~tia_Fablivs

tia_Fablivs
Fanática por livros!
Nome: Livia
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Florianopolis, Santa Catarina, Brasil
Aniversário: 10 de Dezembro
Idade: 13
Cadastro:

Anakin Skywalker


Postado

Anakin Skywalker

ANAKIN SKYWALKER

Descoberto por Qui-Gon Jinn e Obi-Wan Kenobi quando era escravo em Tatooine, Anakin Skywalker tinha o potencial de se tornar um dos mais poderosos Jedi de todos os tempos. Alguns acreditavam que ele era o Escolhido da profecia, aquele que traria equilíbrio à Força. Herói das Guerras Clônicas, Anakin era gentil e compassivo, mas seu medo de perda acabaria se tornando sua ruína.


DARTH VADER

Antes um heroico cavaleiro Jedi, Darth Vader é seduzido pelo lado sombrio da Força, torna-se um Lorde Sith e lidera a erradicação da Ordem Jedi pelo Império. Por décadas, ele continua a serviço do Imperador, o perverso Darth Sidious, impondo a vontade de seu mestre e tentando esmagar a nascente Aliança Rebelde. Mas ainda existe algo de bom nele...


Em sua mais tenra idade Anakin Skywalker já era dotado de muita ambição. Filho de uma escrava, e consequentemente escravo, o jovem sonhava que um dia sairia voando em uma nave espacial para tornar-se um Jedi, voltar e libertar todos os escravos. Mas apesar de ser um jovem ‘diferente’, como sua mãe o descreve, ele nunca havia feito nada de pródigo. Sua ambição estava limitada em uma condição de ser escravo que lhe era imposta deixando o “sujeito a…” alguém, dentro de uma condição opressiva. Desta maneira se dá a primeira relação de Anakin com o poder. Neste cenário seu poder é limitado, Skywalker está subordinado à condição inerente herdada de sua mãe e por isso deseja ser mais poderoso para poder decidir entre ser livre e ser escravo por todos que estão na mesma condição. A mãe acredita que o jovem é altruísta e que não espera nada em retorno, mas podemos perceber que Ani espera a liberdade em retorno, como se ajudando os outros, em algum momento seria ajudado.



O tempo passa e o nosso herói desenvolve papel importante como general dentro das guerras clônicas. É atrevido, impulsivo e desleixado, por outro lado é criativo, confiante e habilidoso. Suas ações como general colocam o exército da República próximo à vitória. Em conjunto com suas habilidades, cresce também sua indiferença em relação à morte, por muitas vezes está convicto de que decidir pela vida de seus inimigos. Assim sua relação com os seus mestres Jedi torna-se cada vez mais delicada e tênue. Já sua relação com o chanceler anda “às mil maravilhas”, pois este insiste em bajular o jovem, agradando-o e sustento sua auto-imagem inflada. Ani permanece deslocado no meio desta “guerra fria” entre o Conselho e o chanceler. Mais uma vez nosso herói fica a “mercê de…”, por ambos os lados. Recebe o pedido de espionar os dois lados, funcionando como agente duplo, porém o jovem esperava este tipo de atitude do chanceler, mas não dos seus Mestres.

Durante um diálogo, Palpatine conta uma história para ele sobre um Sith que ao atingir o ápice de seu poder podia impedir as pessoas que amava de morrer. Vale ressaltar que Anakin já havia contato sobre seus pesadelos para o chanceler. Os pesadelos com Padmé se intensificam e o jovem começa a sonhar acordado com a morte da esposa. Anakin acredita ter encontrado um meio de salvá-la deste futuro. Sem uma análise mais profunda podemos nos precipitar e erroneamente constatar que a traição de Anakin foi devido a sua vontade de preservar a vida de sua esposa. Mas ao verificar os sentidos que o poder sobre a vida e morte tem perante toda a história de vida do personagem, tal constatação torna-se insuficiente. Temos que levar em conta a ânsia do jovem por poder, o poder de evitar as determinações incontroláveis da existência, por exemplo, a finitude. Acredita ter que possuir este seu dom, já que no fundo está colado na imagem de ser “o escolhido”. Ani sentia-se limitado pelas decisões do Conselho Jedi, enquanto o chanceler lhe oferece o “poder ilimitado”. O Jedi que nunca se satisfez com o seu estado e sua posição no mundo decide ter e ser mais.



