~BiiahXD

BiiahXD
D-O-L-L-H-O-U-S-E
Nome: Beatriz
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: 8 de Fevereiro
Idade: 14
Cadastro:

Call Me Your Doll, Sakamaki Reiji <3


Postado

Call Me Your Doll, Sakamaki Reiji <3

Got a secret
Can you keep it?
Swear this one you'll save
Better lock it in your pocket
Taking this one to the grave
If I show you
Then I know you won't tell what I said
'Cause two can keep a secret if one of them is dead



Ƒιcнα


❤♡ Nome completo♡ ❤


Annie Elisabeth DarkRose.

Annie é um nome inglês que tem origem no nome Ana, o qual, por sua vez, vem do original em hebraico Hannah, mais tarde do latim Anna, que quer dizer "cheia de graça", "graciosa". Trata-se, sem dúvida, de um bonito nome predominantemente feminino, cuja variante mais popular é Anny. Annie carrega consigo o dom da graça, ou da bênção divina, de acordo com o significado cristão. Ana é um dos nomes femininos mais populares e difundidos em todo o Ocidente. Surgiu na Inglaterra pela primeira vez no início do século XIII, mas só se tornou um nome popular no início do século XVII, quando os ingleses o confundiram por engano como uma variante do nome Agnes. Annie, que era conhecido como um apelido carinhoso para Anne ou Ana nos países de língua inglesa, passou a ser usado como um nome próprio mais intensivamente nos Estados Unidos.

Elizabeth é um nome que se originou a partir do hebraico Elishebba, que significa "Deus é juramento". O nome em português chegou através da versão em latim Elisabeth, que também é utilizado pelos falantes da língua inglesa. cuja versão mais comum em português é Elisabete. Alguns estudiosos também dizem que este nome é possível que signifique "Deus é abundância". Chegou ao português por empréstimo do inglês, onde o nome já tem essa forma desde o século XIII. Em inglês é o nome da mãe de João Batista (Isabel em português), no Novo Testamento da Bíblia Sagrada. Uma das personalidades mais populares com este nome é a atriz inglesa Elizabeth Taylor, que iniciou sua carreira nos Estados Unidos, 1940. Ganhou diversos prêmios, entre eles Óscares, Globos de Ouro, BAFT e Urso de Prata.
DarkRose é uma palavra derivada do Inglês, e significa, literalmente, rosa negra. Herdado de sua mãe, Lindy Jones DarkRose.






❤♡Apelidos♡❤


Anny/ Anna/ An/ Aninha –Apelidos comuns, todos usam, todos podem chamá-la assim. É aquele tipo de apelido que todos podem usar pelo simples fato deles encurtarem (Ou alongarem, pois o ser humano é meio burro) seu nome e deixarem o clima mais amigável, vamos dizer assim. Ela gosta deles, e não liga nem um pouco de ser chamada assim.

Eli/ Elisa/ Lizzie/Els –Apelidos formais, na maioria das vezes acompanhados do “san” na frente. Usados por pessoas que não a conhecem muito, e que não tem intimidade com ela.

Rose –Odeia esse apelido. De coração. Dado por seus familiares quando menor, reflete muito sobre seu passado. Chame-a assim, e verá como ela pode ficar furiosa.

Cry Baby -Jamais use esse apelido com ela. Jamais. Apenas isso. Motivo? História

-A – Ela assina bilhetes com sua inicial, de modo que se torna um “Apelido”.





❤♡Idade♡❤

Annie nasceu dia 19/06/1999 (Dia dezenove de junho de mil novecentos e noventa e nove), tendo assim, dezessete anos. Seu signo é Câncer, e Annie se identifica com o que a astrologia manda, sendo totalmente apaixonada por signos e ascendentes. Seus ascendente Solar é Gêmeos, enquanto o Lunar é Aquário.





❤♡Nacionalidade♡❤

Annie Elisabeth DarkRose é Russa, nascida em Moscou.





❤♡Aparência♡❤


Annie tem uma beleza infantil, digna de uma boneca. Possui longos e ondulados cabelos que chegam até sua cintura, em uma tonalidade loira, quase branca de tão clara que é. Com algumas mechas espalhadas em tons mais escuros ou mais claros, seu penteado mais comum é o cabelo solto, com duas mechas mais curtas na frente, em seus ombros e algum enfeite no cabelo. Arquinhos, presilhas, flores, laços de todos os tamanhos e cores não faltam no seu guarda roupa, pois Annie é totalmente apaixonada por enfeites de cabelo. Raramente o prende, e se for obrigada a prender, prenderá apenas a metade de cima, formando um pequeno rabo de cavalo, coberto por algum laço ou qualquer coisa do tipo. Sua franja é do estilo “Franjinha”, cobrindo sua testa e algumas pequenas mechas caindo sobre seus olhos, adornando seu rosto. Macios e sedosos, se tem algo que Annie faz, e com prazer, é cuidar de suas longas madeixas. Sempre gastando tudo o que podia desde que dominou a família (História), investe milhares de reais em produtos para seu cabelo, o que resulta em um adorável cheiro de cereja. Com um natural brilho, odeia penteá-los, e se ela deixá-lo mexer em seu cabelo, sinta-se honrado, pois ela odeia que mexam...

Seus olhos são dourados/ amarelados, como os de um gato. Sempre com o mesmo olhar misterioso e sem expressão, é a coisa que mais se ressalta em sua aparência, o que mais aparece em seu rosto. Chamados por ela mesmo de “A Janela da Alma”, pois mesmo que ela esconda, seu sadismo ou raiva sempre aparece com um brilho diabólico. Seus cílios são longos e negros, tendo a famosa curvinha, que lhe da um olhar atraente. Mesmo com enormes cílios, Annie nunca está satisfeita com o tamanho deles, e na sua bolsa a primeira coisa que achará com certeza é um rímel e cílios postiços. Sua pele é alva e macia, praticamente livre de imperfeições, graças aos cuidados de Annie, senão, sua pele estaria ressecada e totalmente cheia de espinhas, cravos, etc. Basta ela descuidar um minuto de si e pronto! Todo seu esforço vai por lixo. Com pele sensível, mesmo sabendo que não pode continua jogando quilos e quilos de maquiagens em ocasiões especiais, afinal, o que é uma pele necrosada perto de beleza por seis horas do dia? Porém, no dia a dia, o máximo que passa é um batom claro, delineador e um pouco de pó. Com unhas longas, Lizzie é totalmente apaixonada por elas, e muito bem cuidadas, estão sempre pintadas com um esmalte preto ou branco.
Seu rosto oval tem traços delicados e finos, como os de uma boneca. Nariz arrebitado e empinado, levemente arredondado, sendo pequeno e proporcional a seu rosto. Quando com frio, é facilmente chamada de “rena do Papai Noel”, já que ele fica vermelhinho graças ao frio. Seu queixo é levemente pontudo, assim como é levemente arredondado, ou seja, no meio termo, dando a impressão de que foi esculpido. Bochechas macias e pouco visíveis, mas que dão um volume muito bonito a seu rosto. Não costumam ser rosadas, mas de verdade? Ela cora facilmente, apenas a abrace ou diga algo bonitinho que verá o quão vermelha ela pode ficar. Seus lábios macios são avermelhados naturalmente, tanto pela mania de Annie em morder seus lábios quanto pela genética mesmo. Sobrancelhas arqueadas e bem feitas, sempre simétricas, loiras; orelhas pequenas e delicadas ao ponto de não poder usar brincos grandes (Mas ela usa mesmo assim). Maquiada, chega a esconder até mesmo sua pequena marca de nascença abaixo do olhos, que tem formato de flor.

Seu corpo é magro e aparenta ser de uma menina normal de dezesseis anos: Desenvolvido, mas ainda não completo. Seios medianos, durinhos e redondos, normalmente escondidos pelos largos vestidos e camisetas que usa, afinal, odeia chamar atenção. Cintura relativamente fina para seu corpo, quadris finos, barriga lisa, não sarada, mas sem qualquer sinal de gordura. Suas coxas são medianas, porém bem torneadas e lisinhas. São proporcionais a seu corpo e são realmente muito bonitas, graças aos esportes que praticou quando era mais jovem. Bumbum mediano, levemente duro e redondinho, é empinado e sem nenhuma estria ou celulite, sua alimentação, controlada pela mão de ferro de sua própria mente, é muito rigorosa para evitar que alguma coisa surja ali. Sem sinal de pelos em seu corpo, Annie mede 1,62 e pesa cinquenta e quatro quilos, algo normal e saudável para sua idade e altura. Annie agora começou a se gostar e a se ver no espelho como uma mulher bonita, mas é muito insegura em relação a isso e vive procurando defeito em si mesma, tendo uma alto estima meio baixa.
















