~StarblueG

StarblueG
/;star.
Nome: 》 You can call me S.T.A.R. 《
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
Aniversário: 20 de Setembro
Idade: 16
Cadastro:

{Who Killed Mary? — Will Vanderbit}


Postado

I killed her

❝I'm nuts, baby, I'm mad
The craziest friend that you've ever had
You think I'm psycho
You think I'm gone
Tell the psychiatrist something is wrong
Over the bend, entirely bonkers
You like me best when I'm off my rocker
Tell you a secret, I'm not alarmed
So what if I'm crazy? the best people are
❥— Mad Hatter by Melanie Martinez;

✗ Nome ✗
William "Will" Kennedy Vanderbit

✗ Idade ✗
19 anos

✗ Sexualidade ✗
Heterossexual

✗ Aparência ✗

William é um garoto de extrema beleza. Começaremos por seu rosto angelical. Muitas vezes já fora comparado com o ser divino, por seus cabelos dourados e olhos claros, mas como muitos dizem, nunca julgue um livro pela capa. Suas lisas madeixas sempre estão em seu tamanho curto, porém possibilitando-o de arrumar uma franja em sua testa. A franja sempre é muito rala, devido a finura de seu cabelo. Por mais que não tenha muito cabelo, os fios são sedosos e macios, muitas vezes o dando uma aparência mais juvenil do que já tem. Seus olhos são pequenos, mas, ainda assim, do tamanho perfeito para seu rosto. Suas íris azuis claras são de grande destaque em sua pele pálida. Nada é perfeito, e isso vale para o garoto. Algumas vezes é possível ver um tom esverdeado em seus olhos. Por baixo dos finos, carnudos e rosados lábios, estão duas fileiras de dentes perfeitamente brancos e enfileirados. Seu maxilar é marcante, devido ao formato quadrado do mesmo.


O corpo do rapaz é esbelto. Não apenas tem um rostinho bonito, mas também um corpo. De início pode-se notar sua altura. É alto, possuindo seus um metro e oitenta.Suas costas são largas, como as de um nadador profissional, e isso apenas lhe deixa com uma aparência mais masculinizada. O garoto é magro, mas forte. É possível perceber um leve torneado em seus braços e pernas, assim como as marcas de exercícios em seu abdome. Seu porte físico só o deixa com a aparência atlética mais relevante. Quando sem camisa, é possível ver algumas pintas distribuídas por seu tronco e pescoço.



