História Common Opposites - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Infinite
Personagens Dongwoo, Hoya, Myungsoo (L), Sunggyu, Sungjong, Sungyeol, Woohyun
Tags Abo, Gyuwoo, Myungyeol, Omegaverse, Sunggyu, Woogyu, Woohyun, Yadong
Exibições 28
Palavras 2.000
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Famí­lia, Lemon, Luta, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


ʕ・ิɷ・ิʔฅ olar leitores queridos~
Não quis esperar muito pra postar esse capítulo porque já estava pronto.
Aproveitem~

Se tiver errinhos, ignorem~ ∩(︶▽︶)∩

Capítulo 2 - Fuga


Fanfic / Fanfiction Common Opposites - Capítulo 2 - Fuga

Vermelho.

Tudo estava vermelho e queimava. O fogo e a fumaça estavam por toda parte. Gritos e gemidos eram ouvidos a distância na noite escura.

Um lobo branco corria pela noite.

Passos lhe seguiam e o medo o assustava fazendo seus olhos se embaçarem. Mas o lobo não parou e ao contrário continuou correndo. Porque ele tinha. Ele apenas tinha.

Outros lobos corriam na sua frente. A vida de Sungyeol, Myungsoo, Dongwoo e Sungjong estava em suas mãos e Sunggyu os defenderia com tudo que pudesse.

Mas as chamas pareciam se aproximar cada vez mais. A fumaça atrapalhava sua vista, o cheiro atordoava os seus sentidos. O medo se rastejou em sua pele e a escuridão acobertou tudo em sua volta.

Quando as chamas abraçaram seu corpo numa barreira escaldante, ele uivou ao céu em dor.

ʕᵔᴥᵔʔ ~ ʕᵔᴥᵔʔ~ ʕᵔᴥᵔʔ~ ʕᵔᴥᵔʔ

Sunggyu acordou ofegante em sobressalto.

Ele havia sonhado novamente aquilo. Fazia algum tempo que o sonho não lhe incomodava, mas de alguma forma, ele voltou.

Por causa disso, Sunggyu acordava suando e com medo outra vez.

Ele nunca conseguiria ficar bem. Não sabendo que lá fora podia ter caçadores que ameaçava de paz dos meninos. Como líder, Sunggyu não deixaria nada de ruim acontecer a sua alcateia. Ele já tinha perdido sua família uma vez, não perderia novamente.

Balançando a cabeça e descartando esses pensamentos perturbadores, Sunggyu resolveu tomar um banho.

Depois de arrumado, ao chegar à cozinha, deparou com Sungyeol e Sungjong discutindo sobre torradas e macacos. Myungsoo ria enquanto Dongwoo comia seu café da manhã animadamente. Sungjong revirava os olhos, parecia estar com a paciência já acabando com as teorias exageradas de seu hyung.

Apesar de serem irritantes na maioria das vezes, Sunggyu não trocaria seus meninos por nada nesse mundo.

– Líder!!!! – Sungjong choramingava – Faz ele calar a boca. Eu quero comer em paz!

Sunggyu apenas bateu na cabeça de Sungyeol e disse “pare de incomodar o Jong”, enquanto se juntava a mesa para aproveitar seu café da manhã.

Os meninos sempre o chamavam assim. Não de Alfa Líder. Apenas de líder.

Porque Sunggyu não era nenhum alfa. Não, segundo a sua natureza, ele foi classificado como ômega desde seu quatorze anos.

Mas quando a cidade deles foi queimada abaixo por caçadores, foi Sunggyu quem os salvou.

Por ser filho do falecido Rei dos Lobos Nortenhos e ter sido criado como um alfa, os meninos o tratavam com respeito e o escolheram como líder. Apesar da tradição de seu povo em que um alfa que tem que liderar a alcateia, eles anularam isso entre si e combinaram que Sunggyu faria um líder melhor.

Já fazia dois anos desde o acidente que matou suas famílias e que fez os cinco fugirem do norte para uma região mais ao sul. Com sorte, acharam uma fazenda abandonada no meio da floresta.

Resolveram então morar no local. Plantavam, caçavam e tentavam sobreviver a sua maneira ali. Felizmente, nenhum caçador havia descoberto o lugar ainda por ser escondido pela densa mata, mas por terem sido traumatizados pelo acidente surpresa, todos sempre ficavam em alerta.

Se caçadores avistassem cinco rapazes morando numa casa, sozinhos no meio da floresta certamente ligariam a lobos e nada que pudessem dizer os ajudaria. Quando se tratava de lobisomens, eles eram implacáveis e até mais cruéis que os próprios lobos, pois tinham suas armas que cospem fogo.

Por isso sempre andavam em grupos e não muito longe de casa. Havia uma cachoeira perto da fazenda que eles iam de vez em quando, mas por precaução ficavam na maioria das vezes em sua forma humana com exceções quando iam caçar.