❤♡Nome do personagem de quem tirou aparência♡❤

Tirei a aparência da Mayu, Vocaloid.





❤♡Personalidade♡❤


“-Você sempre vai se dar melhor com uma doce mentira do que com uma amarga verdade”

Annie é uma das mais belas e boas mentirosas que você pode conhecer na sua vida. Estará todo dia com o mesmo sorriso, a mesma máscara de felicidade. Sempre consegue escapar de situações difíceis com um belo sorriso e uma boa história. Criativa e rápida, sempre arranja uma explicação “lógica” para seu problema, mesmo que nessa história ela tenha que machucar pessoas para seu benefício. É incrivelmente persuasiva, tem um grande poder com as palavras, e sabe usá-las muito bem para conseguir o que quer. Uma ótima atriz, não tem medo de se jogar de cabeça numa história, chegando a chorar, gargalhar, a fazer um verdadeiro teatro na frente de alguém apenas por um mero capricho. Um de seus vícios, não consegue simplesmente parar de mentir, de brincar com os sentimentos das pessoas, e de verdade? Ela não quer parar. Sempre aprendeu, desde pequena, que a mentira é um dos melhores caminhos para se dar bem na vida, e segue esse conselho à risca. Postura reta, sorriso persuasivo, olhar misterioso, fala mansa, é assim como Annie se refere às pessoas, como se soubesse de todos os segredos mais íntimos do ser em questão.


“-Posso te ajudar, mas terá que retribuir mais tarde. Nada é de graça, sabia?”

Lizzie é chantagista e manipuladora. Sempre quer algo em troca do que faz, na maioria das vezes, se não pagar, não há ajuda. Sabe quando alguém descobre algo de ruim sobre você e te chantageia porque sabe que não pode ser revelado? Annie é expert nisso. Ela descobre tudo o que quer sem esforços ou problemas... Quando precisa de algo de alguém em específico, com suas palavras e sorrisos consegue fazer com que a pessoa se sinta especial, querido por ela, Annie consegue ganhar cada ser humano, e os ter na palma de sua mão. Trata as pessoas como fantoches, e assim que não precisa mais delas, apenas as joga fora de seu círculo de amizades, sem nenhum remorso ou tristeza. Trapaceira, não mede esforços para vencer, mesmo tendo que jogar sujo para isso. Duas caras, é falsa, e cuidado ao acreditar em algo que ela diz.


“-Quer mesmo ficar contra mim? Sabe, posso ser uma inimiga que ninguém gostaria de ter.
Ninguém.”


Ela é cruel. Muito. Misericórdia? É uma nova marca de roupas ou o quê? Essa palavra não existe em seu dicionário. Sádica, ela é o tipo de pessoa que fala ou faz algo apenas para obter uma reação que a divirta. Gosta de ver o sofrimento das pessoas, e humilhá-las a cada momento que passar. Vingativa, não queria bater de frente com seu ego ou quem sabe brincar com seus sentimentos ou com os sentimentos das raras pessoas que ela gosta que a vingança vai vir em dobro. Faça algo que a desagrade e pronto! Estará em sua “pequena” lista negra. Sabe que palavras agridem muito mais que tapas, e segredos intimidam mais que ameaças. Caso estiver em sua lista negra, sugiro que não dê motivos para ela te incriminar, apenas corra e tenha sorte, pois vai precisar. Toda a maldade que ela tem acumulada é jogada contra você, e Annie não vai parar de te destroçar por dentro até que fique de joelho perante ela, pedindo seu perdão.


“-Como ousa dirigir-se a mim nesse tom?”

Orgulhosa e auto confiante, esse é seu sobrenome do meio. Tem orgulho de quem ela é, e se alguém ousar encurralá-la ou bater de frente com alguma decisão sua, certamente vai ser alvo de suas piadinhas e “brincadeiras”. Ela é o tipo de pessoa que jamais pensa que algo vai dar errado nas mãos dela, e pensa sempre o melhor da situação. Com um espírito de liderança fortíssimo, é uma chefe/líder nata, sabe lidar muito bem com pessoas seguindo suas ordens e com a pressão de estar liderando algo. (É o que ela mais gosta mesmo...) Quando briga com alguém que gosta, jamais vai conseguir pedir perdão, seu ego e orgulho não vão deixar, ela se mata, mas não pede desculpas de jeito nenhum. Se acha bonita, se achar inteligente, se acha... Já viu como ela se acha? É mega narcisista, e se gosta até demais. Exibida, faz questão de ser o centro das atenções, e adora todos os olhares focados nela.


“-Credo Annie, acordou de mau humor?”
“-TEM ALGUÉM AQUI DE MAU HUMOR?!”


Temperamento forte, Annie briga por qualquer coisa quando está de mau humor. Se ela acordou com o pé esquerdo não fale, coma, pergunte ou exista perto dela, que com certeza vai ser alvo de sua aura mal humorada. Capaz de fazer até o mais tranqüilo querer puxar seus cabelos de nervoso, Lizzie adora uma boa briga e sempre quer começar uma por uma por algum motivo estúpido. Língua afiada, não hesita em xingar ou achar defeito em alguém. Com ofensas que nem ela sabe onde aprendeu, ela esquece que está em um lugar público e com quem ela está e passa e enxergar apenas a pessoa que está a provocando. Se algum dia ver Annie Elisabeth de mau humor, passe bem longe dela.


“-Pode me chamar de infantil, mas odeio perder”

Competitiva e infantil, outro sobrenome dela. Odeia perder, em se for por alguma aposta boba, como quem vai ganhar o jogo de dardos, por exemplo. Basta alguém desafiá-la para qualquer coisa que simplesmente esqueça, não vai conseguir pará-la até que Annie ganhe o jogo. Sim, ela não sabe perder de nenhum jeito, sua infantilidade ataca e ela começa a gritar, espernear, chorar, tudo para não aceitar que não ganhou. Quando ganha, também, não hesita a esfregar na cara da pessoa e sair pulando por aí avisando pro mundo. Como já dito, ela é trapaceira, e faz de tudo para vencer.


“-Tudo bem, eu farei”

Por incrível que pareça, Annie é uma menina submissa a todos e a tudo, seja qual for a situação. Não é uma menina de opinião própria, já que desde menor nunca conheceu o mundo ou soube da bondade do mundo. Por mais que aparente ser forte, quando mandada apenas baixa a cabeça e faz o que lhe ordenaram, sendo a perfeita boneca e seguindo quase todas as regras da DollHouse. Annie “se põe em seu lugar” quando vê que está “atrapalhando” alguém que ama,graças ao seu passado, onde era apenas uma boneca.


“-E agora? O que vai fazer Annie?”
-Não sei. Posso simplesmente ir embora, assim como posso ficar. Qual das duas opções é a melhor?”


Annie é imprevisível como uma tempestade: Jamais se sabe quando ela pode virar apontando uma arma em sua direção e o matar sem dó nem piedade ou sorrir debochadamente pra você e ir embora, deixando-o sem resposta. Tudo depende de seu humor e de sua vontade/ amizade com a pessoa em específico.


“-Me achou maluca? Não viu nem metade...”

Insana. É umas das palavras que mais se encaixam em sua definição. É completamente maluca, rindo quando a maioria chora, chorando quando a maioria está rindo. Conversava quando menor com absolutamente tudo, e até hoje não perdeu esse costume, conversando com objetos que não querem funcionar para ela. Adora fazer coisas que costumam NÃO dar certo, e se falha, Annie apenas ri e tenta de novo, para ficar “fracassando”. Também é atrevidíssima, normalmente, em seus dias bons, costuma pegar uma das xícaras de Reiji e girá-las pela alça, quase deixando cair, ou quem sabe brincar de malabarismo com elas, apenas para vê-lo irritado.


“-Consigo perceber o que a maioria das pessoas não percebe: É preciso ser inteligente se quiser sobreviver”

Annie Elisabeth é incrivelmente inteligente e observadora, apesar de parecer ingênua por ser muito fútil. Adora montar estratégias e jogar jogos que exijam essa habilidade, como por exemplo o xadrez. Adora estudar e saber mais em qualquer momento e em qualquer lugar, de modo que sempre está com um livro e com um fone de ouvido, que a ajuda a se concentrar melhor. Com um alto QI, sabe muito sobre História, Línguas Estrangeiras (Espanhol, Inglês, Alemão e Japonês) e não tem dificuldades em decorar fórmulas e informações complexas, sendo muito boa em Física e Química. Esperta, capta pequenos detalhes em todas as situações, o que é muito importante caso quiser juntar as peças de um quebra cabeça. Problemas de lógica? É fácil como tirar doce de criança! É como uma conta simples de 2+2 para ela...

