Pai | 46 anos | Fazendeiro | Gerard Butler]

Definitivamente toda a parte divertida que Lilly tem em si provém de seu pai. O homem é totalmente descontraído com tudo, e leva a menina para as mais inimagináveis aventuras possíveis. Sempre está fazendo piadinhas sobre tudo e, é por ele que aceita melhor o fato de ser diferente. O ama como um pai, porém, sempre será seu eterno melhor amigo.


[Rose Kennedy | Irmã | 20 anos | Estudante de Direito | Karla Souza]

Possui certas implicâncias com a irmã, mas é mais por parte de Rose. Quando Lilly nascera, Rose não queria nem mesmo chegar perto do bebê. Acreditava que seus pais haviam a trocado por um pedaço de carne molenga. Além disso, a menina tem um pensamento antiquado e é um tanto quanto arrogante. A relação das mesmas é baseada no respeito


[Daniel Kennedy | Irmão | Faleceu com 19 anos | Jack Falahee]

Lilly sempre se deu melhor com homens, e isso não seria diferente com Daniel. Junto com seu pai, era seu melhor amigo. O irmão a ajudava em deveres de casa ou até mesmo conversava sobre conversas de menininhas. Foi o que mais brincou com Eve em toda a sua infância, assim como entendia suas dificuldades e tentava sempre ajuda-la a melhorar. A morte do mesmo foi de grande impacto, pois foi como se um pedaço de si tivesse morrido. Até hoje guarda um colar que ele lhe dera. É o seu bem mais precioso



✗ Gostos & Desgostos ✗
Começaremos pelas coisas boas. Eveline é apaixonada pela escrita e também pela leitura. Um de seus hobbies preferidos é passar tardes inteiras desfrutando de sua imensa criatividade em uma folha de papel. Talvez toda sua inspiração venha dos diversos livros que leu durante sua infância. Lia de tudo. Desde um simples livro de ficção científica a um complexo livro de matemática. É uma amante do inverno, da neve e do frio, porém, nunca recusaria sair para tomar um sol de manhã. Acha a luz da manhã algo renovador, e que todos deveriam ter o costume de ficar, pelo menos, cinco minutos expostos a mesma. Assim como ama a manhã, ama a noite, ou mais precisamente, as estrelas. Adora observá-las. Acha-as lindas. O brilho das mesmas é encantador. Aprecia tanto a noite não só pelas estrelas, como pela lua e o o ar fresco que normalmente vem consigo. De preto e branco já basta os filmes antigos. A vida é colorida e animada, e por isso ama as cores. Gosta de tudo que e colorido e animado. Outros de seus gostos são: Sorvetes, morangos, estudar e cafe.
Não suporta qualquer tipo de violência ou injustiça. A menina se auto reprimiu por muito tempo, sendo injusta consigo mesma, porém, hoje em dia, percebe que foi algo certamente estúpido, pois ela é unicamente especial. Odeia com todas as suas forças comidas apimentadas demais. Tem um paladar muito fraco para pimenta, então sente sua boca ardendo rapidamente. Discussões sobre coisas produtivas são sempre muito bem vindas, mas discussões nada amigáveis, não gosta nem de chegar perto das mesmas, ainda mais quando chega a ser algo agressivo. O desgosto de multidões pode ser dado por seu medo de multidões. Sente-se sufocada quando está apertada no meio de muitas pessoas. Outro de seus desgostos são: Chá, drama, calor e pessoas esnobes


✗ Preferidos & Odiados ✗
[P]
Música • Escrever • Flores • Ler • Estrelas • Noite • Cores • Café • Frio • Sol da Manhã • Filmes • Sorvete • Estudar

[O]
Violência • Locais barulhentos • Injustiças • Multidões • Discussões • Chá • Comidas apimentadas • Drama

✗ Medos ✗
Insetos • Aranhas • Multidões quase como uma fobia • Galinhas • Locais apertados • Abelhas • Pirofobia

✗ Manias ✗
Uma mania chata, porém, quando irritada com a conversa, desliga seus aparelhos auditivos • Tirar a pelinha dos lábios • Ficar mexendo nos cílios antes de dormir • Mexer no lóbulo da orelha quando distraída

✗ Hobbies ✗
Escrever — A criatividade sem igual a fez escrever como nunca. Sempre está com algum caderno perto de si para anotar novas ideias.

Tocar violão e violino — Aprendeu a tocar ainda quando nova, com seus doze anos. Por influência do pai, que sempre estava animando o ambiente com suas cantorias e melodias, a menina quis aprender a tocar o violão. Depois que aprendeu a manusear adequadamente o ciolão, partiu ao violino, que toca com muita mais facilidade.

Cozinhar — Pode acabar não se dando tão bem neste quesito, já que se distrai rapidamente, porém, tenta dar o máximo de si, e ama cozinhar quando sua mãe lhe pede para fazer a refeição.


