~JimmyMoriarty

JimmyMoriarty
Dead is the new sexy
Nome: Marina
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Aracaju, Sergipe, Brasil
Aniversário: 10 de Setembro
Idade: 18
Cadastro:

Mahura Akila Zulai- Fall


Postado


Palavra- chave:
Neóns

“Names are the swetest and most importante sounds in any language”
Nome Completo:
Mahura Alika Zulai


“Titles are but nicknames, and every nicknames is a title”
Apelido:
Mahu: Recebeu esse apelido de sua mãe quando ainda era uma criancinha, apesar de acha-lo meio esquisito ela aceita o apelido, pois acredita que as memórias que ele a trazem compensa isso.

Sikhanyiso: Esse apelido veio de uma princesa rebelde da Suazilânida, na África que nunca se prendeu ao falar sobre os absurdos de seu pai, um nazista, que vai contra tudo que eles são (na vida real ela existe, no entanto vai contra a política machista e ditatorial do homem). Mahura o recebeu de seu pai que a considerava tão rebelde como a princesa, embora nesse caso fosse de forma positiva e doce, ela ama o apelido.

Sik: Um apelido do apelido, surgiu de um amigo que julgara o apelido de seu pai impossível de pronunciar, ela gosta do apelido e entende que é uma ligação do outro só que pronunciável para todos.

New Peggy Carter: Esse apelido foi uma ideia um tanto estranha de Caleeb, que ao ouvir a menina dizer que considerava a antiga Peggy Carter sua heroína pessoal começou a fazer paralelos entre ela. A relação que ela tem com o apelido é de amor e ódio, já que o acha incrivelmente longo e inconveniente, mas ao mesmo tempo fofo e animador.

Night: Não é bem um apelido e sim um título, como uma ladra negra, acabou sendo chamada assim pelos arianos. Sinceramente ela o acha ridículo, mas pelo menos é um começo, tendo uma pequena obsessão por títulos quem sabe a jovem não consegue um mais marcante e menos “uma ridícula piada racista sem um pingo de criatividade”.


“Age is relative. Experience is relative. And I think often intensity is confused with maturity”
Idade:
10 anos, sendo geralmente vista como muito madura para tal.


“I miss my Family and I know this felling never will over”
Família:
Tanishia Zulai// Mãe// 42 anos// Ex- Empregada Doméstica// Provavelmente morta
Tendo uma vida cheia de desespero e humilhação pela sua origem, Mahura era sua “pequena fonte de felicidade” sendo apenas por ela e pelo marido que ainda lutou contra os empecilhos da vida. Para ela a menina era sua princesinha e sempre a tratou como se a menina fosse o ser mais especial do mundo, lutando para conseguir, mesmo que raramente, trazê-la pequenos mimos.

Rasau Ayo Zulai//Pai// 45 anos// Ex-Jardineiro e Ex- Viajante dos Neón// Provavelmente morto
Mesmo sendo um homem ocupado, Rasau sempre achou formas de conseguir tempo para sua princesinha. Os dois eram ligados de uma maneira única e poderiam facilmente ser confundidos com melhores amigos, caso ele fosse mais novo, sempre trocando brincadeiras e fazendo pequenas travessuras juntos.
Foi o pai de Mahura que a ensinou tudo que ela sabe sobre a vida, sobre os nazista, sobre aquilo que ela iria enfrentar no futuro e porque não dizer logo sobre o universo. Mesmo sendo pobres, discriminados e praticamente feitos de escravos pelos nazistas Rasau fez de tudo para que a filha tivesse a melhor educação possível.


