História So Far Away - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga
Exibições 45
Palavras 5.969
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, Hentai, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Geeeente me perdoe a demora, estou sem tempo pra postar, é eu estou escrevendo outra fic, então ficou um pouco difícil, mas aqui está ele! LEIAM AS NOTAS FINAIS!

Capítulo 16 - Busan


                Escutei o toque irritante do meu celular, que estava entre os meus seios, tenho que lembrar mais tarde de estrangular o Hoseok por ele ter colocado essa merda irritante como toque do meu celular, nem se quer olhei quem era a anta que ousou me ligar a está hora da madrugada, cancelei a chamada sem pensar duas vezes, e continuei segurando o celular como se a minha vida dependesse disso, não sei o porquê. Me arrependi de ter aberto os olhos tão de repente, o sol batia literalmente na minha cara, as cortinas estavam abertas e a minha cabeça girava. Xinguei a maldita pessoa que tinha deixado as cortinas abertas, depois de me mexer um pouco, percebi que eu estava deitada no peito de alguém e eu ainda sentia um peso na minha bunda até as minhas pernas. Pensei que fosse o Suga, já que ele é o único cara que eu estou tendo relações ultimamente (O que é bem estranho), mas o cheiro não era o dele, e nós não temos o costume de fazer sexo em camas, outra coisa que não costumamos fazer é ficar abraçados. Sim, nós somos muito estranhos.

        Minha cabeça continuava girando, mas mesmo assim eu a levantei, olhei para o lado que estava o rosto da pessoa, mas o mesmo estava coberto com uma cueca samba canção. Quando olhei para o outro lado, paralisei, pensei que eu tinha injetado metanfetamina na minha veia, fiquei muito louca e agora eu estou vendo coisas. Mexi a minha bunda pra ver se eu sentia o contato, e senti, então quer dizer que era real.

   Tem uma mulher pelada em cima de mim!  

         Foi simplesmente a única coisa que eu pensei naquele instante. Demorei um pouco pra entender que aquilo não era fruto da minha imaginação conturbada, só que logo assim que eu percebi, um grito saiu rasgando pela minha garganta. Tirei minhas pernas de baixo da mulher de alguma forma inexplicável e, a chutei, foi quase sem querer, e depois eu cai no chão também. 

            -Argh...cala a boca, eu quero dormir! - como ainda era de madrugada (pra mim), então eu não estava agiu o suficiente para desviar do travesseiro que veio na minha direção com tudo, senti a minha cabeça ir e volta, fazendo com que eu ficasse mais tonta ainda. De alguma forma eu sabia de quem era aquela voz, então eu me arrastei no chão como uma cobra na direção da pessoa com o intuito de mata-la. Vi a figura deitada no chão, do tronco para cima estava na parte do banheiro, e as pernas estavam no quarto. Cheguei até ela rápido, porque eu já estava um pouco perto, me aproximei mais para ver o rosto da pessoa, e logo assim que eu vi, fiquei tão pálida quanto um ser albino, a pessoa que tinha jogado um travesseiro em mim, e que estava pelado no mesmo quarto que eu, com uma mulher nua (e morta) e outro cara também pelado com somente uma cueca samba canção na cabeça, era ninguém mais e ninguém menos que...o Aiko. Senti o meu celular (que eu ainda o segurava como se a minha vida dependesse aquilo) vibrar, dessa vez eu olhei quem era, o Menager estava me ligando pela décima vez, senti os meus órgãos se contorcerem de forma estranhamente estranha, mas eu não atendi. Levantei ainda meio zonza, olhei ao redor, e vi as condições do quarto de quinta categoria, porem aconchegante, e notei que eu também estava como os outros três ali, nua. Senti o meu celular vibra de novo, mas dessa vez era uma mensagem do Suga, e devo dizer que o conteúdo dela não era nada legal...deixei o celular cair no chão, e eu fiz o mesmo, só que eu cai de joelhos e coloquei as mãos na cabeça, os meus pensamentos estavam a mil assim como o meu coração, eu tentava lembrar o que tinha acontecido, mas não iria adiantar de nada, já que quando eu fico muito bêbada no dia seguinte não a quem faça eu me lembrar do que aconteceu. Olhei para a minha coxa, e nela tinha algo escrito, mas era só um monte de letras sem nexo algum. Era como: " Kskslshjsbwbqksbehehskeg ", e só! Eu quis me matar naquele exato momento. 

            -Ai, santa Afrodite! Que merda foi que eu fiz...? 

                        
                NO DIA ANTERIOR...


        Eu estava sentada no chão sem saber o que levar de comida exatamente, eu tentava descobrir qual tipo de salgadinhos me fazia não querer espancar um dos meninos durante a viagem, então a minha fixa caiu, nenhum tipo de comida podia fazer esse milagre, por mais gostosa que fosse. 

