The Royal: A Seleção: {Inscrição}


Postado

The Royal: A Seleção: {Inscrição}

FICHA

The Royal: A Seleção: {Inscrição}

*Nome:Kathrine Evans

*Idade: 17 anos

*Photoplay: Jennyfer Lawrence

Aparência (duas fotos do rosto e, uma do corpo ): Pele cor de oliva, olhos cinzentos que parecem uma tempestade quando está irritada, cabelo preto liso, MAS QUANDO DECIDIR QUE ESTÁ NA HR DE REVELAR A RAINHA QUE ESTÁ DENTRO DELA, VAI CORTÁ-LOS E PINTÁ-LOS DE LOIRO, 1,75 de altura. Atriz Jennifer Lawrence.










Por que quer entrar na Seleção?

Ela não fazia questão, não se importava com isso, mas sua única amiga insistiu e ela se inscreveu, achou que não seria selecionada, afinal sabe se lá quantas fichas foram enviadas, mas se for selecionada que lute pelo coração do príncipe, que tente buscar um amor, o príncipe parece uma pessoa interessante, ninguém sabe o que o destino pode reservar as pessoas.

*De qual casta sua família era antes do sistema de casta cair?
Nasceu casta 7, mas o padrasto comprou o titulo de 2

*Defina em poucas palavras a personalidade:

Personalidade: Corajosa (Sua coragem, tanto para enfrentar desafios quanto lutar por aquilo que acha certo é realmente invejável) Ama a família (a família é sempre nosso porto seguro e defendê-la é superimportante!). Opinião forte que chega até a ser teimosa. Ela não está nem aí para a aparência para ela caráter, honra e personalidade valem mais que um make perfeito ( mesmo que as vezes seja bom se produzir, usar algo que imponha respeito) . Sinceridade, Determinação e Humildade, explosiva, quando não usa os punhos, ataca com palavras e não tem a mínima paciência para pessoas que se acham superiores. Não recusa um desafio, seja ele qual for (MAS NADA QUE SEJA PREJUDICIAL FISICAMENTE A ALGUÉM, ALEM DELA MESMA, OU QUE A PREJUDIQUE NA SELEÇÃO)

*Elabore um resumo (pequeno) sobre a história dela:

História (entre parênteses as castas e os nomes da família): Tem 4 irmãos. Seu pai (Roberth), era um simples jardineiro (7), morreu quando tinha 10 anos, deixando ela, a mãe (Beatriz) e seus dois irmãos ( Christopher e Daniel) mais velhos, a mãe era filha de médicos (3), mas por amor abandonou tudo, quando o amor de sua vida morreu, não conseguiu sustentar sozinha seus filhos, se casou de novo com um amigo de infância ( 5 depois 2 )que era um músico com ele teve mais dois filhos gêmeos ( Enzo e Esperança) , seu padrasto foi convocado pro exercito, se feriu em combate e voltou pra casa, é um soldado aposentado. Tem uma vida confortável e feliz na província de LAKENDON. Ela sente falta do pai, trata o padrasto Edgar como amigo, raramente o chama de pai, estudou em casa, pois não aguentava as escolas particulares, segundo ela os populares lhe davam não só raiva, mas pena, não sabiam o que era passar fome, frio ou nada relacionado as dificuldades da vida e deveriam ter um choque da realidade que estava bem na frente de seus narizes.


Responda em poucas palavras como se fosse a sua personagem:

1. Em uma prova de roupa acidentalmente a serva a espeta com um alfinete, qual seria a sua reação?
Fico parada para ela não fazer nada de errado, é só uma fisgada nada demais, na verdade nem sentiria, sempre acontece. Não é como se fosse uma facada, não vou ter uma hemorragia (revirando os olhos)

2. Os fins justificam os meios? Do que você seria capaz de fazer para chamar a atenção do príncipe? Jogaria sujo?

Fins não justificam os meios. Nunca faria nada que prejudicasse ninguém. Isso só mostra o quão desesperada a pessoa está para conseguir o que quer