Qualquer detalhe não passa despercebido por Anny, mordeu o lábio de forma discreta, olhou para baixo, um sorrisinho minúsculo, qualquer coisinha ela já desconfia. Como mente muito, sabe identificar uma mentira à distância sem esforço algum, ou seja: Nunca minta para ela, ela vai descobrir. Como já dito, é alguém que ninguém gostaria de ter como inimiga, mas sim como aliada.



“-Sim, eu entendo claramente. Por favor, poderia nos deixar a sós um minuto? Agradecida”

Annie é educada. Muito. Especialmente na frente de Reiji, seus modos são os melhores, afinal, era isso que fazia o tempo todo em casa, estudava sobre etiqueta. Jamais a verá com postura desleixada ou falando gírias em situações “formais”, pois até mesmo ela morre de medo de Reiji.


“-E daí? Eu estou bem com a situação, é o que importa!”

Ela é egoísta. Isso é fato comprovado. Por ela, os outros podem queimar por um lança-chamas, serem esquartejados e suas cinzas jogadas em um vulcão, se ela estiver ganhando algo com isso, Annie não se importa. Pensando apenas nela mesma, tente explicá-la o significado de humildade, e verá que essa palavra não existe em seu dicionário. Isso pode mudar de pessoa em pessoa.


“-Ah, então você é um vampiro? Legal, sou a Pocahontas!”

Annie é sarcástica, e muito. Não perde uma oportunidade de ironizar alguém ou alguma situação. Quando a pessoa é meio “lerda”, vamos dizer assim, aí que essa pessoa deveria manter distância, pois paciência é o que Lizzie menos tem para esse tipo de conversa. Ela odeia ter que explicar duas vezes algo, e quando precisa, sempre vem acompanhado de “Vou ter que desenhar?!” ou “Se não entendeu, lê de novo até entender, ok?”


“-Apenas mais uma menina chorona por dentro, é o que sou...”

Annie, mesmo depois de tudo o que viu, ainda é uma garota sensível e sentimental por dentro, apesar de esconder com força esse seu lado. Chorona, literalmente chora por qualquer coisa quando está sozinha, sente um pouco a falta da garota que era. Não consegue conter suas lágrimas por muito tempo, e como ela diz, se a chamam de bebê chorona, Lizzie apenas deixa as pessoas se afogarem. Ela possuía um coração maior que ela mesma, mas graças ao seu passado ele virou pedra...

Carente, necessita de atenção, por isso que tem toda essa personalidade ruim: É o único jeito que ela encontrou de se expressar para o mundo essa vontade de ser reconhecida, se não foi pelas coisas boas que ela era, foi pelas más. Gosta de um carinho, de um presente inesperado, surpresas boas. Se ela te ama, o que é bem raro, já que sua visão do amor é meio distorcida por causa de sua família, não a abandone ou a decepcione, ela se vira contra você e aí ferrou a sua vida, acredite, ela sabe guardar mágoas e nunca subestime a capacidade dela fingir que não te conhece e te tratar com toda a frieza existente nela. Nunca confia nas pessoas por medo de ser abandonada novamente, por medo de ser trocada por outra coisa. É delicada por dentro, quando ela se apega por você é como uma ostra: Por dentro de toda aquela maldade, aquelas mentiras feias que conta, aquela menina maldosa, odiosa e manipuladora existe uma boa e bondosa menina que um dia foi a forma dominante de Annie Elisabeth DarkRose.



“-Encoste neles, seu desgraçado, e vai ver do que sou capaz!”

É protetora com as raras pessoas que não se “cansa de usar”, mais conhecido como “quem ela gosta”, já que tem uma visão distorcida do amor é isso que ela pensa quando gosta de alguém. Mesmo não demonstrando na maioria das vezes, é possessiva e odeia que mexam em suas bonecas favoritas. Caso encostar um dedo neles com segundas intenções ou com o objetivo de machucá-las... Saia da frente, corra! Ela vira um demônio, literalmente, e parte para cima de você com o objetivo de quebrar todos os seus ossos. Também é uma menina que gosta de estar com quem ela ama, apesar de não demonstrar com facilidade.






❤♡História♡❤


Sangue ainda mancha mesmo se os lençóis forem lavados
Sexo não acaba se as luzes forem apagadas
Crianças continuam deprimidas mesmo que bem vestidas
E xarope continua sendo xarope dentro de uma mamadeira
Ele continua morto quando você termina de tomar a garrafa
Claro que é um cadáver que você mantém no berço
Crianças continuam deprimidas mesmo que bem vestidas
E xarope continua sendo xarope dentro de uma mamadeira



Os DarkRose eram uma rica, famosa e imunda família da Rússia, mais precisamente em Moscou. Seu pai, Igor Alexkandrovithz II, era um belo homem de vinte e quatro anos que era o mais importante comerciante/político de Moscou, e também o mais sujo de todos. Corrupto, maldoso e falso, jamais perdia a chance roubar o povo e assim desviar toda a verba que iria para hospitais, escolas e outras funções públicas que são direito do seu próprio povo para seu bolso, além de gastar todo esse dinheiro em sua maior especialidade: tráfico de drogas. Rei nessa área, era conhecido e respeitado por todos os outros traficantes, e vendia de absolutamente tudo o que se possa imaginar, desde pagassem o devido preço. Cocaína, maconha e heroína eram sua maior especialidade, sendo o fornecedor de 80% dessas drogas no país inteiro. Mesmo com tudo isso por trás de sua pose de político, quase ninguém desconfiava ou sabia dessa sua vida dupla, e se soubesse, literalmente tomava chá de sumiço. Um bom mentiroso, ele enganava a todos com seus sorrisos e suas poses de bom homem, o que teve uma boa influência em suas eleições, já que o povo, por mais que não gostasse dele e de sue governo, sempre acreditou que iria mudar. Jamais foi fiel, e nem pretende ser, mulherengo e galinha, não desperdiçava uma chance de trair sua esposa com qualquer garota (Ou prostituta) que o interessasse, levando-as, muitas vezes, para casa, na frente da esposa e de sua filha, sem ao menos ligar. Interesseiro e ganancioso, Igor não pensaria duas vezes em entregar a filha ou a mulher para ganhar rios em dinheiro, pra ele, um legítimo pão duro, nada era mais importante que o dinheiro.


Dinheiro sujo, dinheiro sujo
Como você pagou esse anel que eu amo, querido?
Apenas mais um turno na drogaria
Ele não acha que eu sou aquela burra do caralho, acha?



Sua mãe, Lindy Jones DarkRose, uma mulher americana que havia se mudado com os pais há pouco tempo, era uma das mais fúteis e vaidosas pessoas que você poderia conhecer em sua vida. Casada aos vinte dois anos, pressionada pelos pais, que eram ricos políticos da mesma região, era mimada, maldosa e cruel, talvez até mais que o próprio marido. Sempre com as mais caras maquiagens mesmo em situações comuns como ir ao mercado, parecia dormir de cílios postiços e base, pois jamais a veria sem nada no rosto, de modo que Annie não tem lembrança nenhuma do rosto da mãe sem ao menos uma sombra, sempre preenchido com alguma coisa. Seu passatempo era comprar roupas de marca como Channel, Gucci, Louis Vuitton, Prada. Com horror a roupas e acessórios baratos, seu guarda roupa era cheio de coisas que jamais iria usar, mas comprava apenas para exibir aos outros. Investia milhões em cirurgias plásticas para aumentar os seios, diminuir a barriga, preencher os lábios, modelar a cintura... Nunca satisfeita com seu corpo, sempre queria mais e mais: Ficar mais magra, parecer mais jovem, ser mais bonita. A única coisa que importava era cuidar de si, e apenas de si. Amava profundamente seu marido e, totalmente submissa, não hesitaria em morrer ou matar por ele, afinal, seu sonho era ter um relacionamento perfeito, e se fosse preciso segurar o marido desse jeito ela o faria. Sabia sim do tráfico e de todas as maldades de Igor, mas fingia ser a mesma mulher, sempre com um sorriso no rosto... Como uma boneca.