          -Suna, precisamos conversar. - comecei a olhar as opções de salgadinhos que tinha na dispensa, mas mesmo assim dava pra ver a Maria e a minha tia perto do balcão da cozinha. 

           -Não precisamos não...- quando a metade da minha bolsa já estava cheia, eu levantei e sai da cozinha indo em direção do meu quarto, as duas passaram por mim como o Flash, ficaram na minha frente, e logo assim o namorado da minha tia, mais conhecido como o Cosplay de Armário Albino, aparece atrás delas.

             -Precisamos resolver tudo de uma vez por todas! - a minha parecia realmente angustiada, mas isso pouco me importava. 

            -Sim, a sua tia está certa! Nós precisamos conversar sobre...- disse a Maria, e tudo aquilo já estava me irritando. 

          -Falar sobre o quê? Sobre a antiga vida de prostituta da minha tia? Ou sobre você ter simplesmente largado eu e a Sônia sem dinheiro algum nessa merda de país, e depois ter se internado em um manicômio?!

         -Por que nós não falamos sobre o clima lá fora? Porque o clima daqui de dentro está meio estranho.- disse o namorado da minha tia, mas só ela que deu ouvidos a ele, porque eu fiz questão de ignorar o que ele disse. 

 

          -Não era um manicômio, era um hospital psiquiátrico. - depois que ela disse aquilo, a minha mão simplesmente coçou pra dar um tapa nela.

           -Dá no mesmo! - tentei passar por ela, mas a mesma me impediu - Será que você pode sair da minha frente ou vai ficar ai me olhando com essa cara de bunda?

       -Você vai sentar e me ouvir, depois vamos conversar como mãe e filha de verdade e faremos as pazes - toda aquela postura autoritária e a ilusão que ela tinha criado sobre nós duas, só me fez querer rir.

             -Só nos seus sonhos que isso vai acontecer, e não tente mandar em mim, porque eu jamais irei te obedecer, okay? - ela me olhou por um momento, que pra mim apareceu anos, e depois saiu da minha frente. Voltei para o meu quarto o mais depressa possível, o carro passaria daqui alguns minutos, então eu já deveria estar pronta. 

           Quando eu estava colocando as roupas que eu já havia separado na mala, escuto alguém batendo na porta do meu quarto, eu já estava preparada pra xingar a minha tia ou a Maria, mas para a surpresa de todos não era nenhuma das duas megeras, e sim o namorado da minha querida titia. 

          -O que você quer? - eu não tinha tempo e nem paciência para falar com alguém agora, e muito menos pra enrolação. 

           -Deixaram isso no correio...E é pra você. - ele me entregou um envelope que não era conhecido por mim até o momento em que eu vi o nome da Rhode Island School of Designer escrito no envelope, as minhas mãos começaram a tremer no mesmo instante.

            -Você...pode abrir e ler para mim? - eu devolvi o envelope para o Knaw, o namorado da minha tia, e ele pegou de boa vontade, mas parecia que o mesmo estava mais nervoso que eu.- O que diz ai? - perguntei sem paciência. 

         -Aqui diz que você conseguiu passar na inscrição, mas você precisa ir até lá e fazer o teste para conseguir a bolsa de estudos. Meus parabéns! - ele realmente parecia feliz por mim, então fiz um esforço para ser pelo menos um pouco educada com ele. 

           -Obrigada, sério! - o meu sorriso saiu um pouco forçado, mas nem tanto.  

         -E então...você vai fazer o teste? - ele na cadeira onde ficava perto da minha escrivaninha e ficou olhando para o papel em suas mãos, enquanto eu estava terminando de fechar a minha bolsa com tudo que eu precisaria nesses dois ou três dias em Busan. 

         -Claro que sim! Não posso deixar essa oportunidade passar! - eu realmente fiquei muito animada com a notícia, eu até esqueci do meu mal humor matinal de sempre. 

         -Mas é o seu trabalho? - ele levantou da cadeira e foi pegar a minha bolsa, que estava um pouco pesada. 

          Aquela pergunta me pegou de jeito. É claro, eu tinha esquecido completamente, o meu emprego, os meninos, o meu melhor amigo com a sexualidade ainda não descoberta, e o pior de todos, que não tinha o direito de aparecer neste momento já que ele apareceu antes, mas insiste em me preocupar ainda mais, Suga. Resolvi deixar pra lá, eu ainda tinha muito tempo pra pensar e não iria esquentar a cabeça por causa disso, já basta a Maria e a minha tia enchendo o saco. E falando nos demônios, logo assim que pisei os pés na sala, as duas pararam de conversa e me olharam automaticamente. 