‘I don’t care for what they say. I look like my father. I look like my figth. And I’m proud for this.”
Aparência:
As pessoas, principalmente nesse tempo, gostam de ver a beleza nos cabelos lisos, nos olhos claros e na pele branca. Mahura não tem nada disso, e mesmo assim é mais bela que muitos arianos, com pele negra que se encontra sem qualquer imperfeição de manchas ou espinhas, cabelos cacheados, cheios e curtos que se encaixam perfeitamente nela e a dão um jeito meio rebelde e selvagem refletindo um pouco da personalidade da mesma.
Ainda assim o que realmente chama a atenção da garota são os olhos, de um tom de castanho tão escuro que chegam a ser confundidos com negros e quase indiferenciáveis da bolinha do olho, eles possuem um brilho incrível e envolvente junto com uma expressão de quem conhece você só com um olhar. Medindo 1,56 e pesando 43kg a garota está por pouco fora da linha de abaixo do peso.




Photo Player:
Quvenzhané Wallis


“Great things are not done by impulse, but by a series of small things brought together.”
Personalidade:
A frase acima, pertencente à Vicent Can Gogh e uma suas favoritas define bem a garota, de certo ângulo. Como os grandes feitos citados por Gogh ela não é feita de um impulso único, de uma coisa só mais de diversos detalhes minúsculos que juntos acabaram formando sua personalidade peculiar.
Brevemente falando, podemos descrever Mahura como uma menina única, sendo assustadoramente madura para idade e dona de uma compreensão surpreendente do mundo. Essa maturidade somada a uma inteligência e percepção sem limites fazem aqueles que pouco a conhecem se surpreenderem e julgarem seu poder como sendo super inteligência ou sentidos aguçados, afinal como uma criança tão energética poderia ter tanto foco e conhecer o mundo dessa maneira? A resposta é realmente muito simples: experiência, habilidade e preparo.
Outra de suas características marcantes é sua energia e curiosidade quase hiperativas sempre querendo conhecer mais e mais coisas, realizar mais feitos, ser “mais” e raramente parando para descansar ou mudando o curso de seus planos. Um paradoxo para muitos observadores a principio Mahu pode parecer dona de uma contradição bizarra como a mestra das mentiras e trapaças e ao mesmo tempo a mais honesta companheira, a verdade é que desde muito cedo ela aprendeu o poder da mentira e da verdade e como manipular as pessoas a partir delas, mas nunca conseguiria enganar alguém a quem considere bem.
Se aproximar das pessoas é fácil para a menina que possui uma personalidade inovadora, um espírito criativo e um jeito bondoso e extrovertido. Confiar nas pessoas por outro lado é um desafio sendo poucos os que conseguem esse incrível feito.
Pode ser estranho, mas o melhor modo de perceber que conquistou sua amizade é quando a menina aceitar suas desculpas, pois para ela só um verdadeiro amigo pode dar desculpas sinceras. Uma outra prova de sua amizade é quando ela te dá um apelido, sendo para ela uma espécie de “título”, honra essa da qual ela se sente atraída e julga que todos também, ou quando ela começa a te irritar de brincadeira.
Justa e por consequência vingativa não consegue ver algo errado e deixar por isso mesmo e muito menos esquecer os crimes graves do passado de alguém. Para a jovem “redenção sempre virá depois de punição” e nunca mediria esforços para dar alguém a verdadeira justiça por seus atos mesmo se esse alguém for ela mesma.
Sua já citada percepção chega a níveis tão avançados que consegue ler uma pessoa a partir de pequenos detalhes nela, mesmo que erre ás vezes. Muito orgulhosa e um pouco exibida adora mostrar seus dons e conhecimentos e raramente diz que precisa de ajuda mesmo que isso seja algo evidente, talvez por isso seja irônico que seus maiores conselhos venham quando a garota fala sem pensar ou mesmo sem qualquer intensão de se mostrar apenas como ajuda.
Dona de um senso de humor sarcástico e cheia de tiradas inteligentes, Mahu sabe muito bem como deixar alguém sem palavras e o fará não só quando necessário, mas até mesmo por prazer. Resta dizer, para não se tornar muito repetitivo, que ela carrega com sigo uma pureza infantil que se mostra nos momentos mais difíceis fazendo com que as pessoas ao redor dela finalmente se lembrem de que ela é só uma criança.