Não importa o que você traga para sua casa
Nós sabemos o que se passa dentro dela
Você chama essa bunda de sua
Nós chamamos de silicone
Garota tola
Com garotos tolos



Ambos não queriam nenhum herdeiro, afinal, conviviam pelo casamento arranjado, se não se amavam, pra que uma criança irritante para criar? Assim foi feito o acordo: Diriam que Lindy era estéril e que, infelizmente, não haveriam herdeiros na família DarkRose, apesar de ser seu “Maior sonho”. Tudo corria bem entre eles e esse “problema”, continuaram a vida corrupta que levavam, e tudo estava vantajoso para eles. Até que Annie Elisabeth DarkRose nasceu.

Annie nunca teve o amor deles, e nem a atenção. Sempre deixada de lado, sempre em segundo plano, sempre esquecida. Nunca era escutada pelos pais, que depois do nascimento dela vivam brigando e discutindo, se a relação dos dois não era boa nem quando se casaram imagine com mais uma filha para cuidar... Um culpava o outro, um jogava a responsabilidade para o outro, como se a existência de Annie fosse totalmente errada, o que não deixava de ser verdade para ambos. Para Lindy, a menina fora algo que arruinara sua beleza, algo que arruinara toda a sua chance de se dar bem. Obrigada na sua cabeça em fazer mais e mais cirurgias para voltar a sua forma original, pegara ódio instantâneo da menina. Para Igor, um legítimo pão duro, era mais uma boca para alimentar, mais dinheiro para gastar “desnecessariamente”. Os dois, pelo menos, concordavam em uma coisa, Annie Elisabeth nunca deveria ter nascido, e se ficasse esquecida, seria bem melhor para todos, e assim foi feito: Annie ficava em seu quarto e não saía de lá por nada. A única coisa que ela via eram seus brinquedos, suas bonecas, seu pequeno mundo, tudo o que ela conhecia não passava da grande porta branca que a trancava do lado de dentro, além de um enorme espaço cor-de-rosa que era seu quarto. Isso fez com que ela ficasse depressiva, fez com que ela se tornasse uma criança que raramente falava, que raramente socializava com outras pessoas. Doce e gentil, guiada pelo lado emocional do cérebro, nunca entendia o motivo do ódio de seus pais por ela, o que havia feito para eles? Eles nunca a deixavam chamá-los de “Papai” ou de “Mamãe”, sempre pelo nome, e acompanhado pelo “Sama” na frente.



Pílula de dieta, pílula de dieta
Se eles lhe oferecerem uma nova pílula, então você vai comprar
Se eles disserem para você se matar, então você vai tentar
Toda a maquiagem do mundo, não vão te deixar menos insegura



Vivia em péssimas condições: Trancada em um quarto, com roupas velhas e surradas que quase não lhe serviam mais, sem luz do sol, sem amor, sem carinho, sem absolutamente tudo que uma criança precisa. Nem mesmo pra comer saía, recebia as refeições no quarto, e se quisesse, caso contrário, ficaria sem comer. Na maior parte do tempo Igor e Lindy esqueciam da existência da menina, que não tinha nem sete anos, e a ignoravam completamente. Annie só saía quando havia festas e eventos sociais importantes, onde os casal queria mostrar que eram uma família feliz: Levavam Annie junto, a vestiam com as melhores roupas e a ensinavam a andar sempre com um sorriso no rosto, e assim era feito, quem olhava jamais saberia o que se passava dentro daquela casa, um verdadeiro teatro acontecia ali. Quando mais velha, com treze anos, começou a sair de seu quarto, e seu mundo aumentou de dimensão: Agora ele não passava de uma casa inteira. Com uma inteligência inexplorada, a única coisa que ensinavam a ela eram boas maneiras: Como se sentar, como agir, como comer, como andar, como dançar... Tudo para não decepcionar seus pais, que, por mais que a ignorassem, quando precisavam dela apenas sorriam e diziam que a amavam, e a inocente menina acreditava. Mas o que ocorria era que a menina não parava: Queria brincar, correr, conhecer o mundo. E o que seus pais faziam quando ela ao menos tentava sair de casa? A puniam deixando Annie sem comida ou a prendiam em algum lugar pequeno, libertando a pobre menina apenas quando ela já estava implorando pra sair. Era chamada pelos dois de Cry Baby, pois... Era uma pequena bebê chorona.

A pequena menina desde cedo foi humilhada pelos pais: Tanto por sua personalidade gentil, doce e emocional quanto pela “beleza”, sua mãe odiava a menina pelos traços delicados, pela beleza pura e natural... Como ela, uma menina que nunca usava maquiagem ou fizera cirurgias plásticas era muito mais bonita do que ela? Lindy simplesmente surtava quando alguém falava “-Você é linda, mas sua filha... Aquela sim é maravilhosa”. Sempre deixava a menina com as piores roupas, com os piores produtos de cabelo... Humilhava a menina dizendo “Meu Deus, como isso saiu de mim? Você é horrível menina!” “Que cabelo ressecado, não tem vergonha não?”. Isso acabava com sua auto-estima e com a capacidade de se gostar naturalmente, todos os dias, até mesmo nos dias atuais, ela se olha no espelho e procura defeitos em si mesma, chorando, afinal, ninguém vai gostar de você se não for bonita, não é mesmo? E pelo seu pai, era instruída dia e noite a mentir e ser uma pessoa de “sucesso”, já que Igor desprezava totalmente a honestidade e humildade da menina.



Você coloca pesos nos bolsos
Quando você visita os médicos
Algodão é seu doce favorito
Por isso que todos os seus dentes estão podres
Garota tola
Com garotos tolos



Enquanto Annie levava essa vida dos infernos, a vida de sua mãe não estava nada fácil: Por mais que tivesse agüentado todo esse tempo as traições e o amor não correspondido de Igor, acabou tendo seu psicológico destruído. Porque ele nunca entendeu o amor que ela sentia e sua necessidade de ter um relacionamento perfeito? Ela não era boa o suficiente? Mais e mais cirurgias plásticas eram feitas em Lindy, cada vez mais querendo ser a mulher perfeita para agradar seu marido. Com 38 anos, idade em que a maioria das mulheres está em perfeito estado, Lindy parecia uma boneca de tão artificial, mas Igor? Ele não se importava. Continuava saindo com todas, e continuava não ligando para a esposa, que estava cada vez mais abalada. A única coisa que a tirou daquele sufoco de emoções foi o álcool: Todos os dias ela se embebedava e enchia a cara até cair desmaiada no sofá, esquecendo de tudo o que passou. Mas, enquanto não dormia, Lindy ficava... Agressiva. Batia na filha sem motivo algum. Gritava com todos os empregados por causa de um grão de poeira. Xingava todos publicamente, envolvendo-se em várias polêmicas. Annie era o principal alvo de sua raiva: Xingava a menina, obrigava a loira a beber coisas do tipo veneno de rato, batia nela com tudo que via... Sua vida era um inferno. Isso fez com que Annie mudasse totalmente. De menina chorona e gentil, ela passou a ser cruel e manipuladora, assim como sua família, se tornando uma verdadeira DarkRose. Se queriam que ela fosse assim, então Annie seria assim. Ninguém da sua família a chamaria de Cry Baby.

Nunca mais.



Sangue ainda mancha mesmo se os lençóis forem lavados
Sexo não acaba se as luzes forem apagadas
Crianças continuam deprimidas mesmo que bem vestidas
E xarope continua sendo xarope dentro de uma mamadeira
Ele continua morto quando você termina de tomar a garrafa
Claro que é um cadáver que você mantém no berço
Crianças continuam deprimidas mesmo que bem vestidas
Xarope continua sendo xarope dentro de uma mamadeira



“Meia noite do dia trinta e um de dezembro, na virada do ano. Igor e uma mulher bonita, com longos cabelos verdes, olhos azuis e um belo corpo digno de dar inveja entraram fazendo barulho, esbarrando em tudo e falando alto, provavelmente por causa da bebida. Ambos sorriam, e a mulher estava quase seminua.

-AH MARI, OBRIGADA POR VIR!- Um alterado Igor ria, segurando com força em sua cintura –MINHA MULHER JAMAIS SE DÁ CONTA DE ME AGRADAR, SABIA?

-Ah meu querido Igor –Mari também ria, quebrando um dos vasos de cima da mesa com um soco –Porque não acabamos essa conversa no quarto, huh?