            -Aonde você vai? - perguntou a minha tia. 

           -Pra puta que pariu! - disse chegando perto da porta que dava acesso a saída da casa.

         -Boa sorte, então, aproveita e trás um pinto de lembrança! - quando ouvi ela gritar aquilo, não pude deixar de rir, e antes de eu sair completamente, eu ainda ouvi a Maria repreendendo o tipo de linguajar que eu e a minha tia usamos. 

        -Oi, Suna! - disse o Aiko logo assim que eu entrei e me despedi do Knaw. 

        -Ah...Oi, Aiko! Onde estão os meninos? - perguntei estranhando a ausência dos garotos barulhentos. 

        -Eles estão na empresa ainda, o Menager disse que era para eu ir te buscar primeiro, ele falou que queria falar com você. - ele falou já dirigindo. 

         -E o que ele quer comigo? - fiquei curiosa para saber o que era.

         -Não sei. Talvez seja sobre a briga de ontem. 

        -Verdade. Pode ser isso.- quase que revirei os olhos só por ter lembrado de ontem, onde eu fiz o favor de torcer o meu pulso, e agora eu tenho que ficar usando uma luva patética na minha mão. 

prestar atenção na estrada por uns cinco minutos para poder me olhar. 

        -Horrível! Usar isso daqui é um saco! Cosça mais que tudo nesse mundo e é totalmente desconfortável! - falei emburrada e olhando para aquela coisa na minha mão como se ele fosse o meu inimigo mortal, fazendo com que o Aiko risse.

        -Sempre sincera com tudo...- disse ele ainda rindo da minha cara. 
         -Ah, nem tanto! - continuamos jogar conversa fora. Eu gostava de ficar com o Aiko, ele era até que legal. 


                         *****


        Cheguei na empresa e fui correndo para o elevador, mas não antes de parar pra falar com a recepcionista, quando nós duas temos tempo, saíamos para almoçar, ela sempre comprava uma barra de chocolate e me dava metade, e isso fez com que eu gostasse dela.

         -Oi, Sook! - me apoiei no balcão imenso e dei um impulso para frente pra que eu pudesse chegar mais perto dela e bagunçar o cabelo da mesma- Tchau, Sook! - nem esperei que ela respondesse ou me xingasse, sai correndo para o elevador antes que ele fechasse. 

          Cheguei na sala onde o Menager costuma ficar. Não encontrei com os meninos, somente com o Jin, mas ele estava ocupado demais correndo pelos corredores atrás de um banheiro. Bati na porta da sala e esperei autorização para poder entrar. 

          -Desde quando você espera autorização para entrar na minha sala, Suna? - perguntou ele, abrindo a porta e me dando passagem para entrar. 

           -Desde quando eu fiz merda e você pode brigar comigo ou até mesmo me demitir. - sentei toda comportada, com a maior cara de anjo possível. 

          -Relaxa, eu não vou te demitir! - ele disse rindo, então eu pude parar de bancar uma staff eficiente. 

         -Então o que é? É sobre ontem? 
         -Sim. Você sabe que não pode fazer aquele tipo de coisa aqui na empresa e que nós tivemos muita sorte por ninguém ter descoberto, certo? - ele ficou bem sério tão de repente, que deu até vontade de rir dele, mas eu fingir ser uma pessoa com bom senso e segurei a risada.

         -Sim.- só respondi isso mesmo,  o que tinha pra falar e me desculpar, eu já fiz isso ontem logo assim que eu percebi o que tinha feito. 

        -E suponho que você saiba muito bem o porquê de eu ter te contratado. Os meninos precisavam de alguém que eles possam contar todas as horas, alguém que consegue fazer com que eles ficassem íntimos rapidamente e que conseguisse aturar cada um deles...

        -Eu bem que merecia um aumento no meu salário, né? 

         -Não é pra tanto. 

         -Aw! Cuidar de 7 crianças crescidas da trabalho, sabia? - fiz uma cara de cachorrinho fofo, mas com toda certeza, eu estou parecendo alguém que teve uma AVC.

           -Hmn...para de fazer essa cara feia, eu poço aumentar o seu horário de almoço. 

         -Ah, que bom! - fiquei empolgada porque eu poderia comer muito mais agora, só que algo passou pela minha mente e a minha animação acabou. 

              -O que foi? - o Menager que também estava sorrindo ficou sério. 
            -Ah...a minha inscrição foi aceita para a Rhode Island School of Designer.- falei entregando o envelope para ele. 

           -Não...quer dizer...que bom! - ele olhava de mim para o envelope, o sorriso dele era extremamente falso.

