~StarblueG

StarblueG
/;star.
Nome: 》 You can call me S.T.A.R. 《
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
Aniversário: 20 de Setembro
Idade: 16
Cadastro:

▲I'm not a Renegade▼


Postado


✗ Nome Completo ✗
Andrew Harris Wyler
Depois que foi para Outside, preferiu mudar, ou apenas encurtar, seu nome. Todos o conhecem por Drew. Foi uma escolha que o mesmo tomou para, de certo modo, abandonar seu passado.


✗ Idade ✗
25 anos. Nasceu dia 13 de junho.

✗ Opção sexual ✗
Heterossexual

✗ Personalidade ✗

A primeira coisa a se notar é seu jeito durão, agressivo e violento. Não se importa de ser assim, é como um jeito que arrumou de se proteger por todas as merdas que já o abalaram. Por dentro, é muito mais sensível do que aparenta. Ainda se sente o garoto de dezesseis anos, correndo desesperado pelas ruas sem rumo, então, para que essa sensação fosse crucialmente esmagada, preferiu deixar seu lado violento esvair. O garoto é respondão, e muito ousado com suas respostas. Sua má educação e sua boca suja contribuem para isso. Não exita em dizer umas verdades nuas e cruas na face da pessoa, especialmente se pirar de vez com a pessoa. Ele não nasceu para obedecer ordens, e sim mandar. É um líder nato. Normalmente fica extremamente calmo em situações de pressão e estresse emocional, pensando em algo inteligente para resolver o problema. Boa parte disso veio de sua revolta ao descobrir que era um Renegado. Aprendeu a se controlar, se não, nunca mais pararia de chorar. Ser líder não significa que ele não se revoltará. O garoto é um rebelde por natureza. Não concorda? ele vai discordar com todas suas forças. Compra brigas a toa e é rude com aqueles que não gosta. Não se importa de comprar brigas, é muito confiante com tudo o que faz, e, se ele apanhar, pelo menos vai bater também. Como já diziam alguns: Se não for para causar, eu nem vou. Ele adere esta frase com todas as duas forças. Se destaca muito entre os outros, não só por sua beleza, mas pelo seu jeito sem vergonha de ser. Não vê o porquê de permanecer quieto em seu canto quando pode sair sendo brincalhão com todos por aí. Não mede suas palavras, sendo sarcástico e irônico com todos ao seu redor. Alguns até mesmo falam que o garoto é extrovertido por ser assim. Não tem vergonha de falar com ninguém. Além disso, é extremamente otimista. Sempre tenta ver algo positivo em uma situação. Sempre há uma luz em tempos de trevas. Pode animar alguns com seus pensamentos positivos. O garoto é brilhante. A coisa que mais fazia em sua infância era estudar, então, aprendeu e decorou muitas coisas ao longo dos anos. Talvez isso seja por sua memória fotográfica, mas ele não se importa. Os anos trancafiados o ajudaram muito a desenvolver sua imensa criatividade. Sempre que é necessário, ele usa de seu artifício para inventar coisas para facilitar sua vida em Outside. Drew é direto com tudo o que quer. Não vê motivos para enrolar nas coisas, é muito mais fácil contar as coisas de uma vez por todas. Pode até mesmo ser considerado atirado com as garotas por isso, mas, novamente, ele não se importa. Por uma parte, isto é verdade. O homem é pervertido e malicioso, mas isso só o ajudou a saber como chegar em alguém. Santo apenas existe na igreja, não nele. É galanteador. Sabe como ganhar alguém apenas com a força de suas palavras e olhares. Provocante mais do que tudo. Se quiser deixar alguém ao desejo, vai fazer isso muito bem. É até mesmo audacioso em suas cantadas, algumas vezes levando tapas das garotas mais recatadas. Andrew é um completo galinha, já até esqueceu com o tanto de mulheres que já dormiu, porém, melação não é com ele. Tudo menos uma garota grudada em seu pescoço, fazendo voz fina que o lembra um ser retardado. Mas isso não o impede de ser ciumento. Uma vez gostando de alguém, algo realmente raro de se acontecer, já que reprime mostrar seus sentimentos por alguém, cuida da mesma como fosse uma peça rara de um famoso museu. Por mais que tenha toda essa fama, realmente não se importa com o que as pessoas dizem sobre ele. Seu pensamento sobre si é a coisa que mais importa, além disso, que se foda o resto. Ele não é modesto e manda a humildade para casa do cacete. Sabe muito bem o que é, e a beleza que tem, então, sabe o quão capaz é de fazer as coisas. É muito competitivo. Faz de tudo uma competição, mas, ao mesmo tempo, é extremamente organizado com as coisas que faz, passando até mesmo a ser perfeccionista. Se for para sair feio ou de modo desajeitado, ele nem faz. É um rapaz mandão e muito exigente. Nunca o verá sendo desleixado ou deixando as pessoas serem desleixadas com algo que ele faz ou manda. Não se distrai com facilidade, é muito focado em tudo o que faz. O garoto preza a liberdade e a justiça a cima de tudo. Depois do que passou por sua infância, nada é mais valorizado do que sua liberdade, e, se tem uma coisa que abomina com todas suas forças, são injustiças.