“My history is, in the end, who I am and I can’t say I like everthing. But I don’t know if change something.”
História:
Toda história, como já disse ao falar de Caleeb, é feita a partir de outras histórias e interligadas em mais coisas do que imaginamos. Existe diversos fatos que marcam a história de Mahura mesmo antes dela nascer, mas pouco deles precisam realmente ser explicados.
Basta dizer que antes do nascimento da mesma sua família vinha passando por diversos problemas, boa parte deles ligados á politica racista e segregacionista de Hittler onde seus pais foram obrigados a largar empregos que lhe rendiam um bom salário e ocupar posições de empregado (praticamente escravos) de famílias ricas. O abandono de seus sonhos e as dificuldades financeiras repercutiram de formas diferentes nos pais da garotinha, enquanto Tanishia entrou em uma pré-depressão Rasau se juntou aos rebeldes.
Foi nesse clima de tristeza e rebeldia que Tanishia se descobriu grávida e pela primeira vez em meses ela pareceu determinada a virar o jogo. Assim, não pode se dizer que a jovem nasceu em um clima de felicidade, tendo sofrido de um parto difícil e sem assistência especializada, mas que ela nasceu cercada de amor e esperança é um fato.
Seu nome vem de uma lenda africana sobre uma jovem trabalhadora que sem querer forçou o céu a se afastar muito da terra pela magia resultante de seu trabalho e como desculpa criou o Sol e a Lua. Lenda essa a favorita da garota.
Quando tinha apenas seis meses seus pais conseguiram, com muito esforço mudar-se de capital da África do Sul para a cidade de Iowa nos Estados Unidos, onde apesar de mais humilhante o trabalho trazia mais renda e melhores condições de criar sua filha. Desde pequena ela foi vítima de bulling, humilhações e rascimo especialmente pelos filhos dos patrões de seus pais, mas graças aos conselhos de seu pai começou a aprender a não deixar-se atingir.
Com apenas dois amigos (também filhos de empregados e condicionados a tal por pertencerem a “minoria”), um filho de indígenas chamado Peri e uma filha de ciganos chamada Amy ela conseguiu fazer de sua infância difícil algo feliz. Ou melhor, nos primeiros anos de sua infância ela o fez, até que após a jovem discutir com um dos seus bullys e empurrá-lo a família que empregava seus pais os denunciou como “rebeldes”.
Sendo seu pai realmente um rebelde, algo que a menina de na época apenas sete anos não sabia (ele planejava conta-la quando ela fizesse doze) e sua família pertencente a minoria não foi necessário provas para essa acusação e os três deveriam ser exilados para o Brasil. Foi quando a menina descobriu sua habilidade, usando os poderes para abrir um portal para fora da cela onde estava.
Conhecendo esse poderes não teria sentido bani-la já que ele poderia não só sair de lá como levar outros também e sendo somente uma criança ela foi levada a um “reformatório.” Ficando lá por apenas três meses, aquele foi o pior período da vida da jovem sendo constantemente humilhada, agredida e até abusada por funcionários e, no caso das agressões e humilhações, outras crianças. Depois desse período conseguiu fugir criando um portal para longe (não o havia feito antes por não ter pleno domínio sobre seus poderes), viveu nas ruas passando por períodos difíceis e nesses três anos aprendeu a se virar e a controlar suas habilidades se tornando uma ladra de prestígio nos Estados Unidos, especialmente por roubar não só para ela, mas para todos os necessitados.
Conheceu a Néon por acaso ao ser perseguida por um policial somente por sua cor, nesse dia foi acolhida temporariamente pela organização e um jovem chamada Caleeb Watson acabou por tomar conta dela e leva-la a um lugar segura (na época ela ainda não confiava nos Néons). Durante o tempo com Caleeb começou a admirar os Néons e quando finalmente encontrou um abrigo seguro o deixou com a promessa que um dia voltaria e se juntaria a organização.


“Somedays I wish realy had know the place when I born like my father do. But I not, and my wish don’t will change anything. So I just let it go.”
País que Nasceu:
Petrória, África do Sul.