           -Você não me parece muito feliz. - eu já estava ficando inquieta com toda aquela coisa.

         -Não é isso. É que...e o seu emprego, e os garotos? - ele chegou na parte mais dolorosa dessa história. 

           -Essa faculdade é o meu sonho. - acho que eu não falei com todo o vigor, então isso não o convenceu. 

          -É mesmo, Suna? Quando nós encontramos pela primeira vez você me disse que tinha feito a inscrição, porque indo pra lá seria a sua forma de escape, mas isso foi antes de conhecer os meninos, e eles foram a sua forma de escape, não foi? Você realmente quer troca-los por uma coisa que nem gosta realmente? - eu iria responder, mas algum animal bateu na porta, atrapalhando nossa conversa sentimental (e extremamente chata). Despois que o Menager deu permissão para entrar, uma menina bonitinha e fofinha apareceu na porta. 

         -Menager? O senhor vai demorar muito ai? Os meninos já estão impacientes.- o som doce e sereno da sua voz era como música para os meus ouvidos. 

         -Vá no primeiro primeiro carro, a Suna já está indo, e ela vai com quem sobrar. - a menina assentiu e foi embora, depois que eu pensei direito algo invadiu a minha mente. 

         -Como é que é? Vocês contrataram outra pessoa? - levantei frustrada da cadeira. 

        -Ela não vai ficar aqui nem por um mês, ela é sobrinha do PD e pediu um emprego por algumas semanas porque ela está de férias e entediada. - ele falou aquilo como se não fosse nada, talvez realmente não seja nada, mas aquela dor de barriga que eu sentir quando aquela enfermeira peituda estava dando em cima do Suga, eu estava sentindo de novo. 

         -Okay. Então eu vou indo. - sai correndo da sala que nem o Flash, e por causa disso eu bati em alguém, isso fez com que eu caísse com tudo no chão. É óbvio que xinguei a pessoa de todos os nomes possível. 
          -A culpa não foi minha, era você que estava correndo. - eu conhecia a voz, era a voz do Hope.

        -Aonde estão os outros? - fui direto ao ponto. 

        -Estão lá embaixo esperando por você.- ele disse mexendo no celular, nem se quer me olhou direito. 

         -Okay. 

       Chegamos no estacionamento e só vi um carro ali, mas nenhum dos meninos, o Hope me deu o celular dele e falou que era pra esperar porque tinha esquecido de pegar água. Fui até o carro e ia abrir a porta do carona da frente, só que o V, que já estava dentro do carro, deu um grito totalmente desnecessário, deu vontade de jogar o celular do Hoseok, mas não causaria dor o suficiente, toda gritaria dele era só porque ele queria que fosse atrás com ele. Motivo? Ele queria me usar como travesseiro, simples, eu não estava afim de discussão, então aceitei de boa, mas quando abri a porta de trás, eu quase chorei sem acreditar na grande sacanagem que fizeram comigo. Separaram os piores para ir comigo, que no caso eram o Hope, V e Jimin. 

          -Ah, não...

       -SUNAAA! Nós escolhemos ir com você! - o Jimin fez o favor de gritar no meu ouvido logo assim que eu entrei no carro. 

          -Nossa...que alegria. - o pior de tudo foi que ele me abraçou, e isso fez me lembrar do que o Menager disse, e fiz o menos esperado, eu o abracei de volta, e disse uma coisa bem fofa pra ele.

          -Se você fica me perturbando, eu vou arrancar a sua língua! - deu pra ouvir ele engolindo em seco, e depois ele assentiu repetidamente. 

             -Suna, o que aconteceu com o Yoko? Não deu tempo de perguntar ao Menager sobre isso. - perguntou o V se deitando em meu ombro. 

          -Bom...eu ouvi a conversa entre a Maria e a minha tia, elas estavam falando sobre ele ter perdido a memória. 

          -Só com aquela pancada que o Hoseok deu? - ele arregalou os olhos surpreso, foi até que engraçada a expressão que ele fez.

        -Não. Parece que deixaram ele cair e depois bateu a cabeça, não sei direito. 

             -Nossa...- não deu tempo dele falar mais alguma coisa, o Hoseok entrou no carro ofegante, como se tivesse corrido uma maratona. Ta, não é pra tanto, mas foi quase isso. 

               -O Jungkook mandou uma mensagem dizendo que já estão quase chegando no aeroporto. - disse o Jimin. O Aiko entrou no carro entrou no carro também apressado e logo deu partida no automóvel. 

             -Ele falou sobre a staff nova?- perguntou o Hope para o Jimin. 

            -Eu perguntei, e ele disse que ela é muito legal. - disse o Jimin concentrado em seu celular. 

