~amorasilvestre

amorasilvestre
Apenas outra fruta
Nome: Alane Vilas
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Belem, Pará, Brasil
Aniversário: 9 de Fevereiro
Idade: 19
Cadastro:

Theo


Postado




Audrey Spellmeyer 𝔦𝔰 𝔞 𝔗𝔬𝔱𝔞𝔩 𝔅𝔦𝔱𝔠𝔥!

Nome completo e um apelido:

Theodore Romeo Bannockburn Archibald | "Theo" | "Photomen"


Idade:

18 anos | 14/02 - Aquariano


Opção sexual:

Heterossexual.


Aparência:
"Não me leve a mal, querido. Você é lindo. Eu só não quero que seja lindo ao meu lado, pra todo mundo ver."
Theo é um rapaz de boa aparência, porém muito desleixado consigo mesmo. Os cabelos, negros, brilhantes e sedosos, crescem de forma desordenada quase lhe tocando os ombros, a barba por fazer lhe dá ares de maduro, mas também de preguiçoso. Os olhos são ladeados por espessos cílios negros e sobrancelhas grossas de mesmo tom acentuando o formato amendoado redondo de seus olhos castanhos. O formato de seu queixo é quadrado dando ares mais másculos ao rosto angelical do rapaz. Os lábios são pequenos e a boca tem um contorno perfeito.
O fotógrafo tem 1.85 de altura e pesa aproximadamente 79kg. O corpo não é bombado ou extremamente definido como os dos atletas, pode se dizer que é sarado. Apesar de bonito, Theo não é o tipo de rapaz que arranca suspiros de uma garota. É o tipo que lhe arranca espirros visto que muitas delas alegam ser alérgicas ao "esquisitão" da turma.




















Personalidade:

"Eu era um solitário por natureza, que se contentava em viver com uma mulher, em comer com ela, dormir com ela e sair à rua com ela. Não queria conversas, nem passear, a não ser para ir às corridas de cavalos ou às lutas de boxe. Não gostava de TV, e achava estúpido gastar dinheiro para ir numa sala de cinema com outras pessoas e partilhar as suas emoções. As festas me deixavam doente. Detestava as falsas aparências, os jogos sujos, os namoricos, os bêbados amadores e os chatos. [...] Como solitário, eu não suportava invasões. Isto não tinha nada a ver com ciúmes, simplesmente não gostava de pessoas, multidões, onde quer que fosse, exceto nas minhas leituras. As pessoas diminuíam-me e deixavam-me sem ar. [...] Eu não gostava de Nova Iorque, não gostava de Hollywood, não gostava de Rock, não gostava de nada. Talvez tivesse medo... 'os maiores homens são os mais solitários'."[
Theo é um rapaz esquisito, por assim dizer.
Não gosta de multidões, nem de vê-las muito menos de fazer parte delas. Sempre prefere silêncio, a menos que lhe ofereçam os gemidos de uma mulher. Pode ser por vezes um tanto hostil, porém é um verdadeiro cavalheiro quando tem a chance de ser. É um homem refinado com gostos peculiares e preferências um tanto quanto inusitadas.
Observador, quase nada escapa da lente que guarda dentro de seus olhos castanhos. Muito inteligente, com certeza um de seus maiores charmes, Theodore é capaz de conversar sobre qualquer assunto por horas a fio com qualquer pessoa que tenha o que falar sobre ele. Detesta se sentir invadido. Preza por sua privacidade ao máximo.
É independente e muito claro quanto a suas intenções. Theo tem um ar fascinante de mistério e uma aura obscura, negra, que acaba sendo um tanto quanto magnética. É um verdadeiro "sad boy".
É o tipo de homem que seduz com olhares, que te arranca suspiros com toques, aquele tipo que você vê na mercearia e, quando chega em casa, continua lembrando de cada pequeno gesto gracioso. Muito calculista até mesmo no amor, Theodore traça metas e as cumpre com total dedicação. É sarcástico, não se deslumbra fácil com nada que julgue ser fútil. Isso vai de amizades, passa por garotas e entra no seio de seu lar. É bastante quieto, porém muito sincero; sua língua é uma verdadeira espada de dois gumes. No passado, o rapaz se apaixonou profundamente e teve o coração partido como todo belo homem. Tem sérios problemas para seguir regras, o rapaz é um verdadeiro (e muito charmoso) rebelde. É corajoso, ousado, enfrenta tudo de cabeça erguida e não aceita covardia, ele abomina a fraqueza e a arrogância. Tem língua afiada e um senso de humor negro. É muito raro ver o rapaz perder sua postura pacata e reservada, porém, quando isso acontece, é como um vulcão. É bem alheio a tudo, mas também é atencioso, encantador, generoso, afetuoso, basta saber explorar esse lado. Um discípulo de Chuck Bass no amor.
Você conhece aquele garoto que mora a algumas casas descendo a rua e que é simplesmente a pessoa mais esquisita do mundo? Quando você está na varanda da frente da sua casa, quase dando um beijo de boa-noite em seu namorado, você pode vê-lo do outro lado da rua, parado ali, olhando tudo. Que, de vez em quando, aparece do nada quando você está no meio da sua sessão de fofocas com suas melhores amigas — só que talvez não seja tão de vez em quando assim. Ele é o gato preto que parece conhecer seus caminhos. Se ele passa em frente à sua casa, você pensa: Vou me dar mal na prova de biologia. Se ele olha para você de um jeito engraçado, é melhor você se cuidar. Theo Archibald é o gato preto de Rosewood.