“I don’t happy for United Stades being my home. But I Kind like this peace of shit.”
País que se Encontra:
New Jersey, Estados Unidos (é vizinho a New York)


“How I always scape? I create portals, nothing really interesting if you like to know.”
Poderes:
Menalocinese é a capacidade de criar portais, sendo mesmo pro nosso mundo ou para outras dimensões capaz de enviar ou trazer pessoas para locais diferentes, esse poder também permite a locomoção de ataques de longa distância ou de pessoas perto do seu corpo


“My emocions and my powers are amoust the same thing. I control my emotions, I control my power and for your luck It’s amoust impossible make me lost the control at than.”
Controle definitivo sobre seus poderes?

(x) Sim

() Não



“Hate? I never hate the germanys, I just wanna all the nazists die in pain.”
Algum motivo pessoal para odiar os alemães:
Pode-se dizer que toda a sua vida é um motivo dela odiar os alemães. Tendo vivenciado sua crueldade desde pequena, ela não só perdeu sua família como sofreu diversos abusos por causa deles.



Alia-se aos:

() Alemães

() Néons.

(x) Civil Comum


O que gosta:
Ouvir música, para ela o que importa em uma música não é o gênero, mas sim a mensagem que ela passa;

Ler, de Edgar Allan Poe á biografia de Albert Einsten os únicos livros que a garota não gosta são: livros em defesa aos alemães, contos muito infantis;

Tirar fotos, apesar de pobre e seu pai consegui lhe dar uma câmera de presente quando criança e para ela aquilo foi mágico, foi como se agora ela pudesse capturar momentos que talvez se perdessem na memória;

Café forte, apesar de ser um perigo para os que estão perto dela pelo excesso de energia que o café a traz a menina ama café e consegue passar noites em claro a base dele;

Aprendizagem, não importa os meios, exceto claro se forem cruéis, para ela aprender é a melhor coisa que existe;

Andar de bicicleta, como qualquer pessoa normal ela não consegue usar seus poderes sempre e precisa de um meio de locomoção foi assim que ela roubou uma bicicleta e tentou aprender a andar com ela. Finalmente após muitas quedas ela conseguiu e se apaixonou por isso;

Doces, no final ela ainda é uma criança e como tal gosta de doces, principalmente bolos decorados;

Animais, uma super defensora dos bichinhos, para ela os animais já provaram diversas vezes que são melhores que os humanos;

Histórias sobre super-heróis e soldados americanos da segunda guerra, para ela é bom saber que existiram pessoas que tentaram evitar tudo aquilo e pessoas que, até hoje, lutam contram aquilo e ela espera um dia chegar ao nível dessas pessoas;

Observar as estrelas, ela simplesmente AMA observar as estrelas;

Jogos de raciocínio e estratégia, com detetive e xadrez, se tornando bastante competitiva quando joga um deles;

Títulos, para ela títulos ou meros apelidos são provas de honra e conquista e ela os considera coisas sérias;

Citações, elas mostram respeito a alguém e junto com isso os valores com os quais você se identifica;

Demonstrar o seu conhecimento, não se trata apenas de “se gabar”, ela mostra o que ela realmente é e mesmo que a intensão seja impressionar os outros isso é com eles.



O que não gosta:
Dias frios, por morar nas ruas por muito tempo o frio passou a ser um período difícil para ela;

Nazistas, para ela o nazismo é a reunião de todos os preconceitos existentes em um só somado com alienação em massa e não existe NADA que ela julgue mais ridículo que isso;

Hipocrisia, para ela pessoas hipócritas são quase tão desprezíveis quanto o nazismo;

Contradições, pessoas que se contra dizem seja por palavras ou ações demonstram fraqueza e falsidade de uma vez só e isso mostra como elas são estúpidas;

Promessas quebradas, ela leva promessas muito a sério e para ela quebra-las por si só já é uma forma hedionda de traição;