              -Ah, mas isso nós já sabemos! Você conheceu ela, Suna? - o Hoseok que estava sozinho no banco de trás, perguntou para mim.

             -Mais ou menos. - respondi friamente. Só em ter iniciado o assunto sobre a nova staff fez com que a dor na minha barriga começasse novamente. 

           -Ah, ela é tão fofa, cheia de aegyo! - disse o V com um sorriso no rosto, como ele estava com a cabeça apoiada no meu ombro, eu só fiz empurra a mesma e me afastar um pouco dele, fazendo ele reclamar. 

            -Verdade! - o idiota do Hoseok começou a falar de que quando a staff nova espirra, faz um barulho fofinho. 

             -Ah, pelos deuses...- resmunguei toda empurrada - Eu posso ir ai para frente? - perguntei para o Aiko, mas o mesmo me ignorou porque estava com fone de ouvido muito alto. 

              -Eu estou com fome...- o Jimin fez cara de cachorro abandonado, que ficou verdadeiramente fofa, mas a minha...

              -Ah, eu trouxe comida na minha...Ué...Aonde está a minha bolsa? - não perguntei para ninguém específico, quem respondesse estaria de bom tamanho. 

             -O Suga levou com ele.- e quem respondeu foi ninguém mais, e ninguém menos que...Jimin. 

              -POR QUE? - é claro que eu me estressei com aquilo,  os salgadinhos era a minha única salvação!

            -Ele estava mexendo nas suas coisas, ai chamarem ele para ir no primeiro carro, então ele foi com a sua bolsa na mão.- ele parou de jogar em se celular, olhou para mim, sorrio e depois voltou a jogar de novo. 

           -Mas que porra ele queria com a minha bolsa? - a minha vontade era de esganar o Suga neste exato momento, mas pra sorte dele, ele estava bem longe de mim.

           -Isso eu não sei, só sei que eu estou com fome! - o Jimin praticamente gritou no meu ouvido. Suspirei a procura de paciência. 

             -Oferecem comidas no avião. - comecei a chacoalhar o V, que já babava em cima do meu ombro. 

         -Mas não enchem a barriga! 

        -Tudo bem...eu compro alguma coisa na lanchonete do aeroporto. 

         -Mas...

       -Mas nada, Jimin! Se você ficar calado a fome passa.- e enfim eu consegui paz, o V e o Hoseok estava dormindo e o Jimin finalmente calado. Mas infelizmente, a minha 

felicidade não durou muito. 

          -Não está adiantando de nada!

        -Olha! Nós já chegamos! Aguenta mais um pouco aí. 

         -Quando chegarmos lá, eu vou está morto!


         Não, ele não morreu, ainda continua super vivo. Nós tínhamos chegado no aeroporto fazia uns 5 minutos, mas a única coisa que conseguimos fazer desde que chegamos aqui foi ser empurrados pra cá e pra lá, não consegui comprar o lanche do Jimin, e isso fez com que ele ficasse todo empurrado.   Eu estava louca para achar o Suga e pegar todos os salgadinhos que tinha na minha bolsa e enfiar todos pela garganta do Jimin, nem que ele não quisesse mais, eu sou capaz de comprar todas as comidas do mundo e fazer ele comer, só pra que ele parasse com birra e de encher a paciência que eu não tenho. 

               -Nossa, vocês demoraram! - disse o Jungkook logo assim que nos viu, eu não dei muita ousadia a ele, fui direto ao encontro da minha querida vítima. 

              -Nem vem! Nós estamos em publico, você não pode fazer nada contra mim! - o Suga falou aquilo antes mesmo de eu parar em sua frente, e ainda por cima, ele estava comendo os MEUS SALGADINHOS! 

               -Argh! Você me paga...ainda tem salgadinhos na MINHA bolsa? 

             -Uhm...tem alguns ainda. - ele apontou para a minha, que ele tinha feito o favor DE LAGAR NO CHÃO! 

          Xinguei ele baixinho, para que ninguém escutasse, peguei os salgadinhos e fui até o Jimin, que por sorte estava a uns cinco passos de distância da minha pessoa, e adivinhem com quem? Isso mesmo, a staff nova. Nem fiz questão de dirigir a minha palavra e divinidade até ela. Sim, sou uma pessoa completamente antipática e megera quando eu quero. 

         -Salgadinhos não enche a barriga! - ele fez bico, mas abriu o pacote e atacou o pacote de  salgadinho.

          -Se quiser mais é só pegar na minha bolsa. 

                        *****

        No avião foi um saco, eu tive que sentar do lado da staff nova e fingir que me interessava saber sobre a vida dela, ela tão perfeita que dar raiva, mas consegui superar com um sorriso falso estampado no rosto. Chegando em Busan, foi a mesma coisa que em Seoul, um monte de fãs cercaram os meninos, mas devo dizer que conseguimos sair de lá vivos. 