Ambos se viraram para subir as escadas, cambaleando. Foi quando, em um baque surdo, os dois caíram no chão desmaiados. Annie estava parada, na frente dos dois, com um sorriso maníaco no rosto. Segurava uma das garrafas vazias de vodca de sua mãe, que agora estava quebrada pela pancada na cabeça dos dois.

-Acho que não... Agora é minha vez de brincar com vocês.

------------------------ / /------------------------------

-O que isso significa Annie Elisabeth? Acha que pode prender sua mãe assim? Está querendo morrer ou o quê?- Lindy deu um sorriso sarcástico, tentando mais uma vez sair das amarras que Annie fizera. A bela loira estava no quarto onde Cry Baby vivera a vida toda, presa em uma cadeira de madeira, envolta por uma grossa corda. A loira, então com seus dezesseis anos, estava parada na frente da mãe, a olhando com... Curiosidade?

-Engraçado como diz que sou sua filha, se nunca me considerou uma. O que está te levando a falar isso?- Annie sorriu maldosamente, chegando mais perto de Lindy –Será que está com medo? Ou seria receio?

-Annie querida, sabemos que você nunca machuca nada, é apenas uma bebê chorona, Cry Baby, era assim que Igor te chamava?- A face da loirinha endureceu, tirando o sorriso dela do rosto, dando lugar a uma expressão séria. Como ela odiava aquele apelido... –Continua sendo essa menina fraca e inútil que foi, ainda acha que vai ter coragem de fazer algo contra mim? Agora solte imediatamente sua mãe!

A adolescente não se mexeu, apenas ficou ali, encarando a mulher desprezível que um dia chamou de mãe.

-Não me escutou, inútil? Quer que eu chame seu pai para te dar um bom castigo? Acha que ontem quando ele te bateu com o cinto não foi o suficiente? Ou melhor, quer seu irmão te humilhando para o povo? Me solte, AGORA!

-Ainda não entendeu? Hahahah, mãe, você é fútil, isso eu já sabia, mas a ponto de achar que manda em mim? –DarkRose gargalhava, se segurando para não cair no chão. Um sorriso sapeca se formou em seu rosto, demonstrando o quanto estava louca –Você sempre me disse: Não deixe que olhem através das cortinas... Quer que eu te mostre o que é aquilo? –Ela andou até um pequeno berço de bonecas, onde dormiu quando menor e só saiu de lá quando tinha seus oito anos, quando seu pai finalmente comprou-lhe uma cama. Annie ainda se lembrava da sensação de ser um bebê preso no corpo de uma criança. Tirou o véu que envolvia as grades da pequena cama, revelando...

Os corpos de seu pai e sua amante. Mortos.

-Não... Não, não, NÃO! O QUE VOCÊ FEZ COM ELE?! – A mulher começou a chorar, tentando desesperadamente sair das amarras para ir de encontro com o marido mas não conseguia. Chorava muito, a ponto das lágrimas pingarem no caro vestido de seda. Annie ria, e muito da reação da mãe, já que era uma espécie de “troco” por tudo que passara.

-Quem é Cry Baby mesmo? Coitadinha, está chorando? Tudo bem, eu lhe dou essa faca para se soltar, o que acha?- Lizzie saiu de sua antiga cama, onde ela estava e andou até a mãe, oferecendo uma faca a ela, mas afastando o objeto assim que a mais velha conseguiria pegar –O que acha da sensação de sempre estar a um centímetro de seus objetivos? O que achou de ter tudo que você ama longe de você? Tudo que vai volta, mãezinha, com você não foi diferente!- A loira passou lentamente a faca no rosto de Lindy, causando um pequeno corte na bochecha esquerda da loira –Isso é por tudo que me fez.

-Pare... Por favor, pare! Eu imploro, PARE! FAÇO O QUE QUISER!

-É mesmo? Interessante... O que eu iria querer de alguém que me odeia?- O rosto da menina ficou em uma expressão confusa, para logo voltar o sorriso sarcástico –Já sei! Quero tudo que eu tenho direito... Quero tudo o que eu não tive quando criança. Vai me assumir como herdeira da família, e dizer que meu pai e sua amada amante morreram em um acidente aqui em casa. Vamos fazer um enterro discreto, e ninguém jamais vai saber a verdade... Entendeu?

-Você é um monstro...

-O monstro que você criou, não se esqueça disso –Annie sussurrou em seu ouvido –D-O-L-L-H-O-U-S-E, vejo coisas que ninguém mais vê. Lembra-se disso? Agora sua vez de seguir seu próprio conselho. Não deixe que vejam atrás das cortinas”

-------------------- / / --------------------------------------



Mamadeira, m-m-mamadeira
Em uma mamadeira (ah), mamadeira
Em uma mamadeira, em uma mamadeira, em uma
Mamadeira, em uma mamadeira



Assim foi feito: Annie, de vítima, passou para agressora. Sádica, ria do sofrimento da mãe ao lhe dar tudo que faltara em sua infância. Passou a ser a princesa da família DarkRose, e governava Moscou como vice, já que seu pai “morrera em um trágico acidente de carro”. De Cry Baby, seu apelido virou “trafficking Princess”, pois assumira o posto secreto de seu pai. Praticamente virou uma cópia feminina dele, afinal, era todo o exemplo que ela tinha...
Enquanto isso, Lindy buscava desesperada por uma solução: Não aguentava mais a menina atormentando sua vida. Mas... O que faria? Estava sem chão, não sabendo o que fazer.

Até que ela recebeu uma mensagem anônima, dizendo que estava procurando pessoas para participarem de um... Poderia-se dizer uma evento ou acontecimento? Chamado “DollHouse”, onde apenas algumas pessoas eram escolhidas. No bilhete dizia que Lindy receberia uma grande quantidade de dinheiro em troca, era apenas colocá-la em um carro de cor preta que apareceria no dia seguinte que pronto! Ela iria para um lugar totalmente seguro e protegido, sem chance dela escapar. Seus problemas estavam resolvidos!

Então, no dia de seu aniversário de dezessete anos, a mãe a sedou com Melatonina, e a entregou ao motorista. Ajudada por Alison, uma criada de confiança, fechou para sempre os portões da família DarkRose, sentindo-se, pela primeira vez, aliviada. Finalmente estava livre.

Enquanto a Annie? Acordou na DollHouse, totalmente confusa. Onde estava? E que lugar era aquele?



"Syrup is still syrup in a sippy cup"





❤♡Qualidades♡❤


Inteligente
Observadora
Obediente
Persuasiva
Protetora
Educada






❤♡Defeitos♡❤


Mentirosa
Maldosa/cruel
Chantagista
Carente
Impulsiva
Ciumenta
Submissa
Sensível (Chorona)






❤♡Doenças♡❤


Annie tem depressão graças à tudo que passou. Pode não parecer, mas ela esconde através de suas mentiras sua tristeza.




Ela também tem alergia a frutos do mar, peixes em geral, ficando vermelha e inchada ao comer alguma coisa feita com eles.







❤♡Medos♡❤


Ser abandonada por alguém que ela se importe, afinal, ela sofreu isso a vida toda. Tem medo de se decepcionar muito, e se apegar por pessoas “erradas”.




Medo de aranhas. Esse medo veio graças a um dia em que Annie achou uma aranha em sua meia quando tinha sete anos, desde então morre de medo.




Medo de altura. Annie odeia lugares altos e detesta estar sem uma grade rodeando o local, pois acha que a qualquer momento pode cair com apenas um passo em falso.




Medo de se afogar. Considera por Annie uma das piores mortes além de ser sufocado e queimar vivo, se afogar é como uma tortura pra ela, já que vê a morte passar por seus olhos. Sabe nadar, mas cuidado nunca é demais.







❤♡Fobias♡❤


Aracnofobia –Medo de aranhas
Acrofobia –Medo de altura
Claustrofobia –Medo de lugares fechados
Hidrofobia –Medo de se afogar.






❤♡Traumas♡❤


Não ser bonita o suficiente. Sua mãe sempre acabava com sua auto-estima dizendo coisas horríveis sobre ela, como seu cabelo era ressecado, como sua pele era pálida demais, esse tipo de coisa. Sempre se sente um pouco “feia”, e cada vez que se olha no espelho, lembra da voz de sua mãe ecoando.




Lugares fechados e/ou sem espaço. Obrigada a ficar horas e horas pelos pais em lugares assim como castigo, Annie prefere morrer e voltar para uma caixa ou algo do tipo.