✗ Música que define a personagem ✗

Innocent — Taylor Swift
𝒢𝓊𝑒𝓈𝓈 𝓎𝑜𝓊 𝓇𝑒𝒶𝓁𝓁𝓎 𝒹𝒾𝒹 𝒾𝓉 𝓉𝒽𝒾𝓈 𝓉𝒾𝓂𝑒
𝐿𝑒𝒻𝓉 𝓎𝑜𝓊𝓇𝓈𝑒𝓁𝒻 𝒾𝓃 𝓎𝑜𝓊𝓇 𝓌𝒶𝓇 𝓅𝒶𝓉𝒽
𝐿𝑜𝓈𝓉 𝓎𝑜𝓊𝓇 𝒷𝒶𝓁𝒶𝓃𝒸𝑒 𝑜𝓃 𝒶 𝓉𝒾𝑔𝒽𝓉𝓇𝑜𝓅𝑒
𝐿𝑜𝓈𝓉 𝓎𝑜𝓊𝓇 𝓂𝒾𝓃𝒹 𝓉𝓇𝓎𝒾𝓃𝑔 𝓉𝑜 𝑔𝑒𝓉 𝒾𝓉 𝒷𝒶𝒸𝓀
𝒲𝒶𝓈𝓃'𝓉 𝒾𝓉 𝑒𝒶𝓈𝒾𝑒𝓇 𝒾𝓃 𝓎𝑜𝓊𝓇 𝓁𝓊𝓃𝒸𝒽𝒷𝑜𝓍 𝒹𝒶𝓎𝓈
𝒜𝓁𝓌𝒶𝓎𝓈 𝒶 𝒷𝒾𝑔𝑔𝑒𝓇 𝒷𝑒𝒹 𝓉𝑜 𝒸𝓇𝒶𝓌𝓁 𝒾𝓃𝓉𝑜
𝒲𝒶𝓈𝓃'𝓉 𝒾𝓉 𝒷𝑒𝒶𝓊𝓉𝒾𝒻𝓊𝓁 𝓌𝒽𝑒𝓃 𝓎𝑜𝓊 𝒷𝑒𝓁𝒾𝑒𝓋𝑒𝒹 𝒾𝓃 𝑒𝓋𝑒𝓇𝓎𝓉𝒽𝒾𝓃𝑔
𝒜𝓃𝒹 𝑒𝓋𝑒𝓇𝓎𝒷𝑜𝒹𝓎 𝒷𝑒𝓁𝒾𝑒𝓋𝑒𝒹 𝒾𝓃 𝓎𝑜𝓊
𝐼𝓉'𝓈 𝒶𝓁𝓇𝒾𝑔𝒽𝓉 𝒿𝓊𝓈𝓉 𝓌𝒶𝒾𝓉 𝒶𝓃𝒹 𝓈𝑒𝑒,
𝒴𝑜𝓊𝓇 𝓈𝓉𝓇𝒾𝓃𝑔 𝑜𝒻 𝓁𝒾𝑔𝒽𝓉𝓈 𝒶𝓇𝑒 𝓈𝓉𝒾𝓁𝓁 𝒷𝓇𝒾𝑔𝒽𝓉 𝓉𝑜 𝓂𝑒
𝒪𝒽, 𝓌𝒽𝑜 𝓎𝑜𝓊 𝒶𝓇𝑒 𝒾𝓈 𝓃𝑜𝓉 𝓌𝒽𝑒𝓇𝑒 𝓎𝑜𝓊'𝓋𝑒 𝒷𝑒𝑒𝓃
𝒴𝑜𝓊'𝓇𝑒 𝓈𝓉𝒾𝓁𝓁 𝒶𝓃 𝒾𝓃𝓃𝑜𝒸𝑒𝓃𝓉



Little Too Much — Shawn Mendes
𝒮𝒽𝑒 𝓌𝑜𝓊𝓁𝒹 𝓃𝑜𝓉 𝓈𝒽𝑜𝓌 𝓉𝒽𝒶𝓉 𝓈𝒽𝑒 𝓌𝒶𝓈 𝒶𝒻𝓇𝒶𝒾𝒹
𝐵𝓊𝓉 𝒷𝑒𝒾𝓃𝑔 𝒶𝓃𝒹 𝒻𝑒𝑒𝓁𝒾𝓃𝑔 𝒶𝓁𝑜𝓃𝑒 𝓌𝒶𝓈 𝓉𝑜𝑜 𝓂𝓊𝒸𝒽 𝓉𝑜 𝒻𝒶𝒸𝑒
𝒯𝒽𝑜𝓊𝑔𝒽 𝑒𝓋𝑒𝓇𝓎𝑜𝓃𝑒 𝓈𝒶𝒾𝒹 𝓉𝒽𝒶𝓉 𝓈𝒽𝑒 𝓌𝒶𝓈 𝓈𝑜 𝓈𝓉𝓇𝑜𝓃𝑔
𝒲𝒽𝒶𝓉 𝓉𝒽𝑒𝓎 𝒹𝒾𝒹𝓃'𝓉 𝓀𝓃𝑜𝓌 𝓌𝒶𝓈 𝓉𝒽𝒶𝓉 𝓈𝒽𝑒 𝒸𝑜𝓊𝓁𝒹 𝒷𝒶𝓇𝑒𝓁𝓎 𝒸𝒶𝓇𝓇𝓎 𝑜𝓃