A civilização mais próxima dali ficava há dois dias a pé, em um pequeno vilarejo.

Sunggyu e Dongwoo iam lá de vez em quando para comprar coisas essenciais como remédios, produtos higiênicos, produtos para ajudar a colheita e algumas coisas aleatórias que os mais novos pediam.

Os humanos de lá eram gentis e não desconfiavam dos dois pelo que Sunggyu esperava. Para eles, Sunggyu e Dongwoo eram irmãos que viam comprar coisas para os pais que viviam longe e já eram idosos. As senhoras adoravam Dongwoo e sempre tratavam de dar algo doce para ele, ao qual sempre agradecia com seu sorriso quilométrico. Apesar disso, Sunggyu sempre ficava apreensivo quando ia lá. Tinha medo de qualquer momento um humano descobrir seu segredo e os atacar.

Só voltava a relaxar quando já estava em casa, junto com sua alcateia. Quando Myungsoo vinha o abraçar, sem dizer nada, o mais velho sentia sua apreensão. Seu irmão mais novo sempre implorava pra ir junto “por que eu sou um alfa, eu preciso te proteger oras”, mas Sunggyu sempre argumentava que ele devia ficar “você precisa proteger Sungyeol e Sungjong, não tem ninguém melhor aqui que você” e Sunggyu conseguia o convencer. Myungsoo tinha um apreço pelos dois – principalmente Sungyeol que futuramente poderia se tornar seu companheiro, se o que Sunggyu suspeitava estivesse certo – e ele faria tudo por eles.   

Há dois anos, os amigos viviam tranquilamente e assim Sunggyu esperava que fosse até o fim. Talvez no futuro Dongwoo e as crianças achassem seus companheiros (as) e fariam suas famílias, mas por enquanto era só os cinco e tudo estava bem.

ʕᵔᴥᵔʔ ~ ʕᵔᴥᵔʔ~ ʕᵔᴥᵔʔ~ ʕᵔᴥᵔʔ

 – Não.

– Hm... Príncipe Woohyun, eu não acho que isso é algo que você possa recusar. São ordens do seu pai. – Hoya estava falando formalmente por Boohyun estar na sala.

– Woohyun-ah isso não é algo que podemos decidir. A tradição é assim. Nossos avós fizeram assim e antes deles nossos antepassados também. Nosso pai fez isso.

– Não. Nós não somos nosso pai. Eu me recuso a fazer esse ritual ridículo! Não podemos, sei lá, esperar até ele morrer ou algo assim? E lutar com você para decidir? O que é isso? Enquanto caçadores estão na nossa cauda nos matando um por um, vamos lutar entre nós para decidir quem é o líder? Não. Eu não vou fazer isso. Você é meu irmão e ele é meu pai, vocês são minha família. Eu nunca iria machucar alguém da minha própria família.

Boohyun suspirou. Woohyun era teimoso e nada que falassem para ele adiantaria. Sinceramente, a tradição deixava um gosto amargo em sua boca também, mas ao contrário de Woohyun, Boohyun era um filho obediente. Ele foi criado a vida toda para ser o rei dos lobos e líder da alcateia e ele faria de acordo com as expectativas que lhes foram depositadas.

– Você pode ficar com a alcateia. Não é como se alguém aqui gostasse de mim além da minha mãe e dos meus amigos. Só me aturam por ser filho do nosso pai, nunca me aceitariam como rei deles. Eu sei que papai vai te dar a coroa mesmo, não tem porque perdemos tempo com isso.

– Mas você tem uma chance de provar seu valor filho. Que você também pode ser um rei e um líder.

O Rei dos Lobos entrou na sala e sentou-se em sua cadeira real. A Rainha Ômega sentava-se ao seu lado. Prontamente os presentes na sala se curvaram, exceto Woohyun que parecia irritado.

– Você quer mesmo que seus dois filhos lutem para decidir quem vai te matar mais tarde e assumir o trono? Está tão animado para isso? Quer tanto ver a sua família destruída então porque não nos entrega logo para os caçadores?

– Woohyun! – A rainha repreendeu em um sussurro.

– É a tradição, Woohyun. É necessário demonstrar que você é o alfa mais forte e o líder mais sábio para a alcateia. Você precisa eliminar o antigo líder da alcateia e ele precisa morrer em batalha. Sempre foi desse jeito e é assim que tem que ser. Eu já aceitei meu destino e você deve aceitar o seu. Agora pare de ser infantil e faça como eu comandei.

– Mãe! – O moreno olhou para sua mãe, buscando ajuda. A mulher apenas acenou a cabeça negativamente, com um semblante triste. Era tão difícil para ela quanto para todos.

– É a tradição querido.

Woohyun suspirou irritado e bagunçou os cabelos. Não sairia dessa tão facilmente como queria, não podia impedir a morte de seu pai quando todos estavam contra ele.