❤♡Gosta♡❤


Café – Totalmente viciada em café, seja ele com leite, sem leite, expresso ou capuccino. É algo que não a deixa dormir, uma paixão sua, e a mantém concentrada, de modo que sempre que pega um livro pra ler, há uma xícara de café ao seu lado.




Bolos – Especialmente os de aniversário, aqueles bonitos e cheios de morangos em cima. Conhecida como “formiga”, adora qualquer tipo de doce da face da terra, mas o seu queridinho é o bolo. De qualquer sabor, ela está feliz.




Morangos – Aproveitando o engajamento do “gosto” anterior, Annie AMA morangos, do tipo viciada. Sua fruta vermelha favorita, caso estiver dando sopa em seu prato... Ela rouba.




Seu cabelo – De tanto que cuida, é meio óbvio que ama seu cabelo.




Se sentir bonita – Annie, apesar de raro, gosta sim de se olhar no espelho e tentar se achar bonita, se gostar naturalmente. Apesar da auto-estima baixa, ela está trabalhando nisso. Passa horas se produzindo para se sentir linda, e quando coloca na cabeça que gostou de como está, pode vim até Satanás dizer o contrário, que ela não tá nem aí.




Livros – Todos os tipos, desde os de Ciências até os de Histórias Infantis, como Branca de Neve. Livros são objetos que ela simplesmente não vive sem, é o que a tira um pouco de seus problemas. Normalmente lê livros de mistérios.




Desenhar – Seu tempo livre é resumido em ler e desenhar. Annie não acha que seus desenhos são maravilhosos, apenas rabisca mesmo, sem talento nenhum.




Tocar piano/teclado – Um instrumento que ela realmente toca, e bem. Aprendeu sozinha enquanto estava presa em seu quarto, sendo que com cinco anos já conseguia tocar músicas difíceis no instrumento. Se sente bem com tocando, e quando faz isso se desliga do mundo.




Mentir – Óbvio. Seu maior vício, sempre gosta de enganar as pessoas com suas histórias. É algo que ela faz, e bem.




Comprar – Ela adquiriu esse gosto quando teve seu 1 ano de liberdade onde pode fazer o que quisesse, o que bem entendesse. Como uma legítima DarkRose, gosta apenas de coisas caras.




Frio – Sua estação preferida. Se quer ver Annie feliz, apenas a leve para ver neve, onde ela vai gritar como uma criança e sair correndo para se jogar na neve.




Irritar qualquer pessoa em seu caminho – Ela acha engraçado a reação das pessoas, especialmente as de Subaru.




Parques de diversão – Annie adora as perigosas sensações de um parque de diversão, sendo seu brinquedo preferido a montanha russa.




Flores – Acha as coisas mais belas que ela já viu, tão belas e puras. Seu tipo preferido são as rosas, girassóis e sakuras (Flores de cerejeiras).




Dormir – Como ela ama dormir! É o melhor passatempo pra ela, sendo do tipo de pessoa que deita e, em três segundos, dorme.




Comidas apimentadas – Sendo extremamente forte pra pimenta, ela adora qualquer tipo de comida que seja bem temperada, em especial a comida mexicana. (Vamos apenas fingir que Takoyaki é apimentado, ok?)




Cachorros – Annie AMA todos os tipos de animais, porém seu maior sonho é ter um cachorrinho, pois nunca teve a oportunidade.




Sorvete – É doce? Gelado? Pode ter certeza que ela vai amar! Annie é viciada em sorvete, e pra ela, a melhor sobremesa é bolo com... Sovete!




Pizza – Simplesmente sua comida favorita.




Ouvir música – Quem não gosta? Annie se isola ao ouvir música, em especial pop, jazz e sim, o famoso Funk. Tente tirar seus fones, e verá a pior pessoa do mundo.




Abraços – Ela se sente segura, apesar de não gostar muito de contato físico. Quando ela vê alguém que ama, sai correndo até a pessoa.




Sair com as amigas – Ela se sente feliz quando isso acontece. Sabe que pode contar com elas, e é um dos únicos momentos que Annie parece amigável e simpática, uma menina normal.




Brincar – Apesar de muita gente dizer que ela está velha demais pra isso, Annie não liga. Basta ver algum bicho de pelúcia ou algo do tipo que seus olhos brilham como diamantes.




Mistérios – Quem não gosta de uma boa aventura? Annie sempre acredita que há algo pra explorar em qualquer lugar, ainda mais na DollHouse.








❤♡Não Gosta♡❤


Pessoas reclamando – Acho que ninguém gosta.




Chá – Acha uma completa água com um pouco, quase nada, de gosto.




Aranhas – Explicado nos “Medos”




Tomar banho – Sim, chame-a de infantil, mas ela não gosta, apesar de precisar fazer isso todos os dias.




Calor – Annie passa mal no calor excessivo.




Comida japonesa/Peixes/Frutos do Mar – Por ser alérgica a essas coisas, acabou pegando um desgosto, fazendo cara feia quando vê algo desse tipo em seu prato.




Não ter nada para fazer – Annie é hiperativa, precisa fazer as coisas, mesmo que seja organizar um saco de feijão, ela precisa estar ocupada. Caso não faça nada, fica do jeito do gif :3




Tomar chuva – Simplesmente não gosta. Estraga toda sua maquiagem, sem falar que acha esquisita a sensação de se molhar aos poucos.




Refrigerante – Todos, sem exceção. Annie não gosta do gás deles, e prefere mil vezes suco.




Perder – Acho que ninguém gosta, mas Annie Elisabeth... Bem, ela é vinte vezes pior. “Não acaba até eu dizer que acabou” é sua frase mais comum nesses momentos.




Ser pressionada – Acho que ninguém gosta.




Ser assustada – Annie AMA assustar as pessoas, mas na hora de ser assustada... Ela grita e começa a chorar feito louca.




Ver pessoas cantando sua música favorita errada – Ninguém merece!




Gritos/Dramas desnecessários - Faça drama perto dela e verá o demônio entrando em seu corpo. Ela ODEIA gritos.




Brócolis – Mais outra criancice de Annie. Ela odeia brócolis, o sabor a faz vomitar.




Quando mentem pra ela – Óbvio. Sempre mentiu muito, e mentir pra ela é como chamá-la de idiota, adentrar sua área sem permissão.




Chorar/ Se sentir triste – Acho que ninguém gosta.








❤♡Habilidades físicas♡❤


Possui um reflexo grande (Por exemplo, se pegarem uma maça e jogar pra ela, e pega no ar)
Tem um bom equilíbrio, o que é maravilhoso para usar com salto
É veloz
Sabe nadar bem.






❤♡Par♡❤


Sakamaki Reiji <3






❤♡Como age com o par♡❤


Insana. Essa seria sua relação com Reiji, o segundo e o mais certinho dos irmãos Sakamaki. A primeira vista, como qualquer um, Reiji pensou que Annie era apenas mais uma menina qualquer, toda assustada e confusa pela situação, afinal, estavam na DollHouse. Logo depois, o vampiro viu como seus modos eram bons e como ela sabia quase todas as regras de boas maneiras, além de seu incrível gosto por literatura, já que a primeira coisa que pode perguntar foi : “Onde tem uma biblioteca?” a ele, o que impressionou. Mas quando Reiji conheceu Annie de verdade...

Tudo ficou um inferno. Quase sempre caía em suas mentiras e histórias que ela inventava, para depois Annie jogar em sua cara que ele havia caído, enxugando suas lágrimas com um sorriso sapeca, o que o deixava mais irritado e com a certeza de que não se podia confiar em mulheres. “Sempre achei que eram traiçoeiras, mas depois que conheci Annie Elisabeth...” é o pensamento dele quando a vê olhando para ele com um sorriso maldoso no rosto. Quando a punia por alguma desobediência e a mandava limpar algo ou arrumar sua estante de livros, quem sabe até limpar sua coleção de xícaras e louças preciosas, Annie fazia questão de jogá-las pro ar, fazer malabarismo, segurá-la por dois dedos na alça, tudo para deixá-lo irritado e claro, a punir com seu chicote e outros objetos de tortura. Mas o problema é que nada funcionava nela, Annie apenas ria, ria e ria, olhando seu próprio sangue escorrendo com diversão e escondendo as lágrimas. Querendo ou não, jamais deixaria que o Sakamaki se deleitasse com a dor que sentia, então sofria quieta. Porém, no dia a dia, ela fazia questão de ser estúpida, apenas para ver suas reações e seus suspiros que lhe lançava. O motivo? Simples, ela gostava de ter sua atenção, gostava de ter seu olhar voltado apenas para ela, e pra mais ninguém, se alguma pessoa tentasse tirar seu olhar dela, ah, só corre! O ciúmes atacaria. Como desde pequena nunca teve atenção, nunca teve carinho, tem uma necessidade enorme de ter alguém olhando para ela e a reconhecendo, seja de um modo bom ou ruim. Orgulhoso, jamais deixaria com que uma mera humana brincasse tanto com seus sentimentos e paciência, mas ele simplesmente não conseguia: Aquela garota de cabelo loiro o tirava de sério e despertava mais ainda seu lado sadista!