𝐵𝓊𝓉 𝓈𝒽𝑒 𝓀𝓃𝑒𝓌 𝓉𝒽𝒶𝓉 𝓈𝒽𝑒 𝓌𝑜𝓊𝓁𝒹 𝒷𝑒 𝑜𝓀𝒶𝓎
𝒮𝑜 𝓈𝒽𝑒 𝒹𝒾𝒹𝓃'𝓉 𝓁𝑒𝓉 𝒾𝓉 𝑔𝑒𝓉 𝒾𝓃 𝒽𝑒𝓇 𝓌𝒶𝓎
𝒮𝑜𝓂𝑒𝓉𝒾𝓂𝑒𝓈 𝒾𝓉 𝒶𝓁𝓁 𝑔𝑒𝓉𝓈 𝒶 𝓁𝒾𝓉𝓉𝓁𝑒 𝓉𝑜𝑜 𝓂𝓊𝒸𝒽
𝐵𝓊𝓉 𝓎𝑜𝓊 𝑔𝑜𝓉𝓉𝒶 𝓇𝑒𝒶𝓁𝒾𝓏𝑒 𝓉𝒽𝒶𝓉 𝓈𝑜𝑜𝓃 𝓉𝒽𝑒 𝒻𝑜𝑔 𝓌𝒾𝓁𝓁 𝒸𝓁𝑒𝒶𝓇 𝓊𝓅
𝒜𝓃𝒹 𝓎𝑜𝓊 𝒹𝑜𝓃'𝓉 𝒽𝒶𝓋𝑒 𝓉𝑜 𝒷𝑒 𝒶𝒻𝓇𝒶𝒾𝒹 𝒷𝑒𝒸𝒶𝓊𝓈𝑒 𝓌𝑒'𝓇𝑒 𝒶𝓁𝓁 𝓉𝒽𝑒 𝓈𝒶𝓂𝑒
𝒜𝓃𝒹 𝓌𝑒 𝓀𝓃𝑜𝓌 𝓉𝒽𝒶𝓉 𝓈𝑜𝓂𝑒𝓉𝒾𝓂𝑒𝓈 𝒾𝓉 𝒶𝓁𝓁 𝑔𝑒𝓉𝓈 𝒶 𝓁𝒾𝓉𝓉𝓁𝑒 𝓉𝑜𝑜 𝓂𝓊𝒸𝒽



Kill 'Em With Kindness — Selena Gomez
𝒲𝑒'𝓇𝑒 𝓇𝓊𝓃𝓃𝒾𝓃𝑔 𝑜𝓊𝓉 𝑜𝒻 𝓉𝒾𝓂𝑒
𝒞𝒽𝒶𝓈𝒾𝓃𝑔 𝑜𝓊𝓇 𝓁𝒾𝑒𝓈
𝐸𝓋𝑒𝓇𝓎𝒹𝒶𝓎 𝒶 𝓈𝓂𝒶𝓁𝓁 𝓅𝒾𝑒𝒸𝑒 𝑜𝒻 𝓎𝑜𝓊 𝒹𝒾𝑒𝓈
𝒜𝓁𝓌𝒶𝓎𝓈 𝓈𝑜𝓂𝑒𝒷𝑜𝒹𝓎
𝒴𝑜𝓊'𝓇𝑒 𝓌𝒾𝓁𝓁𝒾𝓃𝑔 𝓉𝑜 𝒻𝒾𝑔𝒽𝓉, 𝓉𝑜 𝒷𝑒 𝓇𝒾𝑔𝒽𝓉
𝒴𝑜𝓊𝓇 𝓁𝒾𝑒𝓈 𝒶𝓇𝑒 𝒷𝓊𝓁𝓁𝑒𝓉𝓈
𝒴𝑜𝓊𝓇 𝓂𝑜𝓊𝓉𝒽'𝓈 𝒶 𝑔𝓊𝓃
𝒜𝓃𝒹 𝓃𝑜 𝓌𝒶𝓇 𝒶𝓃𝒹 𝒶𝓃𝑔𝑒𝓇
𝒲𝒶𝓈 𝑒𝓋𝑒𝓇 𝓌𝑜𝓃
𝒫𝓊𝓉 𝑜𝓊𝓉 𝓉𝒽𝑒 𝒻𝒾𝓇𝑒 𝒷𝑒𝒻𝑜𝓇𝑒 𝒾𝑔𝓃𝒾𝓉𝒾𝓃𝑔
𝒩𝑒𝓍𝓉 𝓉𝒾𝓂𝑒 𝓎𝑜𝓊'𝓇𝑒 𝒻𝒾𝑔𝒽𝓉𝒾𝓃𝑔