         Fui arrastada diretamente para o carro, e adivinhem quem foi comigo? Os mesmos, Jimin, V e Hoseok, a única coisa que mudou foi que o Jungkook quis com a gente e a minha bolsa, enfim, estava comigo, graças a um momento de distração do Suga. No carro ninguém quis saber de dormi, INFELIZMENTE, parece que aquele salgadinho fez com que todos ficassem agitados. Neste exato momento nós estávamos no quarto de hotel do Jin, e o mesmo estava doido para expulsar todo mundo para que ele por esse dormi em paz, só que o Menager queria falar com todos, para a tristeza do Jin e de alguns outros. 

         -SUNAAAA! - gritou o Jimin. 

         -Que é?-  falei ânimo algum. 

       -Você ouviu o que o Menager disse? - eu fiquei olhando pra ele, calada, esperando que ele falasse logo, já que eu estava ocupada demais fazendo nada.- Nós vamos poder sair! E eu vou pra casa da minha mãe e vou levar você! - ele veio até mim e me abraçou forte, quase que me mata sem ar.

          -Ah, sinto em informa que a Suna não vai poder ir com você, Jimin...- ele me soltou na mesma hora que o Menager disse aquilo, chega senti o meu fôlego voltar, e quando voltou, ele voltou junto com lindos palavrões direcionados para o Jimin.

          -Por que? - perguntou ele para o Menager. 

          -Porque eu preciso de alguém de confiança e que saiba o gosto de vocês, para que organize o camarim. E ela vai fazer isso com toda alegria do mundo, certo? Certo!  - ele nem esperou que eu respondesse e já foi saindo do quarto. 

          -Por que levar a Suna pra conhecer a sua mãe? - perguntou o Suga com cara de quem comeu e não gostou. 

           -E qual é o problema de ele querer me levar?- quase que eu levantava pra bater nele, mas a preguiça falou mais alto. 

           -É que você é tão...você. - mandei o meu lindo dedo do meio para ele, e o mesmo só sorriu de um jeito cínico. 

          Não podia culpar as pessoas por acharem isso estranho, eu também achei esquisito alguém querer me conhecer. Era bem suspeito. 

         -Bom...a minha mãe meio que se apaixonou pela Suna depois que a mesma conseguiu me fazer lavar as minhas roupas. - disse o Jimin com a maior cara de bunda, me senti orgulhosa pelo meu ato. 

           -A gente até conversou por telefone uma vez...- eu disse me lembrando daquele dia estranho, porém, agradável. 

           -Será que dá pra vocês ir conversar em outro lugar? Eu estou com sono! - disse o Jin com uma cara fofa de sono, então eu arrastei todo mundo pra fora do quarto, e quando Eu estava fechando a porta, a nova staff apareceu dizendo que o Menager estará me esperando em frente ao hotel em 20 minutos, olhei no relógio era 16:00, ótimo. Sai correndo até o meu quarto, sai largando as minhas roupas por todo o quarto e fui no banheiro tomar o costumeiro "banho de gato". Demorei exatos 10 minutos no banho, peguei uma calça jeans cintura alta, um cropped e o meu lindo tênis All Star. Coloquei todas as coisas que eu achei que precisaria lá dentro da minha bolsa, ajeitei o meu cabelo e coloquei o mínimo de maquiagem, e só, eu já estava pronta em 20 minutos, mas quando eu cheguei na portaria do hotel o Menager reclamou que eu estava 3 minutos atrasada. 

                      *****

         Já se passavam das 19 hrs ,e nada totalmente pronto, mas pelo menos a minha parte eu fiz, e devo dizer que eu estou morta de cansaço, era muita coisa pra se fazer, fiquei correndo pra lá e pra cá feito barata tonta, e enquanto eu fazia aquilo tudo, ficava pesando que em vez dessas porcarias, eu poderia está fazendo...coisas com o Suga. 

             -Eu nunca te vi tão concentrada assim, sabia? - o Aiko chegou por trás de repente enquanto eu pensava no Suga, e isso me fez querer mata-lo, mas pelo menos ele ajudou a dispensar os pensamentos eróticos que estavam vagando pela minha cabeça. 

            -Não me dê um susto desses ou eu te bato! - sentei em uma das cadeiras que tinha no espaço onde fãs iriam ficar. 

            -Okay...mas você vai sair comigo, hoje.- olhei pra ele com total desinteresse. 

            -Depende muito do lugar...aonde é? - perguntei pegando o meu celular para ver se tinha alguma mensagem dos meninos, nada.