Só há um sentido em sua vida agora, buscar poder. Torna-se paranóico, pois teme perder o poder que já tem, assim como perder a possibilidade de possuir mais. Em sua paranoia desconfia de sua esposa e quase a mata sufocada. Aqui constatamos que sua traição acontece por motivos egoístas e narcísicos. Anakin quer o poder para si, controlar sua condição e controlar o mundo a seu bel prazer. O pretexto de salvar Padmé perde o seu sentido, mostrando que suas ambições ultrapassam o altruísmo. Skywalker diz para sua esposa que eles poderão fazer as coisas como quiserem, afirma ser forte o suficiente para derrubar Sidious, e que juntos o casal poderá governar a galáxia. Aqui o jovem já se desorganiza todo, não sabe mais o que quer, está completamente cego e seduzido pelo poder. Obi-Wan Kenobi encarrega-se de impedir as ações malignas de seu aprendiz. Durante a épica batalha entre Skywalker e Kenobi um diálogo importante acontece, após sufocar Padmé, Vader diz:

Vader: Você a jogou contra mim!

Obi-Wan: Foi você mesmo que fez isso!

Vader: Não vai tirá-la de mim!

Obi-Wan: Sua raiva e cobiça pelo poder já fizeram isso! Permitiu que esse Lorde Sombrio fizesse sua cabeça, agora você se tornou aquilo que jurou destruir.

Vader: Sem sermões, Obi-Wan. Eu enxergo através das mentiras dos Jedis. Não temo o lado sombrio como você. Eu trouxe paz, liberdade, justiça e segurança ao meu novo Império.

Obi-Wan: Seu novo Império?

Vader: Não me obrigue a matar você.

Obi-Wan: Anakin, minha lealdade é para coma República. À democracia!

Vader: Se você não está comigo… então você é meu inimigo.

Obi-Wan: Somente um Sith é tão radical assim. Farei o que devo fazer.

Vader: Você vai tentar.



Vader está delirante, sua percepção de realidade totalmente deturpada torna-se uma ameaça. Acredita ser um herói e já possuir todo o poder que busca. Está tomado por ódio e seduzido pelo poder. Não percebe as consequências de seus atos e acredita apenas em suas versões de verdade. Não há mais o outro, a única coisa que importa é Vader. Após vencer a batalha e mortalmente ferir Vader, Kenobi se desespera:

Obi-Wan: Você era o escolhido! Devia destruir os Sith e não se juntar a eles! Trazer equilíbrio a Força e não deixá-la na escuridão!

Vader: Eu odeio você!

Obi-Wan; Você era meu irmão, Anakin. Eu amava você.

Vader é envolto em chamas e abandonado para morrer por seu antigo Mestre. Kenobi está frustrado, pois seu aprendiz se perdeu em sua destinação e por consequência seu treinamento falhou. Vader está totalmente impessoal e é só ódio. Acaba envolto por chamas, como se a cobiça e o ódio fossem uma chama que queima o ser até não restar mais nada. Pouco do homem que ali existia, ainda permanece. Quando seu corpo é reconstituído com anatomia robótica, Darth Vader está completo. Agora é mais máquina do que homem. O vilão apresenta um percurso de retorno à condição inicial, voltando a ser escravo, o que é contraditório ao seu projeto de vida inicial de libertar-se da condição de escravo. Torna-se escravo do Imperador, das máquinas que o mantém vivo e de sua culpa, por ter perdido sua mãe e esposa. Sente-se culpado por não ter este poder e por ter ido embora a deixando à mercê do destino. O mesmo sentimento de culpa transpõe-se para sua falha em relação ao seu projeto de vida: libertar todos os escravos, pois não tem este poder. Seu desejo por controlar a vida e a morte, e consequentemente o destino de todos, se transforma em desejo por controlar/escravizar os outros. Não foi o Jedi que deveria ser, não foi o escolhido, não tem o poder ilimitado. O escravo, agora escraviza, não liberta.

Escutando: Star Wars theme
Lendo: As crônicas de gelo e fogo - guerra dos tronos

Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...