Lie A Little Better — Lucy Hale
𝒯𝒽𝑒 𝓉𝓇𝓊𝓉𝒽 𝒾𝓈 𝐼'𝓂 𝒻𝒶𝓁𝓁𝒾𝓃 𝓉𝑜 𝓅𝒾𝑒𝒸𝑒𝓈
𝒜𝓃𝓎𝓉𝒾𝓂𝑒 𝓉𝒽𝒶𝓉 𝓎𝑜𝓊'𝓇𝑒 𝒶𝓇𝑜𝓊𝓃𝒹
𝒯𝓇𝑜𝓊𝒷𝓁𝑒 𝒾𝓈 𝓉𝒽𝑒 𝓉𝓇𝓊𝓉𝒽 𝓀𝑒𝑒𝓅𝓈 𝓈𝓁𝒾𝓅𝓅𝒾𝓃 𝑜𝓊𝓉
𝒞𝒶𝓃𝓉 𝓈𝑒𝑒𝓂 𝓉𝑜 𝒽𝒾𝒹𝑒 𝓌𝒽𝒶𝓉 𝐼'𝓂 𝒻𝑒𝑒𝓁𝒾𝓃
𝒞𝒶𝓃𝓉 𝒷𝑒𝓁𝒾𝑒𝓋𝑒 𝓌𝒽𝒶𝓉 𝐼'𝓂 𝓈𝒶𝓎𝒾𝓃 𝑜𝓊𝓉 𝓁𝑜𝓊𝒹
𝒯𝓇𝓊𝓉𝒽 𝒾𝓈 𝓉𝒽𝑒𝓇𝑒𝓈 𝓃𝑜 𝓉𝓊𝓇𝓃𝒾𝓃 𝒷𝒶𝒸𝓀 𝓃𝑜𝓌
𝐼 𝑔𝓊𝑒𝓈𝓈 𝐼 𝓈𝒽𝑜𝓊𝓁𝒹𝒶 𝓁𝑒𝒶𝓇𝓃𝑒𝒹 𝒽𝑜𝓌 𝓉𝑜 𝓁𝒾𝑒 𝒶 𝓁𝒾𝓉𝓉𝓁𝑒 𝒷𝑒𝓉𝓉𝑒𝓇


✗ Frase que define a personagem ✗
"Me encanta tudo aquilo que me tira da realidade"

✗ Maior Qualidade & Maior Defeito ✗
[Q]
Seu Carísma

[D]
Sua Ingenuidade

✗ Por que se inscreveu? ✗
A decisão foi tomada por si própria. Queria mostrar que podia ser alguém lembrado por todos, superando as maiores dificuldades psicológicas e fisiológicas que tem. Não tem que ser tratada apenas como uma coitadinha. Queria mostrar a todos que é capaz de fazer aquilo que todos duvidam que ela seja capaz de fazer.



✗ Príncipe escolhido ✗
Príncipe Richard



✗ Encontro dos Sonhos ✗
Não é uma menina muito romântica, então não almeja coisas tão grandiosas, porém, como é uma amante das flores, gostaria de algo bastante enfeitado, especialmente se fosse ao ar livre, como um piquenique. Algo nada muito sério, permitindo-a ter contato com plantas e, ate mesmo, animais.


✗ Presente dos Sonhos ✗
A vinda de uma família pobre a fez ser humilde. Não gostaria de coisas muito caras, se satisfaz com pouco. Um bom livro, biscoitos, coisas artesanais, qualquer coisa. Seu sonho sempre foi ter um cachorro, porém, sabe que não vai ganhar isso. Realmente, o maior presente de todos seria passar um momento a sós com o príncipe, pois não é uma pessoa materialista


✗ Por que acha que pode ganhar? ✗
De certo modo, acha que pode ganhar por seu diferencial. Não é uma daquelas meninas chatas e frufrus, assim como não é uma rebelde sem causa. Sua criatividade a faz ter destaque no meio de todos. É uma menina educada, e madura o bastante para entender as responsabilidades que devem ser tomadas por, talvez, uma futura rainha. Generosa e bondosa com todos ao seu redor, isso com certeza seriam traços almejados aos seus súditos.


✗ O que faria se fosse eliminada? ✗
Ficaria triste, porém, não faria um alarde. Entenderia completamente se o príncipe não tivesse interesse em si, mas ficaria decepcionada consigo mesma por não ser capaz de vencer. O quanto mais tempo ficar, mais essa sensação de incapacidade passará. Usará de suas habilidades para tentar mostrar a todos que não se importa com o fato de ter sido mandado para casa, quando, na verdade, está desmoronando por dentro.


✗ Como agiria num ataque rebelde? ✗
Tentar não entrar em pânico sempre está no topo da sua lista. É muito afobada e cria uma ansiedade incrível, mas não reagiria com violência se algum deles a encontrasse, apenas tentaria amenizar as coisas com suas palavras encantadoras. Tentaria também acalmar aqueles ao seu redor, pois sabe que calma é o que mais se deve prezar em uma situação dessa. Iria para um lugar afastado, de difícil acesso, para que, assim, evitasse a confusão frente a frente.