Traição, basta dizer que para Mahura esse é um crime imperdoável, embora ela considere que só é traição quando no momento em que você resolveu apoiar aquilo era mesmo seu desejo: tipo se um nazista nunca quis ser nazista e abandona isso ou o contrário não é traição ao ver dela porque desde o principio ele não queria isso, mas caso ele tivesse realmente se comprometido com aquilo no inicio então seria;

Lugares apertados, como uma claustrofóbica eles lhe dão agonia e até araques de pânico;

Pedir ajuda, mesmo que as vezes ocorra ela detesta pedir ajuda;

Maus-tratos aos animais.


Habilidades:
Persuasão e manipulação: como uma verdadeira mestra nas arte de mentir e manipular as pessoas ela sabe usar não só a mentira, como a própria verdade para manipular alguém, por mais que só o faça com quem ela julga que merece;

Percepção avançada: apesar de já ter nascido com essa inteligência anormal, ela desenvolveu-a com experiência e pratica conseguindo “ler” as pessoas e coisas a partir de detalhes geralmente imperceptíveis;

Luta corpo a corpo: tudo que sabe, o que é consideravelmente muito, aprendeu nas ruas como forma de auto defesa, ela pode não ser a melhor nisso, mas sabe o bastante para sobreviver;

Movimentar sem fazer barulho: ela adquiriu essa habilidade com muito prática;

Arremesso de facas: mais uma vez usado por sobrevivência essa é outra das habilidades que ela adquiriu nas ruas.


“My mind is my principal weapon, but I also have knives. You never know when then are necessary.”
Arma que Utiliza:
Um conjunto de facas de arremesso e um canivete multifunções.


Par:

() Sim, você escolhe.

(x) Não, eu sou sozinho.

() Sim, faço outra ficha (essa ficha não vai contar como uma outra vaga, mas vai ficar na sua vaga como algo extra).

() Sim, mas quero só rolos.


“Love and atraction is diferente. I can love my friends, my family and a lot other things. But I never feel atraction for nobody and I have sure I never will do.”
Sexualidade:
Assexual, isso não interfere em sua vida social, ela só não sente atração.


CIVIL COMUM:


Sua posição na sociedade:

() Rico

() Mediano.

(x) Pobre.


Está no Brasil?

() Sim.

(x) Não.



Trabalho:
Ela age como um Robin Hood, roubando dos ricos para dar aos pobres, além disso é uma estudante apesar de mudar de escola praticamente a cada mês.


“It’s time to chance, it can't stay the same. Revotion is my name”
Opinião sobre Néons:
Ela os admira muito e deseja um dia ser um deles, embora acredite que para tal ainda precise se tornar mais forte e fazer-se merecer tal honra.


“To save millions of lives, I would hunt Hitler as a baby and disintegrate him. And I would kill his parents as well as the grandparents. I would devastate Hitler's entire hometown, only to sweep away his ashes from the face of Earth's.”
Opinião sobre alemães:
Ela não tem nada contra os alemães em si, mas sim contra os nazistas. Esses para ela merecem a morte e a dor e eles não hesitaria em dar isso a eles se tivesse uma chance.


Dados adicionais:
Mesmo que tenham se afastado, ela ainda considera Caleeb uma espécie de irmão mais velho que ela nunca teve e o sentimento é reciproco.

Seu livro favorito é o primeiro exemplar do Guia do Mochileiro das Galáxias, que seu pai lia para ela. Carrega-o com ela , sendo o único que ela não deixou na biblioteca após a leitura.

Tem um pingente com o número 42, que ganhou do pai no aniversário de seis anos. Nesse ano ela tinha feito um pedido peculiar "eu quero o segredo do universor e tudo mais".

Bastante alérgica a morangos, quando os come ela sente sua garganta tapar-se e começa a ter dificuldades em respirar.

A garota tem pesadelos frequentes sobre o tempo no reformatório de forma que muitas vezes prefere passar a noite em claro a enfrenta-los.



Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...