Família:


Magnus Archibald | 63 anos | Avô paterno. | Ex fotógrafo
Theo viveu a maior parte de sua vida junto do seu avô, visto que os pais são arqueólogos e vivem fora do país em expedições na maioria das vezes longas. Os dois se dão muito bem. Magnus foi quem iniciou o rapaz em seu amor pela fotografia dando ao neto sua antiga máquina fotográfica. É viúvo e não pensa em se casar novamente. Criou o neto para ser um perfeito cavalheiro sem se tornar um capacho.




Calliope Bannockburn Archibald | 40 anos | Mãe | Arqueóloga.
Calliope é uma mulher forte e bastante focada no trabalho. Não conviveu tanto com o filho tendo em vista a sua profissão, porém volta e meia cisma em tentar se aproximar de Theo mesmo que seja via Skype ou de qualquer outra forma. Não suporta ficar sem notícias.




Eddard Ryan Archibald | 42 anos | Pai | Arqueólogo
Eddard, assim como a esposa, trabalha como arqueólogo. Não é tão preocupado ou tão dedicado quanto a esposa ao filho, mas não precisa ser: sempre houve um entendimento silencioso entre o arqueólogo e o filho. Palavras demais estragariam isso. Não aprova em nada o interesse do filho por fotografia.



História:
Theo Archibald é filho único do casal de arqueólogos Calliope e Eddard, sendo assim, era esperado que o rapaz recebesse muita atenção, não é? Errado.
Os pais, donos de um grande museu, viviam para o trabalho e acabavam tendo que deixar o menino ser criado por babás. Theo passou por nove babás em menos de um ano e meio antes de ser mandado para um colégio interno voltando para casa apenas nas férias que passava com os avós. Após três anos no colégio interno e muita insistência de sua avó, Theo pôde morar com os avós e frequentar o Rosewood Day como os outros meninos. Foi lá onde ele conheceu Audrey, a garota mais linda que ele já havia visto.
Seu encanto, infelismente durou pouco: Audrey logo mostrou suas garras e Theo lhe esfregou um forte escudo contra garotas birrentas. Audrey passou a não perturbá-lo mais, ao menos não diretamente.
Aos 13 anos a avó de Theo faleceu vítima de Alzheimer e o menino passou a ficar apenas com o avô.
Tomado pelo desejo de guardar para sempre consigo as lembranças de emoções, rostos e tudo o mais, Theo começou a fotografar na máquina velha de seu avô que logo se tornou sua. Talentoso e inteligente, o menino logo se tornou um verdadeiro prodígio com uma máquina em mãos.
Atualmente a família Archibald está separada no mundo por tempo indefinido: Calliope e Eddard vivem no Egito pesquisando civilizações antigas enquanto Theodore e o avô continuam em Rosewood lidando com a crise financeira que os cerca. Os vários investimentos da família faliram. Theo trabalha como fotógrafo para um pequeno jornal da cidade para ajudar nas despesas que pagam com o dinheir enviado por seus pais e o aluguel de algumas propriedades bem localizadas.
Apesar de seu estilo diferentão, Theo já namorou várias garotas, inclusive uma das mentirosas.


Gostos:
— Fotografia. É seu maior talento e sua maior paixão;
— Ler;
— Pintar e desenhar com carvão;
— Tocar piano;
— Jogar xadrez;
— Como bom nerd, Theo adora tecnologia;
— Ciências humanas, principalmente filosofia;
— Histórias trágicas;
— Séries de terror ou de suspense policial;
— Garotas inteligente, com uma dose de selvageria;
— Cabelos cacheados;
— Cães de grande porte (seu São Bernardo se chama Ulisses);
— O clima das montanhas;
— Viagens longas;
— Sexo pela manhã;
— Doses bem medidas de perigo;
- Cigarros "naturais."