✗ Como trata a família real? ✗
[Rei e Rainha]
Respeito a cima de tudo. Sabe que, se não fosse por eles, nada disso estaria de pé. São os grandes responsáveis por manter tudo em seu eixo. Possuem grande responsabilidade e pressão em suas mãos. Surpreende-se com a rigidez de Alexander, mas admira o seu jeito decidido. Sabe o jeito do rei e sempre aceitará suas ordens de cabeça baixa. Pode ser que tente se aproximar um pouco com o mesmo, pois sente certa bondade vinda do mesmo, mas, ao mesmo tempo, sente-se insegura em fazer isto. Já de Elizabeth, sente uma aura mais pesada. Sente-se intimidada pela mulher, mas admira seu leve senso de humor. Acha-a um pouco controladora, mas nada que o tempo não a faça acostumar com isso. Se daria bem com os comandantes de seu reino, apesar de tudo. Eveline tem um semblante diferenciado, educado, gracioso e generoso, onde os adultos mais sábios ficam impressionados quando descobrem que a garota possui apenas seus dezessete anos.


[Alex]
Não gosta tanto do príncipe, mas evita deixar que ele saiba disso. Não admira seu modo de pensar, nem o jeito sarcástico que o garoto tem. Acha-o um pouco cabeça dura, e por isso nunca tentará entrar em uma discussão argumentativa com ele. Pode ser que os dois se deem bem, pela facilidade que possuem de se comunicar com os outros, ou até mesmo o sentimentalismo, já que Eveline pode ser pega chorando pela pressão posta em si, mas tentará ter um bom relacionamento com o garoto, já que, se ela for a escolhida, terá que lidar com o garoto para o resto de sua vida.


[Andrew]
Provavelmente, se apegará muito facilmente com Andrew, por ser compreensível, mas, principalmente, o mais familiar. É o que mais lembra seu irmão mais velho, por ter toda essa onda de garoto inteligente e tímido a primeira vista. O lado de irmão bagunceiro atiça o lado engraçado de Lilly. Sente que pode se soltar com o mais novo, desfrutando de tardes recheadas de novas experiencias, seja ela andar em um cavalo, ou contando piadas sem graça. Se fosse para escolher, Andre definitivamente seria seu melhor amigo ali dentro.


✗ Como trata o ESCOLHIDO ✗

De início, o achará meio bobo, por não possuir seriedade nenhuma, mas, ao longo do tempo, pode ser que se apegue a esta característica e tome um pouco dela para si. Terá conversas empolgantes e polêmicas com o garoto, já que é desinibido e espontâneo. Adorará ficar a sua presença, pois sente que pode confiar no garoto e nunca haverá tempo ruim para o mesmo. Diferente do normal, Eveline não sabe muito bem demonstrar quando se sente apegada por alguém, então seria como o garoto, tentaria se afastar. Definitivamente não será a menininha que o apoia a todos momentos, isso porque se ele fizer algo errado, ela dirá em sua face sem nenhum problema. Talvez isso virá com uma futura proximidade. Admira muito o príncipe pela sua espontaneidade, e até mesmo se identifica com isso. Caso um dia virem realmente um par, serão como aqueles casais que parecem mais melhores amigos do que namorados propriamente ditos.



✗ Como trata os outros funcionários? ✗
Com educação, principalmente. Sabe o aperto que eles passam por ter sempre que atender ao desejo de todos, então, tentará nunca fazer muita bagunça para deixe-os mais livres. É grata por seu trabalho árduo. Os cozinheiros por fazer sempre banquetes magníficos. As criadas por sempre aguentarem Lilly por horas para deixa-la apresentável. Aos guardas por manterem todo o castelo em segurança. Respeita o trabalho de cada um e tenta ser atenciosa com os mesmos, sempre dando bom dia e perguntando sobre eles, pois, por mais que pareçam robôs com tarefas destinadas, também são seres humanos como ela.


✗ Criadas ✗

[Hailee Plaza | 31 anos | Cabeleireira | Anna Kendrick]
Lilly tem uma relação amigável com a mesma. Hailee é muito tagarela, então sempre está por dentro de tudo da vida de Eve. Algumas vezes recebe broncas de Haiz por falar demais e fazer de menos, atrasando o cronograma da garota. É uma ótima cabeleireira, e sempre faz penteados magníficos na menina.



[Kayla Enoch | 27 anos | Estilista | Aja Naomi King]
É a que mais se parece com Lilly, tirando o fato que é mais tagarela que Hailee. É um tanto quanto esquentadinha quando o assunto é perfeição, pois, para ela, Eve sempre terá que ser a mais bela possível. Um pouco controladora, então sabe todo o cronograma de Eveline e faz questão de deixar que a garota nunca se atrase para nada. Apesar disso, as duas são amigas, e Eve é muito grata por sempre estar tremendamente elegante na frente de todos.