           -Vamos sair pra beber.- me desinteressei ainda mais depois que ele disse aquilo. 

          -Se você está falando em beber aquelas cervejas sem graça, pode ir tirando o cavalinho da chuva. - eu ia levantar da cadeira, mas ele me impediu. 

        -Eu não falando dessas bebidas sem graça, estou falando daquelas bem mais interessantes, se é que me entende. - aquelas palavras mudaram a situação por completo. 

          -Vamos. - levantei da cair e em um pulo.

        -Você ainda vai querer passar no hotel? - perguntou ele. 

        -Não. Só vou ligar para o Namjoon e dizer que eu vou sai. Você já avisou ao Menager? 

       -Sim...- seguimos até a saída do estabelecimento e eu liguei pros meninos, nenhum atendeu, liguei para o último, que era o Jimin, e esse atendeu no primeiro toque. 


                 LIGAÇÃO ON: 


     "Jimin?"

    "Sabe, eu acho que esse branco vai combinar mais, olha"

    "O que? Jimi..."

    "Ah, isso daqui é bem ela!" Era bem claro que ele não estava falando comigo. 

      "Jim..."

     "Moço, tem como colocar as minhas iniciais maior do que as dos outros? "

     "Ah, não eu também quero!" Escutei a voz do Jungkook por perto. 

      "Nada disso! Eu tenho que ter as iniciais maiores, eu sou o mais importante." Escutei a voz o V um pouco mais longe. Eu e o Aiko já estávamos dentro do carro, e nada do Jimin se tocar. 

       "Mas é eu que fico mais tempo com ela, então é as minhas que tinha que ser maior! " Agora quem disse foi o Namjoon. 

      "Ji..."

      "Então vamos fazer tudo do mesmo tamanho, mas coloca o meu maior, ta?" Quando ele disse a última parte, toda a confusão começou de novo, e isso me tirou do sério. 

        "JIMIN!" Sim, gritei, já que era o único jeito dele me escutar. 

      "Suna?"

      "Por que você atendeu? Eu falei pra ninguém atendesse quando ela ligasse!" Dessa vez foi o Suga que disse.

     "Foi sem querer! O que eu faço?" Era notável o desespero na voz dele.

     "Desliga!" O V e o Jungkook disseram ao mesmo tempo. 

     "Eu não sei se você sabe, mas ela está ouvindo tudo." Disse o Namjoon, ainda bem que ele é esperto. 

      "Eu não quero nem está por perto quando ela começa a falar merda." Somente o Suga podia falar isso, com toda essa delicadeza que só ele tem.

       "COMO É QUE É?"

      "Ala, já vai começa! " Disse ele de novo.

      "Ah, filho da..." A minha irritação só aumentou. 

     "Por que você ligou, Suna? Eu pensei que estaria ocupada." Disse o Namjoon. 

     "E estava, mas eu só liguei pra avisar que eu vou sai com Aiko e não tenho hora pra voltar."

      "PERA AÍ! O QUE? " O que o Suga disse foi a última coisa que eu ouvi antes de desligar. 

   
                  LIGAÇÃO OFF


         -Nós já chegamos.- disse o Aiko animado. 

         -Nossa! Já? - olhei para o lado e vi um barzinho meio caído, mas parecia confortável e vazio. 

         -Pois é. Vamos? - ele perguntou já saindo do carro. 

       -Uhum...- saímos do carro e entramos no barzinho, e como eu falei antes, ele era confortável e vazio. As únicas pessoas que ali dentro era um casal esquisito, um cara vestido com uma cueca samba canção e roupa blusa colorida, tinha um velhinho e uma moça pálida e que parecia está drogada brigando atrás do balcão de atendimento, mas eles não em coreano, e sim em chinês, se não me engano. O Aiko foi comprimentar o velhinho e a moça drogada, depois dos cumprimentos os dois voltaram a brigar de novo e o Aiko veio até mim rindo.

 

          -Aquele ali é o meu avô, eu só não te apresento porque ele está bêbado - ele disse apontando para o velhinho que agora saia com uma garrafa de saquê na mão - E aquela é a minha prima de segundo grau, ela pode parecer estranha, mas é bem legal - ele falou apontando para a moça drogada. 

          -Ah, eu até gosto de velhinhos bêbados...- o Aiko me levou até a mesa onde cara de cueca samba canção estava, e ficou nos encarando com um sorriso no rosto - Você conhece esse cara? - susurrei no ouvido do Aiko.

           -Não faço a mínima ideia de quem seja, mas gostei do short dele. - ele sussurrou de volta. 

          -Não é um short. - falei me referindo a cueca do homem que ainda nos encarava com um sorriso no rosto, aquilo já estava ficando assustador. 