Desgostos:

— Pessoas superficiais;
— Futilidade;
— Mentiras;
— Falso moralismo;
— Escândalos;
— Multidões;
— Gente ignorante;
— Odeia o tipo de cara "perfeito";
— Odeia gente grudenta;
— Detesta quando suas fotos saem tremidas;
— Odeia insetos (é alérgico);
— Odeia café.


Medos:
Theo não teme nada em especial. Não tem nenhuma grande fobia, apenas os mesmos medos que todo ser humano tem e que poucos admitem: perder pessoas queridas, ter seus segredos expostos, escuridão total... Coisas normais.


Manias:

— Por precisar ter bons olhos, por ser um fotógrafo, tende a ser muito observador com os detalhes a sua volta;

— Quando não considera algo interessante, o rapaz simplesmente ignora;

— Ele nunca sabe o que fazer quando vê uma garota chorando. Fica desesperado. Tenta ajudar como pode, mesmo sem levar o menor jeito. Detesta as ver chorar;

— Por ter o cabelo grande, Theo tem mania de jogá-lo toda hora. Ele as vezes cobre seu rosto;


— Fala olhando diretamente nos olhos quando o assunto é interessante;

— Revirar os olhos;

— Estalar os dedos;

— Tamborilar os dedos em qualquer superfície.



Quer ter um par?
Se quiser dar um a ele eu ficaria feliz :)


*Enviar segredo(s) por MP

Sobre Rosewood.
*Responder como se fosse ela/ele falando.


Sempre morou em Rosewood? Se não, por que está aqui?

Não, vim para Rosewood os 11 anos, para morar com meus avós. Anteriormente morava em Havre de Grace.


Quão bem você conhecia Audrey Spellmeyer?
(Mentira) Quase nada. Fotografei ela algumas vezes para o álbum de fim de ano do colégio, nos esbarramos algumas vezes... Era só uma garota que eu via de longe. Nada que um inquérito possa aproveitar.



Qual foi o momento em que você mais odiou Audrey?
Eu nunca a odiaria. Porém, devo ressaltar que todas as vezes que a senhorita em questão zombou de mim não são boas lembranças. Ela e aquele ar fútil de superior. Audrey sabia magoar.


Concorda com a frase “O que Audrey diz é lei”?
Não vejo como uma garota mimada e fútil do colegial pode legislar alguma coisa. Que tipo de capacho de merda concorda com isso?


O que diria num depoimento para a polícia sobre Audrey?
Eu não sei como estou sendo chamado para depor sobre ela. Nós nem ao menos nos conhecemos direito. Deviam chamar aqueles que lhe eram chegados, não um fotógrafo que lhe dirigiu a palavra no máximo duas vezes. Meu depoimento é pura perda de tempo. Eu jamais lhe faria mal algum.


A história irá começar com o sumiço de Audrey, onde você estava na noite do sumiço dela?
Naquela noite eu estava com a cabeça cheia. Me lembro de estar em casa, trabalhando, editando umas fotos.


Sobre A.
*Responder como se fosse ela/ele falando.


Você teria o sangue frio de ser A?
Definitivamente não.


[b]Entraria para o A Team?

Talvez, depende das vantagens que me trouxer. Não sei se me arriscaria por qualquer coisa. Não faço o tipo manipulador e vingativo.


Defenderia o assassino se descobrisse que é um(a) amigo(a)?
Amigo ou não, quero o assassino apodrecendo sete palmos abaixo dos meus pés.


Como reagiria se descobrisse quem é o assassino?
Tentaria encontrar provas para vê-lo condenado. Protegeria quem me é importante a todo custo.


Mentiria para ajudar um(a) amigo(a)?
Que tipo se amigo eu seria se não mentisse?


Morreria no lugar de um(a) amigo(a)?
Faria de tudo para encontrarar outra solução, mas, se fosse o único jeito e eu o amasse mais que minha própria vida (que amo muito) sim.


Sobre as roupas e acessórios.

O que mais costuma usar?


Ele normalmente usa um jeans escuro, um sapato preto, uma camiseta, e uma jaqueta de couro, variando somente a cor da camiseta, sempre escura, ou uma camisa. Ele tem vários casacos de couro, militar e blazers. Geralmente ele está de camisa preta, xadrez ou camiseta gola V.

Cor (ou cores) que prefere?

Preto, cinza, vermelho e azul.


Tem algum acessório pessoal? Se sim, descreva.
Nada que seja especialmente amado, exceto por sua câmera, uma valiosa Canon EOS 5D Mark III





Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...