✗ Personalidade ✗

De início, Will pode parecer um garoto tranquilo, simpático e gentil. De fato ele tem um pouco de simpatia, porém, tranquilidade e simpatia não são palavras presentes em seu ser. Ele é como uma granada pronta para explodir. Extremamente temperamental. A menor das coisas pode fazer com que ele se transforme em uma completa fera, e é difícil trazê-lo de volta à sanidade. É muito sensível, mas não chora por coisas bobas. É raro de o ver chorando, seu coração não é tão mole quanto aparenta, porém, machucá-lo, especialmente com palavras, é fácil. Geralmente é muito mal educado, soltando xingamentos para lá e para cá, assim como ofensas aos outros ao seu redor. Algumas vezes se torna violento quando é posto sob extremo estresse ou até mesmo situações difíceis. É muito agressivo e pega raiva das coisas muito rapidamente. Se ele acha que deve, bate na pessoa, não importando sexo ou tamanho. A única pessoa que tem seu total respeito é sua mãe. Teimosia e desobediência seriam palavras perfeitas para o definir. Nunca fará algo que não acha certo, por mais que isso demande quebrar regras, assim como negará com todas as suas forças algo que, em sua perspectiva, esteja errado. Muito impulsivo. Quase nunca pensa em suas ações antes de executá-las. Normalmente não se arrepende das suas decisões. Isso o fez ser muito decidido. Nunca fraqueja para tomar uma decisão. O loiro pode até mesmo ser brincalhão, porém todas as suas brincadeiras são de mal gosto. É sarcástico e irônico em basicamente tudo que fala, perdendo o bom senso em suas brincadeiras, apelidinhos e pegadinhas. Algumas vezes se sai como imaturo por isso. Sempre muito competitivo. Talvez isso seja por ser um exímio atleta, mas não consegue aceitar ficar em segundo lugar em algo. Will com certeza é pervertido. Não espera uma para passar a mão em lugares inadequados em garotas, ou até mesmo maliciar qualquer coisa a sua frente. Seus problemas com ansiedade o fizeram ser bastante nervoso com quase todos os eventos em sua vida, sejam eles uma festa de aniversário ou uma apresentação na frente de toda turma.
William é extremamente honesto. Sempre será franco com tudo que lhe perguntarem e alguma vezes até com os que não o perguntarem. Não tem uma varredura que lhe diz o que é adequado de se falar em certo momento, apenas fala o que lhe cair na telha. Mas isso não é motivo para não ser um ótimo mentiroso e tenha uma boca de túmulo. Quando necessário, ele sabe mentir, assim como é um amigo extremamente leal e confiável para se guardar segredos. O menino só sabe viver no oito ou oitenta. Para ele tudo tem que ser exposto ao limite. Viver sem um pouco de aventura e perigo não tem graça para o loiro. Monótono não é algo que está em seu vocabulário. Sua extrema criatividade e inteligência o permitem a inovar em seu dia a dia. O menino é vaidoso. Preza muito por sua beleza. Ele sabe que é bonito, e talvez por isso seu ego seja tão inflado. É convencido e muito orgulhoso. Nunca nega um elogio, e as vezes apenas diz: eu já sabia disso, eu tenho espelho em casa. É capaz de tudo para alcançar seus objetivos. Sabe utilizar todas as estratégias para chegar a sua meta final, e está pronto para mentir e manipular se for preciso. É muito desconfiado com tudo ao seu redor, e pode demorar para confiar em pessoas que nunca viu na vida. Quando sua desconfiança junta com sua curiosidade, não há nada que o pare até que descubra a verdade. Extremamente ciumento, controlador e possessivo. Quando se apega muito a algo e o perde, faz de tudo para consegui-lo de volta, pois aquilo é seu; sendo esse algo objetos ou até mesmo pessoas.



✗ História ✗

Os primeiros quatro anos da vida do pequeno foram fáceis, assim como os de todas as crianças, já que era pura inocência e quase mesmo não sabia falar. William não via o que se passava entre as quatro paredes fora de seu quarto. Sua mãe, por sua proteção, o mantinha preso em seu quarto. Era vítima de abuso e violência doméstica. O seu marido era o típico homem que chegava em casa bêbado e descontava todas as suas frustrações na mulher. Acabava privando a criança loira de muitas coisas para sua própria segurança. Mas isso não podia durar para sempre.
Will tinha seus sete anos quando ingressou na primeira escola, então, frequentemente saía de casa, na parte da manhã. Sua mãe lhe ensinou a voltar para casa sozinho, já que o colégio ficava menos de dez minutos de sua casa. Em um desses dias, o menino chegou mais cedo em casa, e acabou presenciando seu pai batendo em sua mãe. Era a primeira vez que via algo do tipo, então correu para interferir. Pulou em cima de seu pai, porém o homem era mais forte que o pequeno garoto, então apenas o puxou, derrubou-o no chão e bateu no rosto do mesmo. Seu pai usava anéis, então ele o feriu. George rapidamente percebeu o que estava fazendo, abandonando a família e partindo a rua.
Os anos se passaram, sempre com a mesma coisa. William ouvia o choro de sua mãe, tentava a defender e acabava apanhando também. Em uma noite, quando estavam jantando, George chegou em casa e foi diretamente em Will. Em tentativa de afastar o homem, lhe empurrou, porém, já embriagado e tonto, desandou e caiu. Comum em todas as salas, havia uma mesa de centro, e foi na quina da mesma que a cabeça de George caiu. Logo uma poça de sangue se formou, escorrendo pela mesa de vidro. William observou aquilo, paralisado. Havia acabado de matar de seu pai.
Esse foi o maior trauma de sua vida. Desenvolveu problemas com ansiedade, assim como um frequente medo de valentões e uma profunda depressão. Toma remédios de tarja preta para combater todos esses problemas. Ficou alguns longos meses sem ir para escola e sem mesmo sair de casa. Recusava a ajuda de psicólogos, pois ele não queria admitir que tinha problemas. Quando finalmente voltou para escola, todos já sabiam da história da morte de seu pai, e muitos o julgavam por isso. Em um certo dia, uns valentões o empurraram no armário, apenas para mexer com ele, chamando-o de assassino. Will perdeu a cabeça. Foi com tudo para cima dos três que o cercavam. Nessa época, já estava razoavelmente forte, então foi fácil "acabar" com eles. Deixou os três jovens certamente feridos. Isso só o deixou mais popular em sua escola. Outra das razões era sua recente entrada no time de futebol americano do colégio.
Foi por sua popularidade que conheceu Mary. Em uma festa para os populares do colégio, avistou a ruiva dançando, e instantaneamente se encantou pela beleza da mesma. Tinha apenas seus dezessete anos quando o relacionamento dos dois começou. Mary o tratava como um cachorrinho, e Will não se importava em ser tratado desse jeito, pois apenas queria ficar com a mesma. Algumas vezes o seu ser violento subia a cabeça e ele apenas batia na mesma, mas logo pedia desculpa, dizendo que nunca desejava se tornar igual ao seu pai. O relacionamento dos dois acabou com seus dezenove anos. Mary não o deu explicações, apenas o ligou e falou que estava farta do seu relacionamento com ele. William não entendeu absolutamente nada. De início, pensou que ela estivesse o traindo com seu um garoto de seu time de futebol. No dia seguinte, foi até a casa do mesmo, chamando-o para o lado de fora e batendo no mesmo até perceber que o garoto não estava mentindo. Descobriu pelo mesmo que Mary daria uma festa aberta a todos, e então ele a encontraria lá, em tentativa de conseguir Mary de volta para si.