          -O que...?- perguntou o Aiko confuso. 

           -A menina rabugenta tem razão. - disse o cara estranho e assustador falou, demorei um pouco pra perceber que a " a menina rabugenta" que ele estava falando ERA EU! 

         -Você me chamou de quê? - perguntei incrédula, eu ia parti pra agressão daqui a pouco.

       -O seu avô é um porre, sabia? - a moça drogada apareceu com dias garrafas uma de saquê e outra de Whisky. 

        -É, sabia...- disse o Aiko dando de ombros. 

        - Eu queria muito embebedar aquele casal - disse a moça drogada apontando para o único casal que tinha ali - acredita que eles só estão bebendo cerveja? Chega até ser um insulto! 

        -E como você pretende embebedar eles? - perguntou o Aiko e ela só deu de ombros. 

        -É só misturar as bebidas - eu disse como se fosse a coisa mais fácil do mundo, e era- só precisa tomar cuidado com o gosto.

         -Ta aí...eu vou fazer isso, mas antes, vamos fazer um desafio...- disse a moça drogada colocando saquê nos copos que ela tinha trazido. 

           -Eu gosto de desafios! - disse o cara de cueca samba canção. 

        -Ótimo! Eu desafio todos vocês a esvaziar todas as garrafas de saquê e whisky que tem no estoque, porque eu não aguento mais aquele velho bêbado. Vocês aceitam? - ela perguntou levantando o copo, logo em seguida o cara de cueca e o Aiko também levanta os copos, ficando somente eu sem levantar. 

         -É claro que eu aceito! - peguei o copo e o levantei. 

         -Um, dois...três!- o Aiko contou, é no três todos nós bebemos juntos. 


          CONTINUAÇÃO DO DIA SEGUINTE... 

       -Ai, santa Afrodite! Que merda foi o que eu fiz...?

        -Será que dá pra cala a boca? - o ignorei e comecei a procurar as minhas roupas que estavam espalhadas juntas com as outras pelo quarto minúsculo. 

         -Aiko, Aiko, Aikoooo - chamei ele desesperada. 
 
       -O que é? - eu peguei as roupas deles e comecei a vesti-las nele (só os Deuses sabe como eu fiz isso), a sorte, é que o desespero me impediu de perceber o quão estranho era isso tudo. 

         -Nós precisamos ir pro hotel, esqueceu? - terminei de colocar sua camisa, que era a última peça que faltava e comecei a chacoalhar ele assim como eu faço com os meninos quando eles não querem acordar. 

         -Ta, ta, cordei! - ele levantou ainda meio zonzo, mas levantou. Eu acho que a única coisa que me fazia ficar em pé e me mover como o Flash era o meu eterno companheiro, o medo. 

         De alguma forma nós conseguimos descer as escadas da casa (e não um quarto de hotel de quinta, mas parecia bastante) de cima até o barzinho, quando chegamos lá, o avô do Aiko estava abraçado com várias garrafas vazias de saquê e o whisky, e ele estava chorando, mas era um choro bem falso por sinal. Saímos de lá sem fazer um barulho possível, não queríamos atrapalhar o momento de luto com o avô do Aiko e as garrafas dele, não é mesmo? 

        Chegamos no hotel bem rápido, não sei se levamos alguma multa e eu também não sei como não morremos, já que o Aiko ainda não a sua sanidade por inteira, mas conseguimos chegar vivos, isso é o que importa! 

            -Aonde é o seu quarto? - ele perguntou assim que estávamos no corredor. 

         -Ah, é esse daqui- apontei para a porta do quarto que eu estava e fui até ela, colocando a mão na maçaneta, mas eu nem precisei me virar e abri-la, porque de alguma forma alguém já tinha aberto pelo lado de dentro. 

          -Mas em que caralhas você estava e ainda por cima, com ele? - eu também nem precisava me virar para trás pra saber quem foi que tinha dito aquilo, só há uma pessoa que eu conheço que é super delicado e carinhoso com as palavras, e essa pessoa se chamava Mim Yoongi. 

 

           FIM!!!


     LEIAM AS NOTAS FINAIS, É IMPORTANTE. 


Notas Finais


EU devo dizer que...a fanfic já está acabando, só falta poucos capítulos para So Far Away acabar 😢 MAS EU ESTOU ESCREVENDO OUTRA FANFIC COM O BTS. E não se enganem, a nova fanfic não vai ser só drama.

Link da fanfic : https://spiritfanfics.com/historia/i-hate-i-love-my-life-7124868/capitulo1

Vão dá uma olhada lá E NÃO SEJAM LEITORES FANTASMAS! Bjs 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...