✗ História ✗

A história de Drew é um completo desastre. Para começar, o menino foi um completo acidente. Os Wyler já tinham seus dois filhos, e não pretendiam ter mais filhos, porém, a vida é uma caixinha de surpresas. Alie, reconhecendo os sintomas, logo avisou para Phillip. Os dois entraram em desespero. Sabiam como o sistema de natalidade funcionava, e não desejavam isso a nenhuma criança. Pensaram em diversas possibilidade, até cogitaram a pensar no aborto, porém, não foram capazes de fazer isso com um pequeno bebê. Decidiram manter o bebê, mas, de algum modo, esconder de tudo e de todos. Fizeram até mesmo suas filhas, Ellen e Carly, prometessem não contar para absolutamente ninguém sobre seu novo irmão. Alguns meses depois, o pequeno bebê nasceu. Por segurança, resolveram não ir ao um hospital e sim tê-lo em casa. O parto foi sofrido e doloroso. Foram longas horas até o pequeno nascer. Por muita sorte do casal, nada de errado aconteceu. Phillip já havia visto os médicos cortando o cordão umbilical, além do parto, de suas duas outras filhas, então, já sabia, muito basicamente, o que tinha que fazer. Ao ver, o bebê estava perfeitamente normal. O único problema era que ninguém podia saber de sua existência


Andrew, de fato, era um bebê extremamente bonito. Não tinha uma cara tão parecida com um joelho, como a maioria, além do cabelo ralo e dourado em sua pequena cabeça e os olhos azuis resplandescentes. Tinha um semblante calmo, e, por mais que não tivesse dentes, sempre sorria. Não era de fazer muito escândalo, muito quieto, com as grandes bolas de gude absorvendo cada cor e informação que encontrava. Por uma medida de segurança, preferiram não fazer um quarto para o garoto, e sim deixá-lo no porão. A vida de Andrew foi crescer entre quatro paredes, sem nenhuma janela sequer, ou até mesmo ver sua família a hora que quisesse. Aquilo o incomodava. A falta de liberdade o incomodava, mas, ele era apenas uma criança, e não podia fazer muito sobre. Geralmente, ouvia suas irmãs brincando no andar de cima com novas vozes. Essas vozes tinham nomes, porém, não tinham rosto. Ele sentava na escada de seu porão, fechava seus olhos e imaginava como seriam essas pessoas. A tonalidade de seu cabelo, seus rostos, seus olhos, como deveriam ser seus sorrisos, tudo não se passava de imaginação. Drew aprendeu tudo em seu pequeno mundo. A família não era rica, então, a coisa que mais tinha eram livros. A maioria dos livros eram histórias fictícias que suas irmãs liam e não queriam mais, ou até mesmo antigos livros de escola largados. Isso ajudou muito o menino a desenvolver sua imensa genialidade. Tinha que arrumar um jeito de se virar, então transformar uma blusa rasgada em algo totalmente novo era fácil.
Foi com seus seis anos que decidiu, e uma vez por todas, sair de seu quarto. Em sua parede havia um relógio, e ele já havia perguntado a sua mãe como funcionava, então decidiu sair a noite. Ansiava conhecer o céu, mesmo que estivesse envolvido em seu véu negro, mas apenas queria ver com seus próprios olhos a imensidão escura. Seus pais não trancavam a porta de seu porão, por não verem necessidade, o garoto era obediente, mas isso foi um completo erro. Todos na casa estavam dormindo, e Andrew, muito silencioso, conseguiu sair do local sem fazer nenhum barulho. Não pretendia sair de sua casa, apenas ir a janela e observar o céu, e foi isso mesmo que fez. Essa, até hoje, foi uma das melhores experiências de sua vida. Era como uma criança em um parque de diversões pela primeira vez. Uma grande sensação de liberdade enchera seu peito. O loiro ficou a noite inteira olhando o céu, e ficaria de dia também, porém, ninguém podia saber que ele havia os desobedecido, então apenas voltou para seu quarto, repetindo diversas vezes em sua memória a imagem estrelado.