[Jackie Chapshaw | 22 anos | Maquiadora | Kylie Jenner]
Jackie executa um pouquinho de cada função, por sempre estar dentro da moda, mas, em sua maioria, só ajuda Lilly a se maquiar e usar uns bons acessórios, juntos com Kayla. É a mais séria, mas ainda assim, com o seu senso de humor. Por ser a mais nova, também é a que mais se entende com Eve, então estão sempre batendo papos sobre coisas da atualidade. No geral, Lilly e suas criadas se dão extremamente bem, e todas retribuem o carinho que a menina lhes dá.


✗ Música com o Príncipe ✗

We Dance Like Idiots — Beeshop
𝐼𝒻 𝓎𝑜𝓊 𝓌𝒶𝓃𝓃𝒶 𝒸𝒽𝒶𝓁𝓁𝑒𝓃𝑔𝑒 𝓂𝑒
𝒩𝑜𝓌 𝓎𝑜𝓊'𝓇𝑒 𝑔𝑜𝓃𝓃𝒶 𝒻𝒾𝑔𝒽𝓉 𝒶𝓁𝑜𝓃𝑒
𝐼𝒻 𝓎𝑜𝓊 𝓌𝒶𝓃𝓃𝒶 𝒷𝑒 𝓌𝒾𝓉𝒽 𝓂𝑒
𝒩𝑜𝓌 𝓌𝑒'𝓇𝑒 𝑔𝑜𝓃𝓃𝒶 𝒽𝒶𝓋𝑒 𝓈𝑜𝓂𝑒 𝒻𝓊𝓃
𝐼 𝓌𝒾𝓈𝒽 𝐼 𝒸𝑜𝓊𝓁𝒹 𝓉𝒶𝓀𝑒 𝓎𝑜𝓊𝓇 𝒽𝒶𝓃𝒹 𝓉𝑜𝓃𝒾𝑔𝒽𝓉 (𝒾𝓉'𝓈 𝒶𝓁𝓇𝒾𝑔𝒽𝓉)
𝐼 𝓌𝒾𝓈𝒽 𝐼 𝒸𝑜𝓊𝓁𝒹 𝒹𝒶𝓃𝒸𝑒 𝓌𝒾𝓉𝒽 𝓎𝑜𝓊 𝓉𝑜𝓃𝒾𝑔𝒽𝓉
𝒲𝑒 𝒹𝑜𝓃'𝓉 𝒸𝒶𝓇𝑒 𝓌𝒽𝒶𝓉 𝓅𝑒𝑜𝓅𝓁𝑒 𝓈𝒶𝓎
𝒲𝑒 𝒿𝓊𝓈𝓉 𝒸𝒶𝓇𝑒 𝒶𝒷𝑜𝓊𝓉 𝑒𝒶𝒸𝒽 𝑜𝓉𝒽𝑒𝓇
𝐼 𝓀𝓃𝑜𝓌 𝓉𝒽𝑒𝓇𝑒 𝒶𝓇𝑒 𝓈𝑜 𝓂𝒶𝓃𝓎 𝒹𝑜𝓌𝓃𝓈
𝐵𝓊𝓉 𝓇𝒾𝑔𝒽𝓉 𝓃𝑜𝓌 𝓌𝑒 𝒹𝑜𝓃'𝓉 𝒷𝑜𝓉𝒽𝑒𝓇