Assim a vida ia seguindo: Annie irritando e enchendo a paciência do vampiro, ele ia lá e a mordia ou a machucava, tanto fisicamente quando psicologicamente. No começo de tudo, Lizzie apenas queria ter atenção, queria apenas brincar com os sentimentos de Reiji, mas algo começou a mudar. Do nada, começou a se sentir atraída por ele, seus cabelos roxos/cinzentos, sua voz com um tom exageradamente educado, seu maldito sorriso sádico que a tirava do sério, tudo era estupidamente e incrivelmente atraente para ela. Com sua visão distorcida do amor, primeiramente pensou que “É divertido brincar com ele, apenas uma boneca que gosto mais que as outras”, mas a verdade era justamente o contrário: Ela, sem perceber, estava se tornando cada vez mais sua boneca, sua subordinada. Fazia tudo que ele pedia (Lê-se: mandava) para ela, e tentava agradá-lo, mesmo sem perceber, de todas as maneiras: Fazia seu chá preferido para que ele tomasse, organizava seus livros ou limpava suas xícaras sem ele pedir, quando o mesmo, por alguma raríssima ocasião, ficava doente, ela cuidava carinhosamente dele, o alimentando com seu sangue de boa vontade... Mas o moreno não percebia seus gestos de carinho. Como dizem: a primeira impressão é a que fica. Reiji achou a menina uma bela e irritante mentirosa, e como qualquer mulher no mundo poderia estar fazendo isso apenas por meros caprichos, então a afastava de si. Isso fazia com que Annie se encolhesse em seu quarto para chorar, ouvindo a voz de sua família a chamando de Cry Baby, de bebê chorona. Porque aquele garoto a deixava maluca? Mas ela escondia isso, e agia da mesma maneira sempre. Por mais arrogante e mentirosa que era não tinha escolha: Estava totalmente presa, totalmente submissa a essa paixão que desenvolvera por seu “agressor”.
Até que, um dia, ela cansou de ser tratada daquele jeito. Cansou de simplesmente estar ali e Reiji não perceber. Foi quando o largou sozinho e passou a não se importar mais, seguindo apenas o que o roteiro da DollHouse mandava. “Se ele não liga para mim enquanto estou com ele, porque ligaria se eu fosse embora e parasse de me importar com ele?” Era a frase que estava em todos seus pensamentos.

Só que o vampiro, depois de alguns dias, sentiu falta de algo, e finalmente descobriu o que: Os carinhos, a atenção de Annie sobre si, mesmo que de um jeito bem ridículo e idiota havia feito uma diferença enorme em sua vida. Sentiu falta dos “Bom dia!” que ela lhe dava, sentiu falta da atenção que ele nunca teve, e ficou profundamente... Ele não sabia dizer ao certo. Estava arrependido? Com saudades? Apaixonado? Foi ficando cada dia mais sentido com a falta da loirinha em sua vida, e sua raiva aumentou ainda mais quando descobriu que ela conversava frequentemente com Shuu, e por isso parou de ir até ele. Aí Reiji perdeu a cabeça e foi diretamente até a menina, puxando-a pelo braço e levando-a consigo para longe do loiro, com a raiva nítida em seu rosto, fazendo a garota não entender absolutamente nada do que estava acontecendo. O moreno apenas abraçou fortemente, prendendo-a a ele, deixando seu passado vir à tona para Annie, que o abraçou de volta, comovida e se identificando com ele.

Desde esse dia em que ambos se sentiram à vontade um com o outro, foram descobrindo pontos em comum, e foram se apaixonando lentamente, mesmo com teimosia dos dois lados em acreditar nisso.






❤♡Como age com o resto dos vampiros♡❤


Shuu Sakamaki

Uma relação amigável. Ela de verdade entende o motivo dele ser tão desligado da vida, e sinceramente? Queria ter esse com de não ligar para nada. Do jeitinho dela, Shuu foi a pessoa escolhida por Deus para Annie irritar e encher a paciência, seja falando, seja perguntando, seja existindo. Como os dois não gostam/odeiam Reiji igualmente, pelo menos no começo, acabam tendo longas conversas sobre esse assunto e sobre as “músicas” que ele escuta, sendo que a primeira vez que soube disso corou profundamente e resistiu ao sentimento de lhe dar um tapa. Por parte dele, Shuu a acha uma menina irritante e muito mentirosa, sendo que toda vez que ela mente para benefício próprio ele ri da cara dela.


Ayato Sakamaki

Orgulhoso e narcisista contra uma orgulhosa e narcisista. O que poderia dar de certo nessa relação? Absolutamente nada! Odeia o fato de Ayato ser tão convencido e ciumento e quando o ruivo acha que pode mandar nela e acha que é o melhor em tudo. Ambos disputam o tempo inteiro quem é o melhor nisso, quem é o melhor naquilo assim como brigam o tempo inteiro, sendo necessário o par de Ayato ir lá separar os dois. É quem ela mais chantageia para conseguir informações sobre eles próprios, porque é só cozinhar um pouco de Takoyakis... Não entende o porque dele irritar tanto sua noiva ou qualquer outra pessoa apenas porque pensa que é o melhor. Apesar de tudo, quando os dois estão de bom humor e decidem irritar alguém, pelo amor de Deus, tirem os dois de perto, pois a capacidade de Ayato de criar apelidos rapidamente com a capacidade dela de irritar qualquer um torna o lugar que for em um verdadeiro inferno.


Kanato Sakamaki

Ela o ama de paixão, por incrível que pareça. Além de o achar fofo mesmo com seus ataques infantis de bipolaridade e seu medo por bichinhos de pelúcia, gosta de estar com ele quando Kanato está “calmo”. Se identificam pelos doces, eu ambos gostam, o que faz Annie ter que dividir seja lá o que for que fez, seja um bolo ou brigadeiro com ele, senão fica nervoso. Acha que Kanato é o irmão mais novo (Mesmo que bipolar, infantil e, acima de tudo, vampiro) que ela nunca teve. A única coisa que ela odeia nele é sua risada psicótica, ela morre de medo quando ele ri sadicamente, tendo tendência a fugir.


Laito Sakamaki

Por incrível que pareça, ela gosta dele. Por mais que odeie seu jeito pervertido de ser, é como Ayato: Seu jeito brincalhão faz com que Lizzie tenha uma certa simpatia por ele. Quando ele diz algo pervertido a ela ou qualquer outra ela na hora dá seu sermão sobre machismo e lhe diz para parar de ser trouxa, mas é óbvio que ele apenas sorri e a ignora. Ambos não sabem o que é o amor, Laito acha que é luxúria e ela apenas acha que é o sentimento que se tem quando a pessoa não te dá tédio, de modo que combinam nesse aspecto: Pessoas que precisam entender o que é o amor. Ela sente uma certa pena de Laito por conta de seu passado, quando o par do ruivo contou para ela, Annie ficou simplesmente arrasada, pela primeira vez.


Subaru Sakamaki

Pode chamá-la de suicida, mas ela ADORA irritar Subaru. Acha engraçado o modo Tsundere do rapaz e o modo que ele fica quando está bravo, e acaba tentando fazê-lo odiá-la para sempre. Gosta de provocar a fera e está sempre sendo o tipo de garota que ele não gosta: Arrogante, ousada, mentirosa, maluca, inconveniente (Ou seja, ela se solta). Daí mais um motivo para Reiji odiá-la, pois está sempre fazendo com que Subaru quebre as paredes de onde ele estiver.






Azusa Mukami

Sinceramente? Ela MORRE de medo de Azusa. Não acha normal ele gostar de sentir dor e se cortar por absolutamente nada, apenas para sentir aquela sensação desagradável chamada dor. Tem medo de sua coleção de facas, e franziu a testa quando ele falou o nome de suas cicatrizes para ela. Apesar de tudo, está sempre cuidando de suas feridas e dizendo para não se machucar mais, mesmo sabendo que será inútil. “Dá para falar mais rápido?” É a frase mais usada pela menina com o Mukami.


