~Tia_Killer

Tia_Killer
; deusdedit is mine bitches
Nome: Anne
Status: Usuário
Sexo: Feminino
Localização: Indisponivel
Aniversário: 27 de Julho
Idade: 17
Cadastro:

Apenas um desabafo que talvez você nunca irá ler


Postado

Apenas um desabafo que talvez você nunca irá ler

Eu me apaixonei pelo menino que não tinha medos, mas que se mostrava extremamente sensível quando eu precisava. Eu me apaixonei pelo garoto que não se importava com o fato de eu ser uma “Treme-Terra”. Por aquele garoto que não ligava para o que os outros iam falar ou fazer. Eu me apaixonei pelo cara que sorria toda vez que me via, de um jeito discreto. A gente passou por muita coisa, é verdade, passamos por situações que faria qualquer um pirar. Eu me tornei rude e grossa depois de toda essa decepção. E você, bem, você se atrofiou aos poucos, você ruiu aos poucos. Eu não sei se eu esperei demais de você ou se foi você que mudou.

Eu não me apaixonei por esse babaca que fica me chamando de Pikachu e fazendo piadinhas infames sobre tudo isso. Você virou uma pessoa terrível e mesmo não percebendo, você também sente falta da pessoa que você era antes.
Eu quero o meu menino de olhos claros de volta. Eu quero de volta aquele menino que sentia ciúmes até do seu melhor amigo perto de mim. Eu quero o menino que foi perfeito quando tirou meu BV. Eu não quero esse menino instável que em uma hora me ama como se o mundo fosse acabar amanhã, e na outra, finge que eu não existo perto dos seus amigos. Afinal, perdi a conta de quantos domingos tornaram-se perfeitos do teu lado. Perdi a conta de quantos dias amanheci no teu quarto, desejando boa noite infinitamente. Perdi a conta de quantas vezes jurei amor a teu dedo mindinho, quantas calcinhas minhas repousaram no seu chão, quantos metros do seu corpo abastado percorri com meu paladar.

Eu não queria voltar no assunto, mas sabe, dói muito saber que você está sumindo da minha vida. Foi a primeira vez na vida que pensei que estava fazendo algo certo. Mas como sempre, eu estava errada. Eu deixei passar algo.

Eu não sei o que exatamente aconteceu conosco. Não sei se foi por que o mundo te colocou pra baixo e eu não soube o que fazer. Não sei se foi depois daquela briga onde dissemos e fizemos muita besteira, mas tenha certeza que, naquela noite em meados de julho, eu soube que nós nunca mais seriamos os mesmos. Eu passei a madrugada toda chorando, meu coração acreditava que nunca mais teria você de novo e então ele se despedaçou. Sentia-me como se tivesse levado uma surra. Estava quase amanhecendo quando eu não pensava em mais nada a não ser em seu rosto, seu cheiro, sua voz. A mão áspera formigava para pegar o celular e lhe fazer uma ligação. Minha ansiedade não aguentava mais. Precisava matar aquela angústia, aquela vontade incontrolável de ouvir seu suspiro na ligação. Mas eu não o fiz. Invés disso peguei um cigarro, traguei algumas puxadas. Em alguns minutos já estava em êxtase pela nicotina. Meu coração ficou mais vulnerável, e chorei. Chorei feito recém-nascido, chorei tanto que já estava implorando por ajuda. Implorava pelo seu nome, mas como sempre, você não me ouvia.

Não disse nada á você no dia seguinte, não gritei, não esperneei. Aos poucos iria percebendo que estava me adaptando a viver sem você. Eu deveria me sentir mais tranquila por isso, mas não me sentia. Sentia-me como uma árvore sendo cortada no meio, sem poder protestar. Eu morria um pouco toda vez que ouvia seu nome, mas eu aprendi a sobreviver.

Lembro-me de uma vez que a Julia me perguntou se eu conhecia você. Um milhão de memórias se passaram na minha cabeça. Eu respirei fundo, olhei pra cima, numa tentativa falha de não chorar e diante da cara de confusão dela, respondi: “Não mais”.

Um tempo depois veio a noticia. Você era o novo namorado da Julia. Eu sorri desejando a ela parabéns, mas no fundo, eu me senti... Não sei, não consigo explicar como me senti naquele momento. Só sei que queria correr o mais rápido que conseguia pra longe de tudo aquilo. Queria bater com a cabeça mil vezes na parede do banheiro, na esperança de desmaiar e acordar com amnésia. Mas não o fiz.

Eu realmente fui para o banheiro e me agachei no chão da primeira cabine que eu vi, mas eu apenas chorei um oceano inteiro naquele momento. Eu precisava esvaziar. Sentia meu corpo todo tremer, e os soluços já saiam sem permissão. Eu não conseguia acreditar que você conseguiu esquecer tudo o que passamos. Eu me sentia tão estúpida.

Já se passaram dois anos e eu ainda sou completamente apaixonada por você. Você não namora mais a Julia, mas também não nutre mais nenhum sentimento por mim, e se nutre não se esforça pra demonstrar.

Eu queria que você estivesse no meu lugar agora. No meio dos meus livros, dos meus filmes, dos meus pensamentos, dos meus suspiros e diante da minha confusão. Queria você nesse lugar em que tudo me faz lembrar nós, pra você entender que deveria ficar.

Será que a gente pode fingir, por uma noite só, que as coisas não mudaram?

Escutando: Same mistakes- One Direction

Gostou da Jornal? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...