3. Nos conte como foi a sua reação ao saber da Seleção do Príncipe e o que levou você a se inscrever.

Acordo assustada e suando frio, aconteceu de novo, pelo menos não saiu nenhum som da minha boca dessa vez. Já me acostumei com isso, mas ainda parece tão real, olho o relógio e são 2 da manhã, me visto e pego meu equipamento, saio em silencio para não acordar ninguém, vou para o estábulo e celo meu corcel meia-noite, um cavalo selvagem que somente eu consegui domar, ele como sempre já sabe para onde deve ir, para o único lugar que me sinto em paz, a floresta. Não preciso guiá-lo, seguro o meu arco na mão, indo pelo caminho que faço praticamente todos os dias, só de sentir o cheiro das arvores, o canto dos pássaros já me sinto melhor, consigo guardar novamente as lembranças que me assombram, deixo meia-noite na entrada da floresta e sigo andando, caço 3 coelhos e 2 esquilos, percebo que o sol já está alto guardo tudo e volto pra casa. Deixando apensas um coelho pendurado na arvore sei que Magnus vai gostar de carne fresca.
Já estão todos de pé e comendo, minha irmã Hope conversa alguma coisa com minha mãe e meu irmão Daniel fala algo com minha amiga Gabriela, que por sinal está eufórica, só não sei o motivo.
_ Bom dia. –saúdo todos
_Bom dia, foi caçar de novo? – pergunta meu irmão mais velho Christopher
_Sim. –respondo e me sento.
_Então, Kathrine ... Tem correspondência pra você. –diz minha mãe, eu franzo as sobrancelhas e pergunto de quem é?
_DO PALÁCIO! – Gabriela praticamente grita nos meus ouvidos, ela é filha da nossa cozinheira, nasceu e cresceu aqui, como minha amiga exigi que dormisse num dos quartos da casa e que estudasse comigo. Uma segunda irmã mais nova para cuidar e proteger.
_Não cometi nenhum crime. – falo depois de um gole de café. –porque mandariam uma carta pra mim?
_ É da seleção. –fala Edgar e eu engasgo. – pra você.
_Não vou participar. –falo e me levanto, vou para meu quarto sabendo que alguém me segue.
_ Porque não vai participar? Você tem que participar, você PRECISA participar. –Gabriela praticamente me implora com aqueles olhos pidões
_Gabriela, pelo amor de Deus, o que o príncipe veria em mim? Nada, não sirvo para ser princesa, quanto mais rainha, não sou um poço de gentileza, muito menos paciência, se alguém falar alguma coisa que eu não goste posso acabar matando alguém – ela solta uma gargalhada, sabendo que seria capaz isso. –acorde minha amiga, parece que não me conhece.
_Vamos participar, por diversão, você pode achar seu grande amor, se tornar rainha, você seria perfeita, sabe de muitas coisas, é inteligente, bonita, alem disso, ninguém garante que será escolhida. –fala enquanto procuro roupas de treino, finjo que não escutei e vou tomar meu banho, mas ela me segue. –por favor, Kat, por favorzinho. - bufo ela é bem persuasiva quando quer.
_ Vou pensar no seu caso. –digo e deixo ela pra trás, saio de casa e encontro Iroh na calçada me esperando com um sorriso sarcástico no rosto, era só o que faltava
_ Então resolveu aparecer, pensei que a futura selecionada não iria mais sujar suas belas mãos. –me limito a revirar os olhos.
_Não vou te poupar hoje só por essa gracinha. –passo por ele e vamos a sala de treinos.
_Seu irmão Enzo disse que você não vai se inscrever. –ele diz colocando as luvas.
_E não vou, não vejo necessidade. –digo entrando em posição de combate.
_ Ah, Kat você é uma pessoa maravilhosa deveria dar uma chance, nunca se sabe o que pode acontecer. –ele diz e logo depois começamos a luta, depois de alguns desvios, consigo acertá-lo com um uppercut. –pegou pesado dessa vez.
_ Já disse que não e bem feito, da próxima tome cuidado com o que fala. –digo o ajudando a levantar. Voltamos pra casa com Iroh falando as vantagens e desvantagens de me inscrever, às vezes tenho vontade de quebrar seus dentes. Já é hora do almoço e todos estão na mesa, engraçado quando se trata de comida, eles são pontuais. Ninguém toca no assunto, mas Gabriela me olha com expectativa, reviro os olhos e assinto, ela respira aliviada e sorridente, qual a chance mesmo uma em um milhão.
(...)
Resolvi ir na floresta, não no horário habitual, preciso ver Magnus, ontem vi que ele tinha se ferido com um espinho e preciso me certificar que está bem, dessa vez vou com a aurora minha égua branca, a uso mais para os passeios ou quando pratico equitação, assim que o avisto, assobio e ele se vira para mim, é bom saber que ele se sente grato por tudo o que eu faço, ele reconhece e do seu jeito agradece por ter salvo sua vida há anos atrás. Verifico sua asa e vejo que está melhor, passo o remédio e dou um pedaço de carne de frango, volto pra casa, pois já está escurecendo.
Quando chego todos estão de boca aberta olhando fixamente para a televisão, Gabriela pula igual a uma louca e meus irmãos mais novos riem sem parar, assim que percebem minha presença, olham como se eu fosse de outro mundo.
_O que aconteceu? –pergunto já incomodada com a atenção.
_Você foi selecionada. –responde minha irmã Esperança e Gabriela ao mesmo tempo.
_ O quê!? –grito Nem tenho tempo de pensar ou deixo eles falarem nada, saio de casa correndo e vou para a floresta , preciso ficar sozinha.

Não acredito que dentre tantas fichas a minha foi selecionada, deveria ter mentido naquele papel, o que eu fiz pra merecer isso? O que meu pai diria se estivesse aqui? Será que aprovaria? O que eu vou fazer naquele castelo? Bem a resposta é obvia, lutar pelo coração de um homem, do príncipe, mas será que o príncipe iria se apaixonar por mim? Chega! Preciso parar com isso, como o meu pai sempre disse “o ontem é história, o amanhã um mistério, o hoje é uma dádiva é por isso que se chama presente” e eu tenho que viver um dia de cada vez e o tempo dirá o que vai acontecer. Respiro fundo e olho ao redor, vejo que está muito escuro, mas conheço esse lugar como a palma da minha mão. Chego em casa e Edgar me espera sentado na poltrona.Nós encaramos até ele perguntar
_Você está bem?
_Estou ficando. –digo sincera, ele é mais que um padrasto, é meu amigo.
__Espero que sim e boa sorte. Boa noite –se levanta e o observo subir as escadas, fazendo isso logo em seguida. Melhor eu dormir dias agitados virão.


Seja bem vinda Selecionada!



Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...