Ruki Mukami

Ela o vê como um Reiji 2.0, então passa longe dele, afinal, não precisa de mais um em sua vida. Quando conversam, o que é bem raro, Annie é sempre muito educada. A única coisa que ela odeia nele é seus apelidos para sua “Boneca”, vamos dizer assim (Gado).


Kou Mukami

Simplesmente se identifica com ele, e muito, tanto que parecem irmãos trocados na maternidade. Ambos duas caras, ambos egoístas, ambos impiedosos. Kou sabe muito bem como mentir e ser alguém que ele não é, além de todos acharem que ele é o cara perfeito, mas quando o conhece de verdade... É igualzinho a Annie Elisabeth DarkRose, a diferença é que ela não esconde sua personalidade obscura, apenas é quem ela é. Anny está sempre a atiçá-lo para que Kou se “revele”, e sua frase mais comum com ele é “Vamos, nós dois sabemos quem somos. Vai mesmo se esconder?”. Para os dois, misericórdia é uma nova marca de roupas, essa palavra não existe em seus dicionários. Quando passam tempo juntos, costumam conversar sobre o trabalho de Kou, que Annie tem interesse de seguir.


Yuma Mukami

Ela não fala com ele. Pronto. É uma das mais curtas relações da DollHouse, Annie e Yuma fingem que o outro apenas não existe.






❤♡Como age com as outras noivas♡❤


Ela gosta muito de suas “bonecas que não se cansa de usar”, também mais fácil dizer como “As meninas que ela gosta”. Por ter uma visão distorcida do amor, é assim que Annie vê as garotas que tanto confia. Provavelmente a única forma de família que ela experimentou é a amizade. Super protetora, caso encostar um dedo nelas com segundas intenções ou com o objetivo de machucá-las... Saia da frente corra! Ela vira um demônio, literalmente, e parte para cima de você com o objetivo de quebrar todos os seus ossos. Uma menina animada na maioria das vezes, suas palhaçadas acabam animando o ambiente, que talvez esteja tenso. Roupas e sapatos são muito discutidos com ela, por ter um senso de crítica bem rígido. Ama ficar com elas apenas olhando para o nada, dançando, cantando, qualquer coisa está ótimo se estiver com elas. Ciumenta, odeia ser trocada por garotos e/ou namoradinhos. Orgulhosa, quando briga com uma delas dificilmente pede perdão, não consegue. Por mais que queria voltar a falar com quem brigou, seu orgulho e sua mente, que acha que está certa, e aí fica aquele clima chato de duas pessoas que não conseguem se falar... Acaba tomando uns puxões de orelha, e na maioria das vezes, também dá uns em suas amigas, para pararem com a babaquice que estão fazendo.






❤♡Tem uma noiva melhor amiga?♡❤


Suas melhores amigas são: A noiva do Subaru Sakamaki e a noiva do Laito Sakamaki.[/i]





❤♡Música que te define e tradução dela♡❤



Bom, a música que mais define Annie é, com certeza Secret, das The Pierces. Uma boa mentirosa, duas pessoas só podem guardar um segredo se uma delas estiver morta.




Tradução

Tenho um segredo
Você pode guardá-lo?
Jure que esse você vai guardar
É melhor trancá-lo em seu bolso
E levá-lo para o túmulo
Se eu te contar
Eu saberei que você não vai contar o que eu disse
Porque duas pessoas podem guardar um segredo se uma delas estiver morta
Por que você sorri como se tivesse contado um segredo?
Agora você está contando mentiras
Porque você jurou guardá-lo
Mas ninguém guarda um segredo
Ninguém guarda um segredo.
Por que quando cometemos as façanhas mais obscuras nós contamos?
Elas queimam em nossos cérebros
Se transformam em um inferno
Porque todo mundo conta
Todo mundo conta
Tenho um segredo
Você pode guardá-lo?
Jure que esse você vai guardar
É melhor trancá-lo em seu bolso
E levá-lo para o túmulo
Se eu te contar
Eu saberei que você não vai contar o que eu disse
Porque duas pessoas podem guardar um segredo se uma delas estiver morta
Olhe nos meus olhos
Você está ficando com sono
Você está hipnotizado pelos segredos que está guardando?
Eu sei o que você está guardando
Eu sei o que você está guardando
Tenho um segredo
Você pode guardá-lo?
Jure que esse você vai guardar
É melhor trancá-lo em seu bolso
E levá-lo para o túmulo
Se eu te contar
Eu saberei que você não vai contar o que eu disse
Porque duas pessoas podem guardar um segredo se uma delas estiver morta
Allison?
Sim, catherine?
Eu tenho algo que quero te contar, mas você tem que prometer nunca contar a ninguém
Eu prometo
Jura pela sua vida?
Eu juro pela minha vida
Você jurou que nunca ia contar
Você jurou que nunca ia contar
Você jurou que nunca ia contar
Você jurou que nunca ia contar
Tenho um segredo
Você pode guardá-lo?
Jure que esse você vai guardar
É melhor trancá-lo em seu bolso
E levá-lo para o túmulo
Se eu te contar
Eu saberei que você não vai contar o que eu disse
Porque duas pessoas podem guardar um segredo se uma delas estiver morta
Tenho um segredo
Você pode guardá-lo?
Jure que esse você vai guardar
É melhor trancá-lo em seu bolso
E levá-lo para o túmulo
Se eu te contar
Eu saberei que você não vai contar o que eu disse
Porque duas pessoas podem guardar um segredo se uma delas estiver morta
Tenho um segredo
Você pode guardá-lo?
Jure que esse você vai guardar
É melhor trancá-lo em seu bolso
E levá-lo para o túmulo
Se eu te contar
Eu saberei que você não vai contar o que eu disse
Porque duas pessoas podem guardar um segredo se uma delas estiver morta



Bom, acrescentei mais uma música, que é a dela com o par. A música que escolhi foi Alphabet Boy, da Melanie Martinez. O motivo está na letra :3




Tradução

Sempre mirando aviões de papel em mim quando você está por perto
Você me constrói como blocos de construção para assim poder me derrubar
Você pode esmagar a minha bengala doce, mas você nunca vai me ver chorar
Se você exibir esse diploma e eu matar você, não fique surpreso
Eu sei os meus A-B-C's
Ainda que você continue me ensinando
Eu digo foda-se o seu diploma
Garoto alfabetizado
Você acha que é mais inteligente do que eu
Com toda a sua poesia ruim
Fodam-se todos os seus A-B-C's
Garoto alfabetizado
Não sou uma criancinha agora
Me veja ficando grande agora
Soletre meu nome na geladeira agora
Com todos os seus brinquedos de alfabetização
Você ganhou o concurso de soletração agora
Mas você é mais esperto do que eu agora?
Você é o príncipe do playground
Garotinho alfabetizado
Maçãs nem sempre são um pedido de desculpas apropriadas
Gotas de caramelo e chiclete são agridoces para mim
Você me chama de criança enquanto você continua contando todas as suas moedas
Mas você não é meu papai, eu não sou sua bonequinha e seu dicionário está destruído
Eu sei os meus A-B-C's
Ainda que você continue me ensinando
Eu digo foda-se seu diploma
Garoto alfabetizado
Você acha que é mais inteligente do que eu
Com toda a sua poesia ruim
Fodam-se todos os seus A-B-C's
Garoto alfabetizado
Não sou uma criancinha agora
Me veja ficando grande agora
Soletre meu nome na geladeira agora
Com todos os seus brinquedos de alfabeto
Você ganhou o concurso de soletração agora
Mas você é mais esperto do que eu agora?
Você é o príncipe do playground
Garotinho alfabetizado
Garoto alfabetizado
Oh, garoto alfabetizado
Garoto alfabetizado
Oh, meu
Garoto alfabetizado
Meu garoto alfabetizado
Ooh
Não sou uma criancinha agora
Me veja ficando grande agora
Soletre meu nome na geladeira agora
Com todos os seus brinquedos de alfabeto
Você ganhou o concurso de soletração agora
Mas você é mais esperto do que eu agora?
Você é o príncipe do playground
Garotinho alfabetizado
Garoto alfabetizado
Oh, meu
Garoto alfabetizado
Garoto alfabetizado
Uuh, sim
Garoto alfabetizado





Escutando: Pity Party - Melanie Martinez <3
Lendo: A ficha
Assistindo: The Flash
Comendo: Pão ><
Bebendo: Nada

Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...