Fred Astaire — Clarice Falcão
𝒮𝑜́ 𝓅𝓇𝒶 𝓈𝒶𝒷𝑒𝓇
𝒩𝑒𝓈𝓈𝑒 𝓉𝒶𝓁 𝒻𝒾𝓁𝓂𝑒 𝒹𝑒 𝓇𝑜𝓂𝒶𝓃𝒸𝑒
𝒜𝓃𝓉𝑒𝓈 𝓆𝓊𝑒 𝑜 𝓅𝓊́𝒷𝓁𝒾𝒸𝑜 𝓈𝑒 𝒸𝒶𝓃𝓈𝑒
𝒱𝑜𝒸𝑒̂ 𝓂𝑒 𝒷𝑒𝒾𝒿𝒶 𝓃𝑜 𝒻𝒾𝓃𝒶𝓁?
𝒰𝓂 𝓈𝒾𝓂 𝒸𝒶𝒾 𝒷𝑒𝓂
𝑀𝒶𝓈 𝓃𝒶̃𝑜 𝓈𝑒 𝓈𝒾𝓃𝓉𝒶 𝓅𝓇𝑒𝓈𝓈𝒾𝑜𝓃𝒶𝒹𝑜
𝒫𝑜𝓇𝓆𝓊𝑒 𝓊𝓂 𝒷𝑒𝒾𝒿𝑜 𝑜𝒷𝓇𝒾𝑔𝒶𝒹𝑜
𝒩𝒶 𝓉𝑒𝓁𝒶 𝒾𝓂𝓅𝓇𝒾𝓂𝑒 𝓂𝑒𝒾𝑜 𝓂𝒶𝓁
𝒮𝑒𝓂 𝓅𝓇𝑜𝒷𝓁𝑒𝓂𝒶
𝒮𝑒𝓇 𝒻𝒾𝑔𝓊𝓇𝒶𝓃𝓉𝑒 𝓃𝒶 𝓈𝓊𝒶 𝒽𝒾𝓈𝓉𝑜́𝓇𝒾𝒶
𝐸 𝑜𝓁𝒽𝒶, 𝓃𝑒𝓂 𝒻𝑜𝓇ç𝒶 𝓈𝓊𝒶 𝓂𝑒𝓂𝑜́𝓇𝒾𝒶
𝒩𝑒𝓂 𝓃𝑜𝓂𝑒 𝑒𝓊 𝓅𝓇𝑒𝒸𝒾𝓈𝑜 𝓉𝑒𝓇
𝑀𝒶𝓈 𝒸𝓊𝒾𝒹𝒶𝒹𝑜
𝑀𝑒 𝒹𝑒𝒾𝓍𝒶 𝓃𝑜 𝒸𝒶𝓃𝓉𝑜 𝒹𝒶 𝓈𝒶𝓁𝒶
𝒬𝓊𝑒 𝓈𝑒 𝑒𝓊 𝓉𝒾𝓋𝑒𝓇 𝒶𝓁𝑔𝓊𝓂𝒶 𝒻𝒶𝓁𝒶
𝐸𝓊 𝓂𝓊𝒹𝑜 𝓅𝓇𝒶 "𝒶𝓂𝑜 𝓋𝑜𝒸𝑒̂"



Tell Her You Love Her — Echosmith
𝒯𝑒𝓁𝓁 𝒽𝑒𝓇 𝒶 𝓈𝓉𝑜𝓇𝓎. 𝒯𝑒𝓁𝓁 𝒽𝑒𝓇 𝓉𝒽𝑒 𝒽𝑜𝓃𝑒𝓈𝓉 𝓉𝓇𝓊𝓉𝒽
𝒴𝑜𝓊 𝓉𝓇𝑒𝒶𝓉 𝒽𝑒𝓇 𝒷𝑒𝓉𝓉𝑒𝓇. 𝑀𝒶𝓀𝑒 𝓈𝓊𝓇𝑒 𝓉𝑜 𝓈𝑒𝑒 𝒾𝓉 𝓉𝒽𝓇𝑜𝓊𝑔𝒽
𝒟𝑜𝓃'𝓉 𝒷𝑒 𝒿𝓊𝓈𝓉 𝑒𝓋𝑒𝓇𝓎𝓉𝒽𝒾𝓃𝑔 𝓈𝒽𝑒 𝓌𝒶𝓃𝓉𝓈
𝐵𝑒 𝑒𝓋𝑒𝓇𝓎𝓉𝒽𝒾𝓃𝑔 𝓈𝒽𝑒 𝓃𝑒𝑒𝒹𝓈
𝒲𝒽𝑒𝓃 𝓈𝒽𝑒 𝓈𝒶𝓎𝓈 𝓈𝒽𝑒 𝓁𝑜𝓋𝑒𝓈 𝓎𝑜𝓊
𝒯𝑒𝓁𝓁 𝒽𝑒𝓇 𝓎𝑜𝓊 𝓁𝑜𝓋𝑒 𝒽𝑒𝓇 𝓉𝑜𝑜

𝒢𝒾𝓋𝑒 𝒽𝑒𝓇 𝒶 𝓇𝑒𝒶𝓈𝑜𝓃, 𝒶 𝓇𝑒𝒶𝓈𝑜𝓃 𝓉𝑜 𝓁𝑜𝓋𝑒 𝒶𝓁𝓁 𝓎𝑜𝓊 𝒹𝑜
𝒮𝒽𝑒'𝓁𝓁 𝓉𝑒𝓁𝓁 𝓎𝑜𝓊 𝓈𝑒𝒸𝓇𝑒𝓉𝓈. 𝒴𝑜𝓊'𝓁𝓁 𝓉𝑒𝓁𝓁 𝒽𝑒𝓇 𝓈𝑒𝒸𝓇𝑒𝓉𝓈 𝓉𝑜𝑜
𝒮𝒽𝑒'𝓁𝓁 𝓉𝑒𝓁𝓁 𝓎𝑜𝓊 𝒶𝓁𝓁 𝒽𝑒𝓇 𝒽𝑜𝓅𝑒𝓈 𝒶𝓃𝒹 𝒹𝓇𝑒𝒶𝓂𝓈
𝒴𝑜𝓊'𝓁𝓁 𝓉𝑒𝓁𝓁 𝓉𝒽𝑒𝓂 𝓉𝑜𝑜
𝒲𝒽𝑒𝓃 𝓈𝒽𝑒 𝓈𝒶𝓎𝓈 𝓈𝒽𝑒 𝓁𝑜𝓋𝑒𝓈 𝓎𝑜𝓊
𝒯𝑒𝓁𝓁 𝒽𝑒𝓇 𝓎𝑜𝓊 𝓁𝑜𝓋𝑒 𝒽𝑒𝓇 𝓉𝑜𝑜

