~UCanCallMeLeo

UCanCallMeLeo
Nome: Leonardo
Status: Usuário
Sexo: Masculino
Localização: Serra, Espírito Santo, Brasil
Aniversário: 13 de Novembro
Idade: 18
Cadastro:

Literatura: O Parnasianismo no Brasil


Postado

Literatura: O Parnasianismo no Brasil

O homem está sempre em rotação, e na arte não é diferente. Ele está sempre rompendo com algo que considera velho e ultrapassado, e propondo algo novo. Só que, às vezes, este novo é algo ainda mais velho: esse foi o caso do Parnasianismo.
O movimento parnasiano nasceu na Europa, porém, lá, não ganhou muito prestígio entre os poetas e sumiu logo, com a chegada do Simbolismo. Já no Brasil, foi o oposto: o Parnasianismo ganhou muito prestígio nas camadas letradas da sociedade e afastou bastante a produção simbolista por aqui. O Parnasianismo se opusera ao Romantismo, pois queria regatar os modelos clássicos de poesia, desprezada por muito tempo pelos românticos. O movimento parnasiano propunha uma poesia objetiva, contenção dos sentimentos, formalismo, apego à tradição clássica, arte pela arte ou arte sobre arte.
O Parnasianismo (na poesia), o Realismo e o Naturalismo, como sendo movimentos que se opuseram ao Romantismo, chegaram juntos e começaram no Brasil com a Batalha do Parnaso, uma "batalha" que aconteceu entre adeptos do Romantismo e novos escritores que já prenunciavam a chegada daqueles movimentos.
Entre nossos poetas parnasianos, os mais relevantes são "a tríade parnasiana": Alberto de Oliveira, Raimundo Correia e Olavo Bilac, sendo este um dos defensores fervorosos da estética parnasiana, porém, nem ele mesmo seguiu-a à risca: muitos dos poemas de Bilac tem um sentimentalismo e subjetivismo típico do Romantismo, como é possível ver nestes versos:
Via Láctea - Soneto XIII
"Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto,
E abro as janelas, pálido de espanto...

E conversamos toda a noite, enquanto
A via láctea, como um pátio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis: "Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo?"

E eu vos direi: "Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas."


Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...