– Droga, só isso que todo mundo aqui sabe falar? É por causa do rumor de guerra? O povo está com medo eu sei, mas eles não precisam de uma cerimônia de passagem de liderança. Nós precisamos todos ficar unidos e atacarmos a cidade dos humanos antes que eles ataquem a nossa.

– Woohyun-ah, seu pai já está numa idade em que ele não pode mais proteger o povo. Boohyun e você são mais jovens, fortes, ágeis e corajosos. Vocês foram bem educados e treinados por nós e nossos subordinados. Tenho certeza quem quer que seja o próximo rei, será um ótimo líder. Para isso que você está falando aconteça, o povo precisa estar assegurado que seu líder sobreviverá e triunfará. O seu pai, sua saúde...  – Sua mãe balançou a cabeça e abaixou a cabeça, as lágrimas ameaçando a cair do canto de seus olhos.

Woohyun sabia. A saúde de seu pai estava ruim. Não é como se ele pudesse sair lutando por aí, mas também era para isso que servia seus filhos e os vários alfas e betas da alcateia, não? Seu pai era um bom governante, seria uma pena perdê-lo assim dessa forma.

– Certo, então faça de Boohyun o rei, como queira. Mas não matando você. Isso é errado. Você é o nosso pai.

– Basta! – O rei gritou – Você irá fazer conforme a tradição Woohyun e ponto final.

– Não! Eu não vou fazer parte dessa palhaçada. Adeus. – O moreno bufou e foi embora.

ʕᵔᴥᵔʔ ~ ʕᵔᴥᵔʔ~ ʕᵔᴥᵔʔ~ ʕᵔᴥᵔʔ

Tudo já estava pronto. Ele não levaria muito, apenas coisas necessárias e um pouco de dinheiro humano caso passasse por alguma vila.

Quando a noite caiu, Woohyun colocou seu plano em ação. Já que tentar colocar um pouco de senso na cabeça dos adultos não funcionou, ele teria que fugir.

Agarrou suas coisas, pulou da janela - porque seu pai havia colocado seguranças na porta; ridículo não? - e correu.

Pegando o atalho por entre as casas, correu em direção à floresta.

Seu coração começou a disparar e a adrenalina fluiu em seu corpo. A luz da lua brilhava sobre ele, o abençoando.

Só após chegar ao local combinado com Hoya, ele parou. Correr em forma humana era cansativo. Woohyun não via a hora de poder se transformar.

Ouviu um farfalhar nas folhas que o fez ficar em alerta, mas logo descansou quando Hoya apareceu por entre as árvores.

– Você é oficialmente maluco. – O mais novo suspirou. – Eu não sei por que ainda te escuto.

Woohyun sorriu. Hoya seu fiel amigo que lhe jurou lealdade concordou em fugir com ele sem nem mesmo hesitar. Na verdade, ele já sabia o que Woohyun ia fazer antes mesmo dele ter a ideia.

Hoya e Woohyun eram melhores amigos desde pequenos. Seus pais foram amigos e ao estudarem juntos, os dois se aproximaram – ainda mais quando descobriram ambos serem alfas. Infelizmente, o pai de Hoya foi morto pelos caçadores quando foi visitar a família no norte e sua mãe morreu pouco depois; ela entrou em depressão ao perder seu companheiro. Quando seus pais morreram, ele se mudou para a casa principal e jurou lealdade ao príncipe, prometendo servi-lo sempre.

– Obrigado por vir cara. Sempre posso contar com você.

– Woohyun, você sabe que isso não vai impedir da cerimônia de acontecer né? Se duvidar, vai apressar mais.

– Eu sei... mas eu já estarei bem longe daqui quando acontecer.

– Mas nós seremos dados como desertores... e não poderemos voltar. Eles podem até querer nos matar depois...

Woohyun olhou para trás e sorriu para Hoya.

– Não se preocupe. Eu escrevi uma carta oficial de saída. Boohyun-hyung vai me acobertar. Não sobrará escolha ao meu pai a não ser assinar e me deixar livre.

Hoya suspirou e chacoalhou a cabeça.

– Então vamos logo. Eu tenho um companheiro a encontrar.

E assim os dois rapazes de transformaram em lobos e saíram pela noite escura.


Notas Finais


Lembrando para quem não sabe sobre o universo ABO, recomendo que leia esse jornal: https://spiritfanfics.com/perfil/sunggyutrash/jornal/abo-explicacao-7116900
(ps: provavelmente não pegará pelo mobile, então copiem o link e colem num navegador de internet.)


Então.. eu estava pensando em fazer um trailer, mas fiquei com preguiça haha
Mas.. quem sabe né... talvez aconteça kk

E então? O que acharam? Compartilhem seus pensamentos~~ ^~^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...