𝐵𝓊𝓉 𝒹𝑜𝓃'𝓉 𝓎𝑜𝓊 𝓇𝓊𝓃𝒶𝓌𝒶𝓎, 𝓇𝓊𝓃𝒶𝓌𝒶𝓎
𝒲𝒽𝑒𝓃 𝓎𝑜𝓊 𝑔𝑒𝓉 𝓉𝒾𝓇𝑒𝒹
𝒞𝒶𝓊𝓈𝑒 𝓉𝒽𝒾𝓈 𝓌𝒾𝓁𝓁 𝓈𝓁𝒾𝓅 𝒶𝓌𝒶𝓎, 𝓈𝓁𝒾𝓅 𝒶𝓌𝒶𝓎
𝒜𝓃𝒹 𝓈𝓉𝒶𝓇𝓉 𝒶 𝒻𝒾𝓇𝑒
𝒯𝒽𝒶𝓉 𝒸𝒶𝓃 𝓃𝑒𝓋𝑒𝓇 𝒷𝑒 𝓅𝓊𝓉 𝑜𝓊𝓉
𝒪𝒽 𝒽𝓊𝓇𝓇𝓎 𝓉𝒾𝓂𝑒 𝒾𝓈 𝓇𝓊𝓃𝓃𝒾𝓃𝑔 𝑜𝓊𝓉
𝐵𝓊𝓉 𝒹𝑜𝓃'𝓉 𝓎𝑜𝓊 𝓇𝓊𝓃𝒶𝓌𝒶𝓎, 𝓇𝓊𝓃𝒶𝓌𝒶𝓎
𝐵𝑒𝒻𝑜𝓇𝑒 𝓎𝑜𝓊 𝓉𝑒𝓁𝓁 𝒽𝑒𝓇 𝓎𝑜𝓊 𝓁𝑜𝓋𝑒 𝒽𝑒𝓇



Company — Justin Bieber
𝐿𝑒𝓉'𝓈 𝑒𝓃𝒹 𝑒𝒶𝒸𝒽 𝑜𝓉𝒽𝑒𝓇'𝓈 𝓁𝑜𝓃𝑒𝓁𝓎 𝓃𝒾𝑔𝒽𝓉𝓈
𝐵𝑒 𝑒𝒶𝒸𝒽 𝑜𝓉𝒽𝑒𝓇'𝓈 𝓅𝒶𝓇𝒶𝒹𝒾𝓈𝑒
𝒩𝑒𝑒𝒹 𝒶 𝓅𝒾𝒸𝓉𝓊𝓇𝑒 𝒻𝑜𝓇 𝓂𝓎 𝒻𝓇𝒶𝓂𝑒
𝒮𝑜𝓂𝑒𝑜𝓃𝑒 𝓉𝑜 𝓈𝒽𝒶𝓇𝑒 𝓂𝓎 𝓇𝑒𝒾𝑔𝓃
𝒯𝑒𝓁𝓁 𝓂𝑒 𝓌𝒽𝒶𝓉 𝓎𝑜𝓊 𝓌𝒶𝓃𝓃𝒶 𝒹𝓇𝒾𝓃𝓀
𝐼'𝓁𝓁 𝓉𝑒𝓁𝓁 𝓎𝑜𝓊 𝓌𝒽𝒶𝓉 𝐼 𝑔𝑜𝓉 𝒾𝓃 𝓂𝒾𝓃𝒹
𝒪𝒽 𝐼 𝒹𝑜𝓃'𝓉 𝓀𝓃𝑜𝓌 𝓎𝑜𝓊𝓇 𝓃𝒶𝓂𝑒
𝐵𝓊𝓉 𝐼 𝒻𝑒𝑒𝓁 𝓁𝒾𝓀𝑒 𝓉𝒽𝒶𝓉'𝓈 𝑔𝑜𝓃𝓃𝒶 𝒸𝒽𝒶𝓃𝑔𝑒


✗ Só isso, pode respirar acabou :v Agora, vc só tem que colocar aquele monte de sims sobre seu personagem ser meu, dando autorização pra que eu mude e, também, ficando sabendo que eu posso matar sua garota no momento que eu quiser. ✗
Super suave, tudo de acordo :v


Antes que eu esqueça :P Esse aqui era o colar que Daniel deu para ela:

Para o irmão, Lilly sempre foi sua princesinha. Algo que fez muito bem para sua família e também para alegrar todos. O colar é tão especial por isso. É a única lembrança que Lilly tem de Daniel. É o acessório que ela nunca tiraria. Preferiria sair da Seleção do que tirá-lo.


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...