Os anos foram se passando e Andrew apenas se tornava mais livre. Todas as noites, sem exceção, saía de seu quarto, observando as estrelas. A noite começou a ser sua hora preferida do dia. Mas Andrew queria mais. Ele queria conhecer o mundo. Pensou muito antes de executar seu plano suicida. Decidiu, de uma vez por todas sair de casa. Não foi muito longe, por não conhecer os arredores, porém, a cada saída, ele se distanciava mais, e tentava voltar antes do amanhecer. Passou longos anos fazendo isso. Sempre dava certo, porém, tudo um dia muda. Foi com seus doze anos que foi pego. Ele brincava com um cachorro de um vizinho, quando este mesmo saiu de sua casa, assustando-o. Sem reação, o vizinho segurou seu braço, gritando com o mesmo. Andrew entrou em um colapso. Não sabia o que fazer ou o que dizer ao homem que gritava em seu ouvido. A primeira coisa que passou pela mente do mesmo foi se soltar e correr para casa. Pisou no pé do homem fortemente, soltando-se e correndo de volta para casa. Como era óbvio o homem viu a casa, e, como já conhecia a família, não esperou para denunciar.
Drew chegou fazendo o maior barulho em casa. Fechou a porta, apoiando-se na mesma, abraçando seus joelhos e chorando como nunca. Sabia o erro que tinha cometido. Sua mãe acordou, assim como a família inteira, perguntando o que havia acontecido, porém a única coisa que ele conseguia fazer era soluçar e pedir desculpa.


Aquele foi o ano que tudo em sua vida desandou. Finalmente descobriram de sua existência, e, como terceiro filho, sua ida para Outside era obrigatória. De início, sua mãe não contou para ele o que aconteceria, mas, Drew, percebendo que havia algo de errado, insistiu em sua mãe para saber qual seria sua punição. Alie então revelou que era era um Renegado. Nenhuma família podia ter mais de dois filhos, e, se tivesse um terceiro, este seria obrigado a ir para Outside, um local atrás das montanhas, onde viveria com Renegados, pessoas como ele. Andrew não admitiu isso. Ele era um erro? Um erro por ser diferente? Isso não estava certo. O garoto saiu gritando, revoltado, chutando e quebrando tudo que havia em sua frente. Ele seria punido pelo erro idiota de seus pais? Isso não era justo. Saiu de casa no mesmo instante. Sem rumo. Não se importava qual seria o seu destino, ele não queria ir para um lugar cujo o qual não pertencia. Correu. Correu até não aguentar mais. Conforme se distanciava de sua casa, sentia a dor invadindo seu peito. Andrew não pode evitar, com os olhos já embaçados, tropeçou e caiu. Se arrasou até um canto, saindo do meio da rua, e ali ficou, por um bom tempo, deixando com que suas mágoas o corroessem. Ele já tinha seus dezesseis anos, então sua próxima parada seria Outside. Não teria nem chance de se acostumar com a ideia.
Horas e horas se passaram com o menino escondido. Seus pais o procuravam feito malucos, porém, o menino não queria ser achado, como era óbvio. Voltou muito tempo depois, sem dar satisfação para suas irmãs, que estavam sentadas na sala, observando as janelas, indo ao seu quarto e trancando a porta. Carly e Ellen ligaram aos seus pais, avisando que o garoto revoltado havia chegado em casa, porém, não adiantou. Por mais que Phill e Alie pedissem, Andrew não os dava ouvido, ele apenas queria ficar sozinho. Só foi possível vê-lo no dia seguinte. Sua mãe lhe falou que um segurança o levaria para Outside, então arrumou uma mochila com o básico que precisava. Não conseguia olhar nos olhos de seus pais, apenas apertou a mochila em seus ombros, saindo de casa com a decepção estampada em seu rosto.