✗ Família ✗
{Felicity Vanderbit | Mãe | 44 anos | Gwyneth Paltrow}


✗ Gosta ✗
❖Mary | Honestidade | Malhar | Futebol | Chá | Morangos | Séries/Filmes policiais | Séries/Filmes de terror | Comidas apimentadas❖

✗ Não gosta ✗
❖Ficar longe de Mary | Que falem de sua família | Mentiras | Perder em competições | Café | Ser contrariado | Ser atingido psicologicamente | Comidas salgadas demais❖

✗ Manias ✗
❖Mordiscar a ponta de seu dedão quando nervoso | Ajeitar sua franja | Tirar a pele de seu lábio | Cerrar os punhos todas as vezes que está prestes a avançar em alguém | Balançar a perna quando agitado❖

✗ Fobias ✗
Fobia de aviões e escuro

✗ Qual a sua relação com a Marilyn? ✗
Ex-Namorado

✗ O que achava da Mary? ✗
O rapaz era completamente apaixonado por Mary. Se tornou um total obcecado pela mesma. Todas as vezes que eles brigavam ou até mesmo ele sem querer avançava na mesma com sua normal violência, se arrependia no instante seguinte, rastejando de volta para a ruiva. Era como seu boneco. Fazia de tudo para realizar seus desejos. O amor pela menina não o fazia bem, além de ser algo carnal. Quando terminaram, Will lotou sua caixa de mensagens, pedindo desculpas e que o aceitasse de volta.


✗ Onde estava no momento de sua morte? ✗
William havia acabado de chegar a festa. Estava na mesma em procura de sua amada, pois sabia que ali era certeza de a achar, e teriam que conversar mesmo que ela não quisesse.


✗ O que o leva a ser suspeito? ✗
❖Sua personalidade instável | O recente término com a garota | As várias denúncias por agressão física | Seu passado violento | A obsessão por Mary❖

✗ Algo mais? ✗
Várias vezes já foi pego pela polícia por agressão. Sua infância inteira foi ver sua mãe apanhar, assim como ele mesmo apanhar, então, para ele, agressão é algo super normal. É capaz de levantar a mão até mesmo para um policial. Não exita na hora de partir para briga, e também arruma briga com qualquer pelo menor dos motivos, como uma esbarrada no meio da rua. Já foi convidado a se retirar em sua primeira escola, pois sempre arrumava encrenca com os outros por brinquedos ou brincadeiras. É um completo brigão


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...