Quando Drew chegou a Outside, sentiu-se extremamente desconfortável. Ainda tinha o pensamento em sua cabeça de abandono, de ser diferente. Algo sujo invadia o seu ser, e, por mais que tentasse tirar disso, a sensação não saia. Um certo dia, uns garotos mais velhos, não tão mais velhos, o cercaram, perguntando o que ele pretendia fazer ali, porque parado ele não ficaria. Foi naquele ponto que Andrew começou a desenvolver sua "nova personalidade". O garoto, por influência, começou a ser galinha, e, por sua beleza, ninguém resistia a sua lábia.



✗ Aparência ✗
{Chris Evans}

Não é preciso ter um senso muito grande para admitir que Drew é extremamente bonito. A expressão "um deus grego" poderia muito bem ser usada neste caso. Seu rosto angelical é de muito destaque. Suas madeixas douradas se ressaltam em sua pele pálida, assim como seus olhos azuis cristalinos. Os fios de seu cabelo podem ser vistos mais claros quando na luz do sol, revelando a verdadeira cor, um loiro sujo. Assim como tudo tem um defeito, Drew não escapa, é possível ver um leve esverdeado em suas piscinas azuis. Quanto ao seu corpo, o homem poderia ser comparado a um fisiculturista. Seus bíceps são grandes e malhados, e não é preciso uma camisa apertada para perceber isso. O torneado em seu abdome é aparente, culpa de longos exercícios. Não é como uma das pessoas que vai a academia e não malha as pernas, muito pelo contrário, seu corpo é totalmente malhado e forte. Toda a sua estrondosa beleza é muito bem distribuídas pelos seus um metro e oitenta e três.



✗ Relação que tinha com a família ✗
Remorso é pouco para o que Drew guarda. Ele realmente odeia sua família com todas suas forças. Outside é sua verdadeira casa. Não sente nenhuma saudade dos mesmos. Por mais que admita para si mesmo que suas irmãs não tem culpa em seu fardo, não consegue sentir nada além de desgosto pelos mesmos.

.¸¸.*♡Família♡*.¸¸.

{Phillip Wyler | 51 anos | Mark Pellegrino | Pai}


{Alie Wyler | 49 anos | Emily Swallow | Mãe}


{Carly Wyler | 29 anos | Candice Accola | Irmã mais velha}


{Ellen Wyler | 26 anos | Dianna Agron | Irmã do meio}


✗ Função no Outside ✗
Produtor

✗ Grupo que participa ✗
Troik

✗ Gostos ✗
Dias quentes | Correr | Lutas - mesmo que seja de brincadeira | Que obedeçam suas ordens | Boas piadas | Observar as estrelas | Noite e Madrugada | Chá | Justiça | Liberdade

✗ Desgostos ✗
Pessoas sérias demais | Receber ordens | Ficar irritado | Ser lembrado de sua família | Dias frios | Café | Ficar parado por muito tempo | Se sentir preso | Injustiça

✗ Como reagiu ao descobrir que era um Renegado ✗
Drew pirou. Ele já estranhava as outras famílias terem apenas dois filhos, porém, não se importava de ser diferente. Quando recebeu a notícia, saiu quebrando tudo de seu quarto. Não aceitava que teria que se separar de sua família. Isso estava errado. Toda essa coisa de ter uma limitação de filhos era errada, e ele sentia que precisava mudar isso, mas, ao mesmo tempo, sabia que não podia fazer isso sozinho.


✗ Como trata os líderes ✗
Drew não é bicha mandada, ele nasceu bicha para mandar, então, não gosta de obedecer o que seus líderes o ordenam. Além do mais, o garoto é mal educado, então, se não concordar com uma de suas ordens, não exitará em dizer não e bater de frente. Pode acabar se ferrando um pouco por sua ousadia, porém, não se importa, ele não é obrigado.


✗ Como trata as pessoas do seu grupo ✗
É engraçado com a maioria. Não tem tanto senso assim, além de ser totalmente extrovertido. O menino faz amizade com todos, desde os mais jovens aos mais velhos. Pelas garotas, é conhecido pelo rostinho bonito que seleciona muito bem aquelas com quem passa a noite ao lado.


✗ Como trata as pessoas do outro grupo ✗
Considera todo mundo farinha do mesmo saco, então, trata-os do mesmo jeito que trata as pessoas de seu grupo. Pode acabar soltando algumas frases mais provocativas e erradas, mas nada que vá levar a uma briga, a menos que não goste do membro. Não se importa em arrumar brigas por motivos pequenos. Drew sabe que é forte, tem noção de sua força, então só entra em posição de defesa, com um sorriso atrevido no rosto.


✗ Como seria se fosse um líder de uma categoria ✗
Drew é um líder nato. O garoto nasceu para mandar, e não obedecer. Pode ser conhecido como palhaço, porém, quando o assunto é sério, ele fará de tudo para concluir com êxito. Tentaria manter todos seguros, tem um instinto familiar dentro de si, talvez pela falta da presença de sua família quando criança, mas tem não que, algumas vezes, sacrifícios são necessários.


✗ Como seria se fosse o líder de um grupo ✗
Assim como no caso anterior, Drew faria o possível para alcançar seus objetivos. Nunca duvide dele e sua genialidade. Sua criatividade é imensa para criar planos e estratégias. Lembra com detalhes dos livros de história ou até mesmo fantasiosos que envolviam guerra lia. Com os Troik'as, seria mais livre, por sua natureza rebelde, mas, sabe que existe uma coisa chamada limite e, normalmente, sabe não ultrapassar.


✗ Quer par ✗
Sim


✗ Como trata o par ✗
O garoto é ciumento, isto é fato, então, será o mais ciumento o possível. Não é o do tipo de fará coisas melosas e românticas, ele não é esse tipo de cara, mas, não será o homem que tratará mal por qualquer coisa. Drew sabe como tratar uma mulher, não é a toa que todas gostam dele, não apenas por sua beleza. É romântico, porém, tem um limite para isso, não é romântico ao ponto de inventar apelidinhos irritantes.


✗ Como se sente em relação a Newerland ✗
Odeia Newerland. Segue os Troik com tanto orgulho por isso. Quer ver aquele lugar destruído. Não prédios, ruas e casas, mas sim o sistema do lugar. Uma arruaça não seria nada demais, porém, nada nunca lhe satisfará mais do que ver aquele lugar aos pedaços. Sem dúvidas, Outside é seu lar, porém, Newerland é o lugar que aprisiona seu passado amaldiçoado.


✗ Password ✗
“Ser abandonado é apenas o começo.”

✗ Compreende que agora o seu personagem está em minhas mãos e na minha história? Que eu poderei fazer mudanças [nada drástico] nele caso precise? Que ele pode não ser um líder ou até mesmo não ter um par? ✗
Yup


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...